Além da BR-364, a BR-317 que liga o Baixo Acre, onde está localizada a Capital, ao Alto Acre, municípios fronteiriços à Bolívia, como Brasiléia, Epitaciolândia e Plácido de Castro.

O CAMINHO DO TRÁFICO – Aeroportos do Nordeste são utilizados como porta de saída para o crime

Redação do Noticias da Hora

As guerras entre facções que geram mortes quase que diárias nas ruas das cidades acreanas tem um motivo real: o domínio da rota internacional de entorpecentes que tem o Acre como principal porta de entrada no País e estados do Nordeste como saída para países da Europa, Ásia e África.

No final de dezembro um casal de acreanos foi preso no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza (CE) tentando embarcar com quase 8 quilos de cocaína em voo. Ao desembarcar em Fortaleza em voo oriundo do Acre, a mulher, que estava com a droga em uma mala, a entregou ao companheiro, momento em que foram abordados pelos federais.

Eles foram presos e responderão pelos crimes de elo crime de tráfico interestadual de drogas e associação para o tráfico.

Só na semana em que os acreanos foram presos, outros quatro casos semelhantes foram registrados.

Cidade de Brasiléia e Cobija/Pando/Bolivia (Foto: internet)

No Acre, a droga atravessa a fronteira do Brasil com o Peru utilizando rotas na floresta, descendo os rios até chegar a Cruzeiro do Sul. De lá, o entorpecente segue pela BR-364 com destino à Rio Branco de onde partem voos diários para Brasília e de lá conexões para todo o Brasil.

Além da BR-364, a BR-317 que liga o Baixo Acre, onde está localizada a Capital, ao Alto Acre, municípios fronteiriços à Bolívia, como Brasileia, Epitaciolândia e Plácido de Castro. Driblando as barreiras policiais, os traficantes fazem uso de ramais, estradas vicinais que cortam as propriedades rurais existentes na faixa de fronteira, para acessar Rio Branco em uma rota o quanto mais rápida melhor. No tráfico, tempo significa dinheiro e mais que isso, liberdade e negócio lucrativo. Ao acessar Rio Branco, os traficantes se beneficiam da baixa fiscalização e da calmaria no Aeroporto Internacional de Rio Branco. As informações são do Atlas da Violência 2019, produzido pelo Ipea e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

“O crescimento da violência letal no Acre, segundo Colombo Junior19 e também o Ministério Público do Estado do Acre20 (MPAC) está intimamente associado à guerra por novas rotas do narcotráfico que saem do Peru e da Bolívia e que envolve três facções criminosas: PCC, o CV e o Bonde dos 13 (B13). O MPAC mapeou mais de 10 rotas, a maioria delas perto da fronteira com o Peru, onde a droga é transportada por via fluvial e depois terrestre (pela BR-364), até chegar ao Rio Branco, onde nos bairros da periferia se travam as batalhas com maior número de vítimas pelo comando do tráfico na região”, diz parte do relatório.

Comentários