fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

IPCA-15 acelera a 0,33% em novembro, puxado por alimentação, diz IBGE

Publicado

em

Em 12 meses, índice visto como prévia da inflação oficial caiu para 4,84%, em relação aos 5,05% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores

Supermercado na zona sul do Rio de Janeiro.

CNN-Brasil

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação, subiu 0,33% em novembro, após apresentar alta de 0,21% no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (28).

A expectativa de analistas de mercado era de uma alta de 0,30%, segundo pesquisa da Reuters.

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 4,30%. Em 12 meses, o índice caiu para 4,84%, em relação aos 5,05% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2022, a taxa foi de 0,53%.

Oito dos nove grupos pesquisados registraram alta em novembro, com a maior variação e o maior impacto vindo de Alimentação e bebidas (veja tabela abaixo).

Outros destaques entre as altas do mês foram os grupos Despesas pessoais e Transportes.

Único a registrar queda, o grupo Comunicação recuou pelo terceiro mês consecutivo.

No grupo Alimentação e Bebidas, o destaque foi para alimentação no domicílio, que subiu 1,06% em novembro, após cinco quedas consecutivas.

Esse item foi influenciado pelas altas da cebola (30,61%), batata-inglesa (14,01%), arroz (2,60%), frutas (2,53%) e das carnes (1,42%).

Do lado das quedas, estão os preços do feijão-carioca (-4,25%) e do leite longa vida (-1,91%).

Segunda maior alta entre os grupos, Despesas pessoais foi pressionado pelas altas do pacote turístico (2,04%), da hospedagem (1,27%) e do serviço bancário (0,63%).

No grupo dos Transportes (0,18%), o subitem passagem aérea subiu 19,03% e teve o maior impacto individual no índice do mês (0,16 p.p.), ressalta o IBGE.

O instituto também destaca a alta no subitem táxi (2,60%), devido aos reajustes de 20,84% em Porto Alegre (16,67%), a partir de 9 de outubro, e de 6,67% em São Paulo (3,76%), a partir de 28 de outubro.

Do lado das quedas do grupo Transportes, o IBGE destaca o subitem ônibus urbano (-1,35%), que teve reajuste de 6,12% em Salvador (0,44%), em 13 de novembro. Em combustíveis (-2,11%), houve queda no etanol (-2,49%), na gasolina (-2,25%) e no gás veicular (-0,57%), enquanto o óleo diesel (1,12%) subiu.

Comentários

Brasil

Em vídeo, líder do Hamas agradece apoio de Lula à Palestina

Publicado

em

Dirigente do grupo terrorista diz que todos estão “honrados” pelas declarações do Estado brasileiro sobre a guerra

O chefe de relações políticas e internacionais do Hamas, Dr. Basem Naim, agradeceu ao governo brasileiro e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)pelas recentes manifestações de apoio à causa palestina. Nas últimas semanas, o chefe do Executivo brasileiro tem afirmado que a ação do Exército de Israel na Faixa de Gaza é um “genocídio”.

Os comentários de Naim foram transmitidos em vídeo para a conferência nacional do Partido da Causa Operária (PCO). O dirigente do grupo terrorista responsável pelo ataque a Israel em 7 de outubro diz que os membros da organização estão “honrados” por todas as declarações do Estado brasileiro.

“Hoje, estou falando para a audiência dessa conferência em um dos maiores Estados, de um dos maiores países do mundo, uma nação em ascensão, Brasil, que é um país amigo dos palestinos, apoiador da causa palestina. E estamos muito honrados por todas as declarações recentes dos funcionários do governo, particularmente as declarações do presidente Lula sobre seu compromisso e sua postura corajosa de apoiar a causa palestina e especificamente, exigir um cessar-fogo para parar essa agressão contra nosso povo”, afirmou Basem Naim.

O representante do Hamas também declarou que aguarda o dia em que a organização poderá comemorar a “liberdade da Palestina” junto com o Brasil e outros aliados.

“Esperamos o dia em que estaremos na Palestina com todos os nossos amigos ao redor do mundo, incluindo nossos amigos e companheiros do Brasil para celebrar a liberdade da Palestina. E penso que será em breve. Mas, até chegarmos a esse momento, temos que fazer nosso dever de casa”, afirma Naim. “Estamos no solo, estamos lutando, estamos firmes, estamos comprometidos com nossa causa. Mas, também queremos o apoio de todos os nossos amigos ao redor do mundo, em particular, no grande e amado Brasil”, continua ele.

Veja: Lideranças pedem que Lula se retrate por fala que comparou Israel ao nazismo

As declarações do dirigente do Hamas vêm à tona poucas semanas após a eclosão da crise diplomática entre Brasil e Israel com as polêmicas falas do presidente Lula em relação às ações das Forças Armadas Israelenses na Faixa de Gaza. Em 18 de fevereiro, durante uma entrevista coletiva em Adis Abeba, capital da Etiópia, Lula criticou Israel pelo número de mortes registrado durante seus ataques em Gaza, e comparou a morte de palestinos com o extermínio de judeus feito pelo líder da Alemanha Nazista, Adolf Hitler. Ao menos 6 milhões de judeus foram mortos pelo regime nazista, entre 1933 e 1945.

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu. Quando Hitler resolveu matar os judeus”, declarou o presidente. Além disso, Lula afirmou que Israel não obedece as decisões da ONU e que a ofensiva israelense promove um genocídio. Ele também se disse a favor da criação de um Estado palestino.

De acordo com o presidente, o conflito “não é uma guerra entre soldados e soldados, é uma guerra entre um Exército altamente preparado e mulheres e crianças”. “Não é uma guerra, é um genocídio”, declarou ele.

O discurso de Lula teve reações imediatas de repúdio por parte comunidade judaica no Brasil e no Israel. Mas também gerou um amplo desconforto diplomático com Israel, que declarou o presidente persona non grata até receber uma desculpa oficial da República. O petista, contudo, tem resistido em recuar.

Leia mais: Presidente do memorial do Holocausto diz que fala de Lula é ‘clara expressão antissemita’

Reagindo ao discurso, o primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu, disse que o presidente brasileiro havia cruzado uma linha vermelha. “Ao comparar a guerra de Israel em Gaza contra o Hamas, uma organização terrorista genocida, ao Holocausto, o presidente da Silva desonra a memória dos seis milhões de judeus assassinados pelos nazistas e demoniza o Estado judeu como o mais virulento dos antissemitas. Deveria ter vergonha”, comentou ele.

Com o acirramento da crise, o Brasil, convocou para consultas seu embaixador em Tel-Aviv e convocou o representante diplomático de Israel para declarar sua “insatisfação” com os acontecimentos.

Em uma reafirmação da política externa nacional, mas de forma cautelosa, Lula já classificou as ações do Hamas em 7 de outubro como terroristas. “Fiquei chocado com os ataques terroristas realizados hoje contra civis em Israel, que causaram numerosas vítimas. Ao expressar minhas condolências aos familiares das vítimas, reafirmo meu repúdio ao terrorismo em qualquer de suas formas”, declarou Lula no dia do ataque a Israel.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Investigadores cercam fazenda após fugitivos de Mossoró serem vistos por moradores

Publicado

em

Nesta madrugada, foragidos teriam invadido propriedade e agredido agricultor; policiais fazem buscas em Baraúna (RN)

Os investigadores da força-tarefa que buscam os dois fugitivos da penitenciária federal de Mossoró (RN) cercaram neste domingo (3) uma fazenda em Baraúna (RN), município na zona rural do estado e que faz divisa com o Ceará, após moradores da região relatarem ter visto os foragidos durante a madrugada. Os dois teriam invadido uma propriedade rural e agredido um agricultor. Além disso, de acordo com policiais que participam das buscas, os detentos roubaram outros moradores.

Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral Nascimento fugiram da carceragem federal em 14 de fevereiro. A fuga é a primeira desde a implementação do Sistema Penitenciário Federal no Brasil, em 2006. Mais de 600 agentes estão à procura dos detentos.

Desde que escaparam da penitenciária, Rogério e Deibson foram vistos em diversas ocasiões. Dois dias após a fuga, os homens teriam feito uma família de refém, na zona rural de Mossoró. Neste dia, a polícia também encontrou pegadas, calçados, roupas, lençóis e uma corda, além de uma camiseta do uniforme da penitenciária, em uma área de mata.

Em 23 de fevereiro, o irmão de um dos fugitivos foi preso pela força-tarefa. O homem é condenado por roubo e participação em organização criminosa e estava com mandado de prisão em aberto. Os policiais chegaram até ele durante as investigações sobre a fuga da penitenciária, uma vez que há várias forças de segurança envolvidas nas buscas, com trocas de informações.

Um dia antes, três pessoas foram presas em flagrante por supostamente terem facilitado a fuga de detentos no presídio de segurança máxima em Mossoró. Além disso, um homem suspeito de ajudar os fugitivos foi preso em 26 de fevereiro. Ele foi identificado como Ronaildo da Silva Fernandes, dono de um sítio em Baraúna. Ele teria recebido R$ 5 mil para abrigar os fugitivos por oito dias.

Os investigadores concentram as buscas entre Mossoró e Baraúna, cidades que estão separadas por uma distância de aproximadamente 35km. A Polícia Federal passou a oferecer uma recompensa em dinheiro, de R$ 30 mil, por informações que levem à captura dos foragidos. As denúncias podem ser feitas pelo número 181 ou por mensagem para o celular (84) 98132-6057. O anonimato é garantido.

Especialistas apontam reação lenta e falhas estratégicas

 

Falhas estratégicas e demora para reação dificultam a captura dos dois fugitivos da penitenciária federal de Mossoró (RN), dizem especialistas em segurança pública ouvidos pelo R7.

Para o especialista Leonardo Sant’Anna, alguns fatores podem ter uma relação próxima com as dificuldades de captura dos presos. “O primeiro item foi o tempo que levou até que a fuga fosse percebida. Essa demora é extremamente prejudicial, caso se queira fazer uma captura em um curto espaço de tempo”, afirma.

De acordo com o especialista, o segundo ponto são as conexões criminosas dos fugitivos. “Eles fazem parte de uma facção criminosa que tem muito poder, e a gente fala também de muito dinheiro. Eles devem ter conseguido fazer esse contato por telefone, uma tecnologia que pode ter ajudado na fuga com acesso a mapas e a pontos de melhor deslocamento para uma movimentação mais rápida”, avalia.

Sant’Anna aponta ainda a demora até que as forças se reuniram para realizar a busca. “Esses elementos, realmente, colocam as instituições públicas em uma situação extremamente delicada”, avalia.

Para o também especialista em segurança pública Antônio Testa há indícios de que houve conivência de pessoas de dentro do sistema prisional para a fuga.

“Certamente, os fugitivos tiveram algum tipo de apoio. Nesses casos, a logística é fundamental. Todas as análises que fizemos indicam que aquela fuga seria muito difícil sem a conivência de quem quer que seja. Como conseguiram sincronizar a fuga e sair tranquilamente?”, questiona.

“Em teoria, eles estavam incomunicáveis. Então, para eles organizarem uma fuga, eles teriam que ter se comunicado com alguém”, acrescenta.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Trump conquista estados de Missouri e de Michigan em primárias nos EUA

Publicado

em

Republicano fica mais perto de ser o indicado de seu partido para disputa à Casa Branca em vez de Nikki Haley

Donald Trump venceu a rival Nikki Haley nos caucuses —espécie de primárias nas quais o voto pode se dar por aglomeração— do Partido Republicano no Missouri e no Michigan neste sábado (2).

As vitórias, que fortalecem o pleito do empresário à nomeação de sua sigla pela corrida à Presidência dos Estados Unidos, ocorrem a dias da Super Terça, em 5 de março, quando 15 estados e um território realizam suas primárias ao mesmo tempo.

Em Michigan, Trump venceu Haley em todos os 13 distritos que participaram das convenções, de acordo com o Partido Republicano estadual. No geral, Trump teve quase 98% de apoio: 1.575 votos contra apenas 36 para Haley.

Para este ciclo eleitoral, os republicanos do Michigan criaram um sistema de indicação híbrido, dividido entre uma primária e um caucus. Enquanto o primeiro é uma votação secreta, em geral organizada pelas comissões eleitorais dos estados, o segundo é uma reunião organizada pelos próprios partidos em espaços comunitários do qual participam representantes das campanhas, que fazem uma defesa de seu candidato. O voto tanto pode ser secreto quanto formando grupos em uma sala.

Trump venceu a primária no estado com facilidade na terça-feira (27), garantindo 12 dos 16 delegados em disputa. Sua vitória no caucus do sábado foi, no entanto, ainda mais avassaladora: ele levou todos os 39 delegados restantes.

Michigan será fortemente disputado na eleição presidencial de novembro, que se desenha para ser uma revanche entre Trump e o líder democrata Joe Biden, repetindo o cenário de 2020. Mais de mil eleitores afiliados ao Partido Republicano participaram do caucus em Grand Rapids, no oeste do estado.

Em uma das 13 reuniões do evento, os participantes —sabendo que Trump venceria facilmente— decidiram economizar tempo e simplesmente pediram para que qualquer pessoa que apoiasse Haley se levantasse. Em uma sala com 185 delegados votantes, Carter Houtman, 25, foi o único a fazer isso. “Foi um pouco solitário”, disse Houtman à agência de notícias Reuters depois do ocorrido.

Houtman afirmou que provavelmente votaria em Trump na eleição geral de novembro se ele for o indicado, mas sentiu que era importante defender suas crenças. “Eu não gostei da maneira como Trump se comportou após a última eleição”, afirmou.

Os republicanos também realizaram caucus em Idaho neste sábado, uma das últimas oportunidades para Haley alterar o rumo da corrida antes da Super Terça.

Mas colhendo louros em Iowa, New Hampshire, Nevada, Ilhas Virgens dos EUA, Carolina do Sul e, agora, Missouri e Michigan, Trump é de longe o favorito na corrida, com Haley se mantendo graças ao apoio de doadores interessados em uma alternativa ao ex-presidente.

Lá fora

Receba no seu email uma seleção semanal com o que de mais importante aconteceu no mundo

A disputa em Michigan tinha potencial para confusão. Um imbróglio vem ocorrendo no partido há meses, colocando apoiadores da ex-presidente do Partido Republicano de Michigan, Kristina Karamo, contra a facção de membros do partido que votaram por sua destituição em 6 de janeiro e instalaram Pete Hoekstra como presidente.

Hoekstra, apoiado por Trump, supervisionou a convenção deste sábado em Grand Rapids. Karamo planejava presidir uma convenção rival em Detroit, mas o evento foi cancelado depois que um tribunal de Michigan confirmou sua destituição e uma corte de apelações negou seu pedido de suspensão da decisão.

Falando à Reuters, Hoekstra disse estar confiante de que o Partido Republicano de Michigan se unirá em torno dos objetivos de vencer a Casa Branca e de obter mais um assento no Senado dos EUA. “Não há uma divisão filosófica ou de questões”, disse Hoekstra. “Isso é sobre preparar o partido para vencer em novembro. O foco é derrotar Joe Biden.”

Comentários

Continue lendo






Em alta