Conecte-se conosco





Acre

Levantamento revela que apenas 10 estados brasileiros voltaram com as aulas presenciais da rede pública estadual

Outros dez estados e o Distrito Federal definiram o retorno para até o dia 17 de agosto. Seis estados ainda não definiram a retomada.

Publicado

em

O Globo

Mesmo com a reabertura de vários setores econômicos, alunos da maior parte dos estados continuam sem aulas presenciais. De acordo com o levantamento da produção do Jornal da Globo, apenas dez estados reabriram as escolas da rede pública estadual e autorizaram as prefeituras a fazer o mesmo.

Estados que já retomaram as aulas presenciais:

  • Amazonas
  • Espírito Santo
  • Paraná
  • Rio Grande do Sul
  • Rio de Janeiro
  • Minas Gerais
  • Pernambuco
  • Santa Catarina
  • São Paulo
  • Tocantins

Em outros dez estados e no Distrito Federal, o retorno dos alunos está marcado para ocorrer até o dia 17 agosto. Há ainda seis estados que sequer definiram uma data para a reabertura das escolas.

10 estados brasileiros retornaram com aulas presenciais – Foto: Reprodução/TV Globo

Em pronunciamento feito nesta terça-feira (20), o ministro da Educação, Milton Ribeiro, fez um apelo para que estados e municípios retomem as aulas presenciais imediatamente.

“Não podemos mais adiar este momento. O retorno as aulas presenciais é uma necessidade urgente (…). A vacinação de toda a comunidade escolar não pode ser condição para a reabertura das escolas”, disse.

Segundo o ministro, “é preciso enfrentar juntos os desafios impostos pela pandemia e cumprir com nossa obrigação de garantir as condições necessárias para o retorno às aulas presenciais, pelo bem dos nossos filhos e pelo futuro de nosso país”.

A ONG Todos Pela Educação falou em omissões do Governo Federal durante a pandemia ao não assumir a coordenação das ações para o ensino remoto, o que teria agravado os impactos na aprendizagem de crianças e jovens. Para a organização, agora será preciso um esforço dos governos e da comunidade escolar para ajudar os estudantes a recuperar o aprendizado comprometido.

Professora e alunos em sala de aula – Foto: Reprodução/TV Globo

“A gente está falando de busca ativa escolar, para evitar explosão da evasão, principalmente no ensino médio. A gente está falando de ações de acolhimento emocional dos estudantes e profissionais de educação, ações de recuperação e aceleração da aprendizagem para que os estudantes possam recuperar o tempo perdido e o baixíssimo nível de efetividade que o ensino remoto teve no Brasil”, disse Olavo Nogueira Filho, diretor-executivo da Todos Pela Educação.

São Paulo define retorno

No caso da cidade de São Paulo, a maior rede de ensino do país, o segundo semestre letivo vai começar com praticamente todos os alunos em sala de aula.

A prefeitura autorizou as escolas municipais a receberem 100% dos alunos com mais de quatro anos de idade a partir do dia 2 de agosto. A escola que não tiver capacidade física para receber todos os matriculados mantendo o distanciamento de um metro terá que fazer rodízio de alunos.

Com isso, quem estiver fora da aula presencial terá acesso às atividades remotas. A única exceção são os alunos com comorbidades, que não devem voltar às aulas neste momento. No caso das creches, haverá um limite de 60% na ocupação.

Segundo a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, um em cada três estudantes não entregou as atividades ou teve pouca participação nas aulas remotas.

Comentários

Em alta