fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Mundo tem fome de paz, diz papa Francisco em mensagem de Natal

Publicado

em

Papa Francisco – REUTERS / Remo Casilli

O papa Francisco pediu o fim da guerra na Ucrânia e de outros conflitos em sua mensagem de Natal neste domingo (25), e disse que o mundo está sofrendo de “fome de paz”.

Ao entregar a bênção e a mensagem Urbi et Orbi (para a cidade e para o mundo) de seu pontificado, ele também pediu as pessoas que olhem além do “brilho superficial do feriado” e ajudem os sem-teto, imigrantes, refugiados e os pobres em suas buscas por conforto, calor e comida.

“Vamos ver os rostos de todas aquelas crianças que, em todo o mundo, anseiam pela paz”, afirmou, ao ler a mensagem da varanda central da Basílica de São Pedro, o mesmo local de onde emergiu como papa pela primeira vez em 13 de março de 2013.

“Vamos ver também os rostos de nossos irmãos e irmãs ucranianos que vivem este Natal no escuro e no frio, longe de suas casas, devido à devastação causada por dez meses de guerra”, disse a dezenas de milhares de pessoas que estavam na Praça de São Pedro.

Ele falou poucas horas depois de sirenes de ataque aéreo soarem na Ucrânia e um dia depois de Kiev dizer que um ataque russo na cidade recém-libertada de Kherson matou pelo menos cinco pessoas e feriu 35 nesse sábado.

“Que o Senhor nos inspire a oferecer gestos concretos de solidariedade para ajudar todos aqueles que sofrem, e que ele ilumine as mentes daqueles que têm o poder de silenciar o trovão das armas e pôr fim imediato a esta guerra sem sentido!” disse Francisco.

O conflito na Ucrânia, disse ele, não deve diminuir a preocupação com as pessoas cujas vidas foram devastadas por outros conflitos ou crises humanitárias, citando, entre outros locais, Síria, Mianmar, Irã, Haiti e a região do Sahel na África.

“Nosso tempo está passando por uma grave fome de paz”, acrescentou.

Francisco pediu a retomada do diálogo entre israelenses e palestinos na Terra Santa, o local do nascimento de Jesus.

Em 2022, ocorreram os piores níveis de violência na Cisjordânia, ocupada por Israel em mais de uma década, com pelo menos 150 palestinos e mais de 20 israelenses mortos.

Como muitos se sentam em torno de “uma mesa bem servida”, grandes quantidades de comida são desperdiçadas diariamente e os recursos são gastos em armas, lembrou.

Ele condenou novamente o uso de alimentos como arma de guerra, e disse que a guerra na Ucrânia colocou milhões em risco de fome, citando o Afeganistão e os países do Nordeste africano, o Chifre da África.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Brasil é campeão no Mundial de Robótica em Houston

Publicado

em

Por

O Brasil conquistou o primeiro e o segundo lugar na modalidade de 9 a 16 anos e levou mais sete prêmios técnicos, em todas as categorias, no Mundial de Robótica que começou quarta-feira (17) e terminou neste sábado (20) em Houston, nos Estados Unidos.

O Mundial de Robótica da FIRST ocorre anualmente e reúne 15 mil estudantes de 6 a 19 anos de 50 países. Neste ano, o Brasil teve a maior delegação desde que o primeiro time brasileiro disputou o torneio, em 2000. Foram 144 alunos de escolas públicas e privadas de dez estados.

Os oito integrantes da Los Atômicos, de Araras (SP), garantiram o primeiro lugar na categoria de 9 a 16 anos. “Sem dúvida, essa foi uma experiência única e um sentimento inesquecível. Só temos a agradecer a todas as pessoas que nos ajudaram. É muito gratificante estar aqui e poder ser o campeão do World Festival”, comemorou Ana Clara Simionatto.

Outro time brasileiro que competia na mesma modalidade, a Pardoboots, de Santa Cruz do Rio Pardo (SP), garantiu não só o segundo lugar, como também o prêmio de técnico/mentor. Os sete competidores e a técnica Monica Marques celebraram o título de Champion´s Award Finalist, que reconhece o sucesso da equipe em todos os critérios de avaliação.

“O prêmio representa a equipe inspiradora que foi bem em todas as áreas, então é o prêmio mais importante da competição. Estamos muito felizes!”, afirmou Otavio Andrade. Os brasileiros levaram mais seis prêmios técnicos: projeto de inovação, time estreante, espírito de equipe, inspiração, controle do robô e apresentação do pôster.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo

Brasil

Aliados de Bolsonaro fazem ato político no Rio de Janeiro

Publicado

em

Por

Aliados do ex-presidente da República Jair Bolsonaro fizeram um ato público na orla da praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, na manhã deste domingo (21). O próprio Bolsonaro usou suas redes sociais para convocar as pessoas para a manifestação.

Com várias falas que misturaram política e religião, os aliados do ex-presidente fizeram discursos em favor de Bolsonaro, do dono da rede social X (ex-Twitter), Elon Musk, e da liberdade de expressão, além de criticarem veículos de imprensa, o atual governo, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e as investigações em relação à tentativa de golpe de Estado.

>> Entenda aqui a polêmica com Musk

Ao falar em cima de um trio elétrico, Bolsonaro se disse vítima da “covardia” de um “sistema” que quer vê-lo “fora de combate em definitivo”. 

Bolsonaro é investigado em inquérito sobre a tentativa de golpe ocorrida no dia 8 de janeiro de 2023. Seu passaporte foi apreendido pela Polícia Federal (PF), em fevereiro, por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, durante a operação Tempus Veritatis.

Segundo a investigação da PF, quando ainda era presidente da República, Jair Bolsonaro discutiu com militares uma minuta de golpe de Estado, em que previa prender Moraes, o também ministro do STF Gilmar Mendes e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

Além disso, a minuta previa a realização de novas eleições presidenciais, usando, como justificativa, falsos indícios de fraudes nas urnas eletrônicas.

Para os manifestantes que estavam em Copacabana, o ex-presidente se defendeu de suposto envolvimento na elaboração da chamada minuta do golpe.

“Nunca jogamos fora das quatro linhas. Alguém já viu essa minuta de golpe? Quando se fala em estado de sítio, é uma proposta que o presidente, dentro de suas atribuições constitucionais, pode submeter ao parlamento brasileiro. O presidente não baixa decreto nenhum. Só baixa decreto depois que o parlamento der o sinal verde”, disse Bolsonaro neste domingo.

Bolsonaro também defendeu os manifestantes presos durante os atos de 8 de janeiro, quando centenas de pessoas invadiram e vandalizaram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele voltou a falar sobre o processo eleitoral. “Que nós possamos disputar as eleições sem qualquer suspeição. Afinal de contas, a alma da democracia é uma eleição limpa, onde ninguém pode sequer pensar em duvidar dela. Não estou duvidando das eleições, página virada.”

Em junho do ano passado, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tornou Bolsonaro inelegível por oito anos, por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação, já que, em julho de 2022, durante a campanha eleitoral, o então candidato à reeleição convocou uma reunião com embaixadores para atacar o sistema eletrônico de votação, sem apresentar provas.

Em outubro do mesmo ano, Bolsonaro tornou-se inelegível pela segunda vez pelo TSE por abuso de poder político. Por maioria, os ministros consideraram que ele aproveitou as celebrações de 200 anos da independência do Brasil, em 7 de setembro de 2022, para seu benefício em sua campanha eleitoral pela reeleição.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo

Brasil

Bolsonaro surfa na briga Musk x Moraes

Publicado

em

Por

Deu uma pequena trégua porém. Disse que não falaria de fraude nas eleições de 2022, que era “coisa passada”. Mas criticou a decisão do TSE de multar seu partido, o PL, em R$ 22 milhões; e as decisões do tribunal que o considerou inelegível. Sem citar nomes, alfinetou o ministro do STF Flavio Dino: “Eu não me reuni com traficantes no Complexo do Alemão; eu não coloquei do meu lado a dama do tráfico do Amazonas no ministério”.

A verborragia de Bolsonaro hoje é mais do mesmo. Nada do que ele não tenha dito antes – e que motivou condenações no TSE e a inclusão de seu nome em inquéritos no STF.

A situação jurídica de Bolsonaro não deve mudar depois do ato de hoje. Em contrapartida, o cenário político melhora. A exemplo do discurso na Avenida Paulista há dois meses, o ex-presidente mostra que, mesmo inelegível, ainda é capaz de reunir muita gente para ouvir e repercutir o que diz.

E, a exemplo do que aconteceu na Paulista, em Copacabana Bolsonaro repetiu a estratégia de deixar as críticas mais duras ao Judiciário para o pastor Silas Malafaia – que, até onde se sabe, ainda não figura em inquéritos do STF conduzidos por Alexandre de Moraes. O discurso do pastor deste domingo talvez mude essa situação.

Malafaia chamou Moraes de “ditador de toga”, disse que o ministro “rasgou a Constituição” e que é “uma ameaça à nação”. Se não for preso antes, o religioso acabará sendo eleito.

Comentários

Continue lendo