Conecte-se conosco





Cotidiano

No Acre, queda no número de mortes violentas intencionais passa dos 35% nos últimos nove meses

Publicado

em

Com o melhor desempenho desde 2011, o Acre registrou, durante os últimos nove meses, uma redução de 35,1% nas mortes violentas intencionais (MVI), que abrange homicídios dolosos, feminicídios, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais. A informação foi repassada pela segurança pública nesta sexta-feira (01).  Na prática, esses números positivos resultaram no total de 85 vidas salvas, comparando-se o período de janeiro a setembro dos anos de 2020 e 2021.

A evolução dos bons resultados fica mais evidenciada quando se compara às médias mensais de MVIs no ano de 2018 (34,66 registros) com a do ano de 2021 (17,44 registros). As estatísticas mostram uma queda de quase 50 pontos percentuais. Os dados são do Observatório de Análise Criminal do Ministério Público Estadual, divulgados nesta sexta-feira, 1.

Comparando-se, ainda, com os números de 2018, os dados estatísticos apontam que, de 01/01/2018 a 30/09/2018, foram registradas 336 mortes violentas intencionais no Acre, enquanto no período de 01/01/2021 a 30/09/2021, esse número caiu para 157 MVIs, alcançando uma redução de 53,27% e, na prática, 179 vidas poupadas no estado.

Para o secretário de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Paulo Cézar Rocha dos Santos, a retomada do pulso forte do Estado contra a criminalidade, a partir de 1º de janeiro de 2019, sustentada pelos pilares estratégicos da imposição da disciplina e procedimentos padrões operacionais nos Sistemas Prisional e Socioeducativo, da priorização do combate aos crimes transfronteiriços e da integração das ações das forças estaduais e federais para o combate às organizações criminosas, justifica os índices alcançados nesses últimos dois anos.

Ainda no que diz respeito ao enfrentamento direto aos crimes, Paulo Cézar Rocha dos Santos também faz questão de ressaltar o aumento de elucidação de delitos contra a vida e a ampliação do número de operações realizadas contra as organizações criminosas na capital e interior, por parte da Polícia Civil.

No mesmo diapasão, ele acrescenta a implantação, pela Polícia Militar, da estratégia do policiamento orientado para o problema, o que determinou, significativamente, o número de apreensões de armas e veículos, oriundos de roubos e furtos, e prisões de indivíduos em conflito com a lei.

Nesse sentido, o titular da Sejusp assevera a relevância do sistema socioeducativo no combate à criminalidade, a partir da redução da população socioeducanda (de 610, em janeiro de 2019, para 270, no início de 2021) e da expressiva queda da reincidência (queda de 39% para 10%). “Ações concretas e pedagógicas foram fatores determinantes para o alcance dessas metas”, completou o secretário.

Não menos importante, o titular da Sejusp aponta as parcerias institucionais como fator preponderante no alcance dos índices promissores ora mostrados. Nesse sentido, ele destaca a criação e instalação da Vara de Delitos de Organizações Criminosas, por parte do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), bem como os julgados, no âmbito do 2º Grau de Jurisdição, do Poder Judiciário acreano.

No mesmo contexto, o titular da pasta assevera que “se faz necessário reconhecer a contribuição do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Acre e das metas operacionais das Forças de Segurança”.

Por todos esses fatores, segundo o secretário, forçou-se um inevitável recuo das ações das organizações criminosas no território acreano, enfraquecidas, inclusive no que diz respeito à comunicação entre chefias nos presídios e nas ruas.

Ao final da análise de resultados, Paulo Cézar apontou “a atuação integral, doada ao Estado, de cada operador do Sistema Integrado de Justiça e Segurança Pública, sem o qual tal redução não seria alcançada, pois este repousa neste contexto acima de qualquer estratégia”, avaliou.

Comentários

Em alta