Dados são do último Censo do IBGE.
Secretários de Educação se reuniram para discutir problemática.

G1

O tema foi debatido em reunião realizada em Cruzeiro do Sul (Foto: Vanísia Nery/ G1)
O tema foi debatido em reunião realizada em Cruzeiro do Sul (Foto: Vanísia Nery/ G1)

Durante a campanha “Fora da Escola. Não Pode!”, promovida pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em Cruzeiro do Sul, nesta quarta-feira (20), foram apresentados os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) no Censo, destacando que mais 35 mil crianças e adolescentes, na faixa etária de 4 a 17 anos, estão fora da sala de aula no Acre.

A discussão fez parte do 1º Encontro do Ciclo de Seminários promovido pela União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) com a intenção de reverter o número de crianças e adolescentes que estão sem estudar.

Em Rio Branco, capital do Acre, são mais de 10 mil que estão nesta situação. Em Cruzeiro do Sul, segunda maior cidade do estado, os dados contabilizam 2.974 crianças e adolescentes, sendo desses 51% de negros, 50,2% do sexo feminino e 45,7% são da zona rural. Em Tarauacá, município que possui a quarta maior população do estado, com mais de 35 mil habitantes, 23,9% das crianças e jovens estão fora da sala, totalizando 3.272.

Durante a apresentação da campanha, participaram gestores, coordenadores, técnicos em gestão, e secretários de educação de 11 municípios do Acre. O secretário de educação municipal de Cruzeiro do Sul. Ivo Galvão, afirma que o município está tomando ações que devem reverter os números.

Gestores se reuniram para debater problemática (Foto: Vanísia Nery/ G1)
Gestores se reuniram para debater problemática (Foto: Vanísia Nery/ G1)

“A secretaria, desde 2009, tem uma estratégia para trazer esses alunos de volta para a escola, onde tem alunos nós abrimos turmas seja dentro de uma escola, seja construindo escola, ou espaços alternativos. O importante é oferecer uma oportunidade para essas crianças e discutir uma educação de qualidade para que eles sejam diferentes daqueles que reclamam que não tiveram essa condição”, falou o secretário, que acredita que no próximo senso esse número de alunos fora da sala de aula tenha diminuído.

De acordo com o vice-presidente da Undime, Orleilson Ferreira, atualmente 250 mil crianças e adolescentes frequentam as escolas do Acre, relacionado a esse número, o Acre possui 14% dessa classe sem frequentar a escola.

“Nosso maior objetivo com esse encontro é discutir coletivamente estratégias que venham a garantir a educação como um direito de todos e garantir que todas as crianças e adolescentes estejam em permanência na escola. A educação é direito de todos e isso é um princípio constitucional que cada município brasileiro tem que garantir, e a cobrança vem da própria comunidade. Nós precisamos discutir estratégias para garantir efetivamente a presença dessas crianças na escola”, relatou.

A campanha “Fora da Escola. Não Pode!” pretende, além de inserir as crianças e adolescentes na escola, oferecer a permanência e a qualidade no ensino.

“O Unicef vem para o Acre na perspectiva que os secretários de Educação municipais façam uma adesão à campanha para que a gente possa colocar todas as crianças que estão fora, dentro da escola. Essa não é uma campanha só de acesso, mas de qualidade na educação, pois não basta também só colocar na escola, precisa garantir a permanência e a qualidade da aprendizagem”, relatou a representante do Unicef, Carolina Velha.

O município com o menor percentual de crianças e adolescentes sem estudar no Acre é Rodrigues Alves, com 10%, totalizando um número de 570, já o maior número é registrado no município de Santa Rosa do Purus , com 643 levando à 35,6% esse percentual. Durante o seminário serão discutidos ainda temas como plano pedagógico, aplicação da provinha Brasil, Educação Infantil 100% inclusiva, entre outros.

Número de crianças e adolescentes fora da escola  e porcentagem em relação ao número de crianças estudando:

Acrelândia – 672 – 16,3%
Assis Brasil – 439 – 22,4%
Brasiléia – 1.255 – 18,8%
Bujari – 442 – 16%
Capixaba – 467 – 15,1%
Cruzeiro do Sul – 2.974 – 11,2%
Epitaciolândia – 586 – 12,3%
Feijó – 2.790 – 23,1%
Jordão – 951 – 33,6%
Mâncio Lima – 578 – 10,5%
Manoel Urbano – 853 – 29,5%
Marechal Thaumaturgo – 1017 – 16,6%
Plácido de Castro – 722 – 12,7%
Porto Walter – 643 – 16,2%
Rio Branco – 10.350 – 10,9%
Rodrigues Alves – 570  – 10%

Comentários