Conecte-se conosco

Cotidiano

Com vice-liderança na mira, Corinthians recebe o Ceará

Publicado

em

Vítor Pereira volta após suspensão

Garantido na fase de grupos da Libertadores, Timão busca arrancar em busca do segundo lugar do Brasileirão, que vale R$ 42,7 milhões

Aliviado por já ter assegurado uma vaga à fase de grupos da Copa Libertadores, o Corinthiansrecebe o Ceará neste sábado (5), às 20h30, na Neo Química Arena, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Timão busca uma arrancada nessa reta final de olho na vice-liderança, hoje ocupada peloInternacional, que tem 64 pontos. Os próximos adversários serão Coritiba (fora) e Atlético-MG (em casa).

Os corintianos têm 61 pontos e, em 5º, estão embolados com Fluminense (4º) e Flamengo (3º), os três com igual pontuação. Vale lembrar que quem terminar em segundo lugar embolsa R$ 42,7 milhões – contra R$ 40,5 milhões para o 3º, R$ 38,2 milhões ao 4º e R$ 36 milhões ao 5º.

Um reforço à beira do campo será o técnico Vítor Pereira – que retorna após cumprir suspensão na vitória alvinegra por 2 a 1 em cima do Flamengo, no Maracanã.

Lembrando que Gustavo Mosquito e Adson, lesionados, são desfalques. Já Júnior Moraes e Maycon já se recuperaram, mas o retorno deles obedece a um cronograma não divulgado pelo clube.

Jô do outro lado
Pressionados, os visitantes de Fortaleza estão na 17ª colocação, já na zona de rebaixamento, com 34. E podem até ser rebaixados nesta rodada – a depender de outros resultados. Não perder do Corinthians é, em qualquer cenário, fundamental.

O zagueiro Luiz Otávio volta a ser titular após cumprir suspensão automática. O atacante Cléber tomou vermelho na derrota por 1 a 0 para o Fluminense e virou baixa – assim como Mendoza, artilheiro da equipe, que se recupera de edema na posterior da coxa esquerda. Uma óbvia atração à parte é Jô – ex-Timão que deve estar em campo pelo Vozão.

FICHA TÉCNICA
Corinthians x Ceará
Local: Neo Química Arena, em Itaquera (SP)
Data e hora: sábado (5), às 20h30
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (FIFA/RJ)
Assistentes: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Eduardo Gonçalves da Cruz (MS)
VAR: Wagner Reway (PB)

CORINTHIANS: Cássio; Fagner (Bruno Méndez, Gil, Balbuena e Fábio Santos; Du Queiroz, Fausto Vera e Renato Augusto; Mateus Vital, Yuri Alberto e Róger Guedes. Técnico: Orlando Ribeiro

CEARÁ: João Ricardo; Nino Paraíba, Luiz Otávio, David Ricardo e Bruno Pacheco; Richard Coelho, Geovane e Vina; Lima, Erick e Jô. Técnico: Juca Antonello

Comentários


Cotidiano

Neymar iguala marca de Pelé e Ronaldo pelo Brasil em Copas do Mundo

Publicado

em

OGol

Perto de se tornar o maior artilheiro da história da Seleção Brasileira, Neymar segue marcando seu nome com a Amarelinha e ao marcar no jogo de hoje contra a Coreia do Sul, pelas oitavas de final, ele igualou uma marca que antes só pertencia a Pelé e Ronaldo, outros gigante do futebol brasileiro.

Com o gol de pênalti marcado na goleada contra a Coreia do Sul, Neymar marcou em três Copas do Mundo pela Seleção Brasileira. O craque marcou quatro gols em 2014, dois em 2018 e agora um em 2022. Ao todo, soma sete gols em 12 jogos de mundial disputados.

Ronaldo é o maior goleador do Brasil em Copa do Mundo até hoje, com 15 gols, seguido por Pelé, com 12, e Ademir Menezes, com nove. O Fenômeno marcou gols nas copas de 1998, 2002 e 2006.

Comentários


Continue lendo

Cotidiano

Livakovic brilha na disputa de pênaltis, Croácia elimina o Japão e vai às quartas de final

Publicado

em

OGol

Demorou, mas o Brasil já sabe quem enfrenta caso avance para as quartas de final da Copa do Mundo. Em jogo decidido na disputa de pênaltis, após empate em 1 a 1 no tempo regulamentar, a Croácia superou o Japão com o brilho de Livakovic, autor de três defesas em cobranças japonesas.

Agora, a Croácia aguarda o vencedor do confronto entre Brasil e Coreia do Sul, que acontece logo mais, às 16h. A partida das quartas de final está agendada para o dia 9 de dezembro, próxima sexta-feira, às 12h. Pelo chaveamento, o vencedor das quartas de final enfrentará na semifinal quem levar a melhor no duelo entre Holanda e Argentina, que também está marcado para sexta-feira, porém um pouco mais tarde, às 15h.

Menos bola, mais ação

O bom primeiro tempo de Japão e Croácia foi uma boa amostra de duas escolas diferentes no futebol. A Croácia, com o forte meio de campo formado por Brozovic, Kovacic e Modric, conseguiu controlar a posse de bola, mas ironicamente sofreu para dar ritmo ao jogo e conectar a defesa ao ataque. O Japão, sempre valente nos contra-ataques, foi mais feliz quando importunou os croatas com pressão em uma linha mais alta.

A Croácia começou melhor no ataque, mas acabou penalizada por certa displiscência e demora para concluir. Aos 7 minutos, Perisic recebeu dentro da área, ficou na dúvida se chutava ou se cruzava, e acabou não fazendo nem uma coisa, nem outra. Mais tarde, em lance parecido, Petkovic recebeu livre e, quando podia ter finalizado, acabou tentando um passe para o meio da área e acabou travado, em bola que terminou nas mãos de Gonda.

Disciplinado taticamente, o Japão só avançava para o ataque na medida que a Croácia cedia espaços. Muitas vezes ele surgiu, especialmente pelo flanco direito, quando Ito foi bastante acionado. Os cruzamentos do atacante para o baixinho Maeda, porém, não tinham grande efeito.

Quando a primeira etapa caminhava para o 0 a 0, porém, a emoçou tomou conta. Primeiro, Kamada quase abriu o placar, após Maeda recuperar bola perto da área e passar para Endo, que encontrou Kamada livre. O atacante limpou a maração e bateu por cima do gol. Ironicamente, aos 42, o gol saiu mesmo com o diminuto Maeda, após cruzamento, desta vez de Doan. Se não conseguia ganhar pelo alto, Maeda aproveitou a falha da defesa e concluiu do chão, de pé esquerdo, para o fundo do gol, 1 a 0.

Empate não resolve

Sem outra alternativa a não ser partir para o ataque no segundo tempo, a Croácia prontamente solucionou o principal problema do time na primeira etapa: a falta de presença ofensiva. O gol solitário, porém, não impediu do jogo seguir para a prorrogação.

O empate dos croatas saiu antes dos 10 minutos. O zagueirão Lovren partiu para o ataque para fazer o que o meio de campo não vinha conseguindo: criar. Foi do ex-jogador do Liverpool o cruzamento na medida para Perisic, que de cabeça mandou para o lado oposto de Gonda, 1 a 1.

Depois de igualar o placar, a Croácia melhorou no jogo e passou a causar bastante problemas para o Japão. Modric, um pouco sumido na partida, quase anotou uma pintura com uma bomba de fora da área, em que Gonda salvou em defesa de mão trocada. O próprio Perisic, jogador mais acionado do ataque, também teve a chance de marcar seu segundo no jogo, após invadir a área e bater colocado, em bola que acabou desviada na marcação.

Menos perigoso do que no primeiro tempo, o Japão teve apenas uma boa oportunidade para retomar a liderança no placar. Endo arriscou de fora da área e obrigou Livakovic a fazer uma defesa plástica. O jogo teve que seguir por mais 30 minutos.

Prorroga sem emoção e pênaltis

A passagem do confronto pela prorrogação serviu para cumprir a regra da Fifa e nada mais. Exaustas, Croácia e Japão (quase) não produziram nada, em compasso de espera pela decisão por pênaltis.

O único lance de perigo nos primeiros 15 minutos foi um contra-ataque rápido puxado desde o campo de defesa por Kaoru Mitoma. O atacante japonês foi avançando e a defesa croata recuando, até chegar na entrada da área e fuzilar, em lance que contou com grande intervenção de Livakovic. Nos últimos 15 minutos de bola rolando, a situação não mudou – para não dizer que a Croácia não arriscou nada, antes do jogo seguir para as penalidades Majer chutou de fora da área e a bola passou à direita da meta de Gonda.

Na disputa de pênaltis, o Japão começou logo de cara atrás, com Minamino batendo fraco e parando em defesa de Livakovic, enquanto a Croácia converteu com Brozovic. No segundo pênalti, os japoneses perderam novamente, após Mitoma parar também no goleiro croata, mas desta vez Livaja desperdiçou. O Japão só foi converter na terceira penalidade com Asano. A falta de pontaria japonesa se confirmou na quarta cobrança, desperdiçada por Yoshida, e com brilho de Livakovic, que defendeu três dos quatro pênaltis cobrados pelos asiáticos.

Comentários


Continue lendo

Cotidiano

Técnico português é aposta do Grupo City para o ‘novo Bahia’

Publicado

em

OGol

Depois de definir a venda do Bahia ao Grupo City, o futuro do clube começa a ser definido com o nome Renato Paiva como técnico. A informação do acerto foi adiantada pelo apresentador Márcio Martins e confirmada por Pedro Sepúlveda, da SIC de Portugal.

Segundo Martins, Renato Paiva desembarca no Brasil entre quarta e quinta-feira e será o primeiro comandante do Bahia em sua era como Sociedade Anônima de Futebol (SAF).

Com 52 anos, Paiva trabalhou nas categorias de base do Benfica por muitos anos, e chegou à equipe B das Águias na temporada 2018/19. Foram três anos no cargo, até que o treinador recebeu um convite para treinar o Independiente del Valle, do Equador.

Em seu primeiro desafio internacional, o português conquistou um título da Liga do Equador, disputou a edição 2022 da Copa Libertadores, e na sequência assumiu o Club León, do México. Renato Paiva ficou apenas 12 jogos no clube e pediu demissão no fim do mês de novembro.

Comentários


Continue lendo

Em alta