fbpx
Conecte-se conosco

Geral

Brasiléia Realiza Campeonato Municipal de Voleibol

Publicado

em

SECOM

A prefeitura de Brasiléia, por meio da Gerência de Esportes, realiza o Campeonato municipal de Voleibol, modalidades masculino e feminino. A abertura foi realizada no Ginásio de esportes Eduardo Lopes Pessoa e contou com a presença dos times que irão participar do campeonato.

Serão 45 dias de competição, com participação de 10 times de Brasiléia, Epitaciolândia e Cobija, sendo 6 masculinos e 4 femininos.

José Luiz Arteaga, técnico do time feminino Deportivo Pando, fala da participação da equipe no campeonato. “Nós de Cobija ficamos muito felizes com o convite da prefeita Fernanda para participar da competição, trouxemos nossas equipes tanto feminina quanto masculina para o campeonato. Brasiléia é nossa cidade- irmã e estamos muito agradecidos por interagir com o esporte daqui”, afirmou.

Para a prefeita Fernanda Hassem, que participou da abertura do campeonato, o momento é de alavancar as diferentes modalidades esportivas no município. “Quando fizemos o convite ao Bil Rocha para assumir a Gerência de Esportes, sabíamos que nosso sonho era ver o esporte de Brasiléia em destaque, e hoje temos campeonatos de futsal, basquete, handebol e voleibol, além da escolinha de futebol que tem contemplado várias crianças e adolescentes do município. Agradeço a participação dos times de Epitaciolândia e Cobija, que vieram abrilhantar mais ainda nosso campeonato”, finalizou.

Logo após a abertura oficial, aconteceu o jogo entre as equipes Brasiléia x Deportivo Pando ( feminino), com placar de 2×0 para o Deportivo e no masculino se enfrentaram Havanna X Epitaciolândia, onde Havanna venceu por 3×0.

Comentários

Continue lendo

Geral

Governo Federal estuda ampliar garantias de crédito para agricultores do RS

Publicado

em

Por

O governo federal está avaliando a inclusão dos empréstimos realizados por produtores rurais do Rio Grande do Sul no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) dentro das garantias do Fundo de Garantia de Operações (FGO). A medida visa facilitar o acesso ao crédito para pequenos agricultores afetados por condições climáticas adversas, como chuvas e inundações.

A proposta, que está em fase de discussão em Brasília, envolve um aumento de R$ 500 milhões no FGO, administrado pelo Banco do Brasil. Esses recursos, provenientes do Tesouro Nacional, poderiam viabilizar entre R$ 2,5 bilhões e R$ 3,5 bilhões em novos financiamentos para a agricultura familiar, segundo estimativas.

Além do Pronaf, o governo também está considerando incluir operações do Programa Nacional de Apoio aos Médios Produtores Rurais (Pronamp) no FGO, com um aumento de verbas. Um anúncio oficial sobre essas mudanças é esperado para hoje.

A iniciativa foi apresentada pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, que justifica a necessidade devido aos severos impactos climáticos no Rio Grande do Sul, que aumentam os riscos e o endividamento dos produtores rurais, desestimulando as instituições financeiras a oferecer novos créditos.

O ministro Paulo Teixeira tem defendido junto ao Palácio do Planalto e à equipe econômica a importância de criar mecanismos adicionais para ampliar o acesso ao crédito rural no estado.

Criado em 2009, o FGO tem como objetivo garantir parte do risco de empréstimos e financiamentos concedidos a micro, pequenas e médias empresas, além de microempreendedores individuais e transportadores autônomos. Durante a pandemia, o FGO foi essencial para a ampliação do crédito via Pronampe e atualmente suporta o programa de renegociação de dívidas Desenrola, entre outras iniciativas.

Recentemente, o governo publicou a medida provisória 1.216/2024, que autorizou um aumento de até R$ 4,5 bilhões na participação da União no FGO, focando nas operações do Pronampe até o final do ano para os beneficiários afetados pelas chuvas no Rio Grande do Sul.

O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, anunciou que uma nova medida provisória será publicada para criar um fundo garantidor específico para as operações agropecuárias no Rio Grande do Sul. Este fundo é visto como crucial para produtores que perderam patrimônio e necessitam de garantias para novos empréstimos. Além disso, o Banco do Brasil iniciou a liberação de financiamentos emergenciais para o Pronaf e o Pronamp, com um total de R$ 2 bilhões em crédito emergencial para o setor agropecuário do estado.

Com informações do Valor e do Globo Rural

Fonte: Pensar Agro

Comentários

Continue lendo

Geral

Relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos traz visão otimista do plantio de soja no Brasil

Publicado

em

Por

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou seu novo relatório semanal de acompanhamento de safras, e os números do plantio de soja no Brasil trazem ótimas notícias: a área semeada com a oleaginosa superou as expectativas do mercado, alcançando 68%, contra os 66% previstos e os 52% da semana anterior. A média dos últimos cinco anos para este período é de 63%.

Ainda mais expressivo, 39% dos campos já emergiram, um avanço significativo em relação aos 26% da semana passada e superior à média de 36% para o mesmo período dos últimos cinco anos.

Apesar da ligeira queda em relação ao ano passado (10 pontos), a situação não preocupa os especialistas, pois a janela de plantio da soja se estende até o dia 20 de junho, proporcionando tempo suficiente para a recuperação da área plantada. Além disso, o risco de redução da área de soja é considerado muito baixo.

Os dados positivos do USDA reforçam o otimismo para uma safra recorde de soja no Brasil em 2024. As condições climáticas favoráveis e o investimento em tecnologia e práticas agrícolas aprimoradas contribuem para esse cenário promissor.

O avanço do plantio de soja é uniforme em todas as regiões do país. No Centro-Oeste, principal região produtora, a área plantada já alcançou 73%, enquanto no Sul a taxa é de 64% e no Nordeste 60%.

A perspectiva de uma safra recorde de soja no Brasil deve pressionar os preços da commodity no mercado internacional, beneficiando os exportadores brasileiros. O aumento da oferta também pode levar à queda dos preços domésticos, favorecendo o consumidor final.

O setor de soja no Brasil se destaca pela constante busca por modernização e eficiência. Os produtores investem em tecnologia de ponta, como o uso de drones e máquinas agrícolas automatizadas, para otimizar o manejo das lavouras e aumentar a produtividade.

A infraestrutura logística também está em constante aprimoramento, com a construção de novos portos e rodovias para facilitar o escoamento da produção para o mercado interno e externo.

Com um cenário positivo para a safra de 2024 e perspectivas otimistas para os próximos anos, a soja se consolida como um dos principais pilares da economia brasileira, gerando renda, emprego e contribuindo para o desenvolvimento do país.

Fonte: Pensar Agro

Comentários

Continue lendo

Geral

Depois da soja, agora a mosca branca ataca lavouras de feijão

Publicado

em

Por

A mosca branca se tornou uma séria ameaça à produção de feijão em diversos estados brasileiros, afetando tanto a segunda safra, em fase final de desenvolvimento e colheita, quanto a terceira safra, que está sendo semeada neste momento.

O presidente do Ibrafe (Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses), Marcelo Luders, alerta que a pressão da praga está bem acima do registrado nos últimos três anos, inclusive em regiões que antes não costumavam enfrentar esse problema. “O Sul e o Sudeste do Paraná, além do Norte do estado, registraram casos, assim como a região de Guaíra em São Paulo e Minas Gerais”, relata.

No Paraná, com 86% da safra de feijão já colhida, o Deral (Departamento de Economia Rural) estima que áreas significativas sofreram com condições climáticas adversas e alta pressão da mosca branca, resultando em perdas de produtividade.

“Os municípios mais quentes foram os mais afetados, mas produzem menos feijão. O impacto na produção total ainda não é preciso, pois a colheita está em andamento e a cultura é mais difícil de monitorar”, explica Carlos Hugo Godinho, Engenheiro Agrônomo do Deral.

Luders corrobora a dificuldade de mensurar os impactos. “Não sabemos o quanto foi perdido no total colhido. Algumas lavouras foram erradicadas e replantadas, outras não. Mas com certeza haverá impacto.”

Em Goiás, a mosca branca também está presente nas lavouras já plantadas da terceira safra e retardando o plantio em outras áreas. “A terceira safra é a nossa maior produção de feijão, com plantio entre maio e junho. Muitos produtores esperam as temperaturas baixarem para plantar com menos incidência da praga, mas ainda há tempo para semear os 60 mil hectares previstos”, pontua Leonardo Machado, Assessor Técnico da Faeg (Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás).

Machado explica que a estratégia de esperar o frio se deve ao aumento da pressão da mosca branca em cenários de temperaturas elevadas e poucas chuvas. O Deral confirma que esse quadro climático contribuiu para o aumento da praga no Paraná. “O calor e a falta de chuvas nessas regiões ajudaram a manter a pressão da praga”, diz Godinho.

Luders complementa: “Alta temperatura e tempo seco favorecem a praga. Sem noites frias, a intensidade aumenta.”

Outro fator que pode ter contribuído para o problema foi o alongamento do ciclo da soja na safra 2023/24 em algumas regiões, como Goiás. “O atraso da colheita da soja formou uma ponte verde que manteve a praga presente nas lavouras. As regiões com atraso na soja são justamente as que registram maior incidência da mosca branca no feijão. O vazio sanitário foi alterado para ser mais efetivo, mas as moscas migram de uma cultura para a outra”, aponta Machado.

A situação também tem impactado os custos de produção, pois os agricultores precisam aumentar o uso de defensivos. “O controle químico é a única opção no momento e o custo fica maior. Os defensivos são o segundo maior item na relação de custos, atrás apenas dos fertilizantes”, indica Machado.

Godinho, do Deral, complementa: “A cultura exige bom controle de defensivos. Os preços do feijão estão bons, o que levou a um aumento de 40% no plantio paranaense. A produção ainda deve ser volumosa, mas a perda de qualidade nos grãos implica em descontos na entrega e compromete a rentabilidade.”

Luders, do Ibrafe, elenca medidas para as próximas safras: “Algumas variedades têm se mostrado mais tolerantes à mosca branca. O uso de defensivos adequados, inclusive novas moléculas com bom desempenho no controle, é importante. O manejo adequado e a eliminação do vetor também são cruciais, pois a praga migra de uma lavoura para a outra.”

Fonte: Pensar Agro

Comentários

Continue lendo