Bombeiros trabalharam até 16 horas por dia além de dividir espaço com cobras - Foto: Chiquinha Oliveira/Cedida
Bombeiros trabalharam até 16 horas por dia além de dividir espaço com cobras – Foto: Chiquinha Oliveira/Cedida

Alexandre Lima, de Brasiléia/Acre

A cerca de três dias trabalhando por cerca de 16 horas seguidas, homens do Corpo de Bombeiros que estão total apoio aos municípios de Brasiléia e Epitaciolândia, estão tentando livrar que a ponte José Augusto, seja danificada pelo balseiro que foi se formando durante a cheia do Acre.

Arriscando a própria vida pelo para manter o patrimônio público, só bombeiros tiveram que ‘brigar’ contra várias cobras que estavam entre os pedaços de troncos de árvores. Segundo foi dito, nas primeiras horas tiveram que matar quase vinte para não serem picados.

A intenção, seria aliviar a pressão contra ponte, aja visto que a mesma foi construída na década de 1980. O atual governo havia prometido construir uma nova ao lado e restaurar a atual em , mas não aconteceu até o momento.

Água subiu mais d eum metro sobre a ponte que foi construída na década 1980 - Foto: Alexandre Lima
Água subiu mais d eum metro sobre a ponte que foi construída na década 1980 – Foto: Alexandre Lima

Comentários