O desembargador Pedro Ranzi, do Tribunal de Justiça do Acre, negou o pedido de revogação de prisão temporária do ex-diretor do Depasa, Tião Fonseca. O despacho do magistrado foi protocolado na tarde desta quarta-feira, 5.

Como o Habeas Corpus impetrado pela defesa de Fonseca em segredo de justiça, o site não teve acesso aos argumentos de Ranzi para a manutenção de Fonseca, que está preso desde segunda-feira, 3, quando foi alvo da Operação Toque de Caixa, da Polícia Civil, que investiga desvio de recursos enquanto ele presidiu o departamento por cerca de três meses.

O advogado Rodrigo Aiache, responsável pela defesa de Fonseca, afirmou ao ac24horas que levará o caso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). “Vamos para o STJ, pois, como disse anteriormente, os requisitos para a prisão preventiva não estão preenchidos”, argumentou.

Sobre o pedido para que a empresária Delba Bucar, esposa de Fonseca e dona da Bucar Engenharia, seja convertido em prisão domiciliar, já que ela se encontra em tratamento de saúde em Brasília, a defesa revelou que o juiz Cloves Augusto, da 4° Vara Criminal ainda não se pronunciou.

Comentários