Conecte-se conosco





Extra

Conserto na BR 317 próximo a Epitaciolândia poderá ficar para 2022

Publicado

em

Alta do preço do ferro e demora na entrega é um dos empecilhos para iniciar trabalhos na BR 317, segundo Superintendente do Dnit no Acre

Aconteceu na Câmara Municipal de Brasiléia na manhã desta terça-feira, dia 3, onde contou a com a presença do Superintendente do Dnit no Acre, Carlos Moraes e assessores, além de presença de vereadores de Brasiléia e Epitaciolândia.

A audiência também contou com a presença da presidente da Associação Comercial de Brasiléia e Epitaciolândia, além de representantes dos taxistas lotação e representantes da sociedade civil organizada.

Como foi anunciado na semana passada, as partes acima citadas, se reuniram inicialmente para buscar respostas junto aos responsáveis pela BR 317, principal elo do Brasil com os países vizinhos como a Bolívia e Peru, que vem apresentando problemas como desbarrancamento, ao ponto de impedir a passagem até a fronteira.

O episódio ocorrido em março passado ainda está vigente, uma vez que apenas um paliativo foi feito e perdura até o momento. Cerca de cinco acidentes já foram registrados no primeiro semestre de 2021, e os profissionais que utilizam a BR diariamente, pedem uma resposta o rápido possível.

Ao ser indagado pelos presentes, Carlos justificou que o Órgão sabe do problema e estão tentando buscar uma solução. “Temos barreiras que estão impedindo que o trabalho avance. Uma delas é o superfaturamento do ferro neste período de pandemia, além da entrega e estamos buscando outras alternativas”, destacou.

Com o final do verão amazônico indo embora, disse que irão buscar meios para melhorar a trafegabilidade no local, mas, não disse quando irão fazer um trabalho definitivo, deixando entender que poderá acontecer somente em 2022.

Também foi discutido outros problemas em relação a BR 317, como melhorias até a cidade de Assis Brasil, trafegabilidade nas avenidas Amazonas em Epitaciolândia e a Manoel Marinho Montes em Brasiléia, trabalhos esses que deverão ser repassados para o Deracre.

Outro detalhe, seria a manutenção da Ponte metálica José Augusto, que liga os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia. Segundo o superintendente, com o início das obras do anel viário, esse trabalho irá passar para também para o Deracre.

Veja entrevista:

Comentários

Em alta