fbpx
Conecte-se conosco

Acre

Dengue: um problema dos governantes, um problema seu!

Publicado

em

Quando o Estado cumpre seu papel e um problema grave de saúde pública continua, cabe a cada cidadão olhar também para o seu dever. A dengue é sim um problema que cabe primeiro aos governantes avaliarem se estão fazendo o que têm por obrigação fazer. Assim tem sido no Acre, mas a própria guerra travada contra o Aedes aegypti mostra que de nada vale levar para as ruas homens, máquinas, um verdadeiro batalhão para retirar entulho até mesmo dos quintais de algumas residências, quando ainda detectamos que 66% dos casos de foco do mosquito são encontrados em caixas d’águas. Portanto, essa batalha só é vencida se cada cidadão fizer a sua parte.

A dengue infecta, anualmente, entre 50 e 100 milhões de pessoas em mais de cem países, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Dessas, cerca de 550 mil necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em consequência da doença.

No Acre, uma verdadeira operação de guerra foi travada assim que o governador Tião Viana assumiu seu mandato, em 1º de janeiro de 2011. O primeiro dia útil de trabalho teve como primeira agenda anunciar a “Guerra contra a dengue”. Os dados alarmantes apontavam mais de 2.400 casos de suspeitas da doença por semana. A batalha então começou, e cerca de 8.500 toneladas de lixo foram recolhidas em uma ação conjunta realizada pelo governo do Estado e Prefeitura de Rio Branco.

Em 4 de novembro do mesmo ano, cerca de 4.500 toneladas de lixo voltaram a ser retiradas de quintais e ruas. A população entendeu a gravidade do problema e a grande maioria se juntou para contribuir na diminuição desses números. O índice de infestação predial em dezembro de 2011 era de 10,1. Em novembro de 2012, caiu para 6,4. Nesses dois anos, foram 36 mil unidades de capa de caixa d’água adquiridas e distribuídas pelo Governo do Estado. Agora, mais 30 mil unidades de tampas de caixa d’água serão adquiridas, um custo de R$ 1,5 milhão.

No início do ano passado foi anunciado que “A guerra não pode parar” e todas as secretarias do governo estadual e municipal se mobilizaram com seus servidores para dar mais força a essa batalha. Também foram chamadas as associações de bairros de áreas com maiores índices de infestação. Afinal, era preciso ecoar que o momento não estava para se acomodar. O número assustador de 2.400 casos por semana, detectado em janeiro de 2011, caiu nas mesmas semanas de 2012 para cerca de 204 e, na última semana do mesmo ano, aumentou para 229 casos. Isso mostra que em período propício para a proliferação do mosquito não dá para baixar a guarda.

Agora, neste início de 2013, a Prefeitura de Rio Branco e o governo do Estado fazem outro apelo, informando que “A Guerra continua” e que precisam da colaboração de todos. Os dados mostram que tanta mobilização vale a pena, pois é você cidadão que faz a diferença, afinal, a caixa d’água está na sua casa, no seu quintal.

Mas não só os números mostram que todos devem se preocupar: agora a dengue ameaça voltar ainda mais perigosa, com o vírus tipo 4. Ou seja, aquele argumento de que se o cidadãojá pegou uma vez está imune não funciona. Pois a dengue tipo 4 torna novamente vítima aquele que já foi vítima. Então, cidadão, vamos lutar contra a dengue, ou você pode ser derrotado por ela.

Andréa Zílio, secretária adjunta de Comunicação

Comentários

Continue lendo

Acre

Asfalta Rio Branco inicia os serviços de pavimentação na regional da Floresta

Publicado

em

Comentários

Continue lendo

Acre

Procuradoria-Geral realiza processo seletivo para estagiários de Direito

Publicado

em

Por

A Procuradoria-Geral do Acre (PGE/AC) torna público o 21º Processo Seletivo para estágio na área de Direito, para a formação de cadastro de reserva. O edital está disponível no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira, 12.

As inscrições poderão ser realizadas no período de 15 de abril a 10 de maio, exclusivamente pelo site www.estagio.pge.ac.gov.br, o link estará disponível a partir de segunda-feira.

A jornada de estágio é de 4 horas diárias e 20 horas semanais. A bolsa de estágio é no valor de R$ 800, mais auxílio-transporte no valor de R$ 200.

O processo seletivo será composto de uma prova de caráter classificatório e eliminatório, a ser realizada no dia 17 de maio, no auditório do Instituto de Educação Lourenço Filho (Ielf), na Av. Getúlio Vargas, 2855, Vila Ivonete, em Rio Branco.

Fonte: Governo AC

Comentários

Continue lendo

Acre

Educação Indígena recebe investimentos do governo do Estado

Publicado

em

Por

O governo do Acre, por meio da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE), realiza investimentos na construção de pelo menos 30 escolas indígenas em diversos municípios acreanos, como Sena Madureira, Feijó, Assis Brasil, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo. O montante investido chega a R$ 7,8 milhões.

Em Sena Madureira, cinco escolas já estão com as obras concluídas. Feijó recebeu o maior número de instituições contempladas, 11. Desse total, quatro já estão com as obras em fase de conclusão e outras sete em andamento.

Ao todo, 30 escolas indígenas serão construídas para fortalecer educação indígena. Foto: Mardilson Gomes/SEE

Já no município de Tarauacá, quatro escolas estão fase de contratação, bem como em Assis Brasil e Rodrigues Alves. Em Marechal Thaumaturgo, duas escolas estão com obras em andamento.

As escolas indígenas irão garantir mais qualidade no ensino para as comunidades. Cada uma possui uma sala de aula, uma sala administrativa, construídas em madeira, além de um refeitório e de um banheiro, de alvenaria.

Entre as escolas com obras concluídas está a Francisco Barbosa, localizada na Aldeia São Francisco, do Povo Huni-Kui.  Rubens Barbosa é o cacique da comunidade e informa que é a primeira vez que recebem uma escola desse porte.

Cacique Rubens Barbosa: “Já melhorou 85%”. Foto: Mardilson Gomes/SEE

“Agora já melhorou 85%, porque vai dar para suprir as necessidades dos nossos alunos; a escola que tinha foi construída pela própria comunidade. A gente agradece primeiro a Deus e depois ao governo do Estado”, diz. A nova escola, segundo ele, será suficiente para atender os 39 alunos da aldeia.

Quem lembra como era a antiga escola da aldeia é Roberto Barbosa, que tem três filhos em idade escolar: “Era uma escola no barro, não tinha material, era coberta com folha de alumínio e quando chovia não dava para as crianças estudarem”.

Aldeia São Francisco é uma das beneficiadas com escola indígena. Foto: Mardilson Gomes/SEE

O professor responsável pela escola é Alberto Barbosa. “A gente fica feliz por estar recebendo uma escola nova, com mais conforto para os alunos”, destaca.

Honrou a palavra

O ex-professor e ex-coordenador da antiga escola, Isaka Rui Huni-kui, relata que a comunidade teve um encontro com o secretário Aberson Carvalho e que ele honrou sua palavra, ao levar uma nova estrutura escolar para a comunidade.

Isaka Rui Huni-Kui: “Secretário Aberson Carvalho honrou sua palavra”. Foto: Mardilson Gomes/SEE

A comunidade tem 22 famílias e 113 moradores. Isaka Rui Huni-Kui tem três filhos em idade escolar, um deles no ensino médio. “Estamos satisfeitos com a escola, isso fortalece a comunidade e os alunos estão felizes”, aprova.

Também está contente com a nova escola o morador Ediberto Barbosa. “Quero agradecer a Deus e às pessoas, porque a gente não tinha nenhuma escola e, quando a gente estudava, era sentado no chão. Agora a gente vê a diferença”, avalia.

Elisonea Barbosa Kaxinawá: escola mais segura. Foto: Mardilson Gomes/SEE

Outra moradora que agradece ao governo do Estado pelos investimentos é Elisonea Kaxinawá. “Essa escola é importante, porque tirou a dificuldade dos nossos filhos e, como mãe, fico feliz porque agora vão ter mais segurança”, recorda.

Nova estrutura

Outra comunidade em Feijó beneficiada com a construção de uma escola indígena é a Aldeia Nova Esperança. O cacique local, Essinildo da Silva, relata que a antiga escola caiu e não tinha mais como atender a demanda dos alunos. “A gente estava precisando de outra estrutura”, diz.

Escola da Aldeia Nova Esperança caiu, mas governo construiu outra nova. Foto: Mardilson Gomes/SEE

A nova escola, construída pelo governo do Estado, é a Huni-Kui Buse e a Aldeia Nova Esperança forma com outras duas aldeias, a Txanayá e a Yskuyá, a Terra Indígena Henebarianamakiá, também da etnia Huni-Kui.

“Essa escola fortalece as crianças, está todo mundo animado. Agora os alunos vão aprender, porque antes eles estudavam debaixo de uma mangueira, mas agora vai melhorar muito, e a gente se sente contemplado porque as aulas irão começar ainda nesse mês”, destaca Essinildo.

Fonte: Governo AC

Comentários

Continue lendo