Conecte-se conosco





Geral

45 anos: Embrapa Acre destaca tecnologias para setor produtivo

A Embrapa Acre possui um campo experimental com 1,2 mil hectares, com 220 hectares destinados à pesquisa agropecuária e 980 hectares de floresta primária para estudos de manejo de recursos madeireiros e não madeireiros, além de um escritório de transferência de tecnologias no Juruá, sediado em Cruzeiro do Sul.

Publicado

em

Os investimentos em pesquisas contribuíram para o aumento da produtividade e diversificação da produção agropecuária e para a melhoria do segmento agroindustrial, da atividade florestal e comercialização da produção local

Diva Gonçalves | Assessoria/Embrapa

Na sexta-feira, 16 de julho, a Embrapa Acre celebra 45 anos de atuação no Estado, com uma live que reúne colaboradores em geral, representantes de instituições parceiras, parlamentares e produtores rurais. O evento on-line contará com depoimentos de diferentes parceiros sobre como as tecnologias da Empresa têm contribuído para a melhoria do setor produtivo acreano, lançamento de publicações técnicas e destaque de tecnologias. Aberta ao público, a live será transmitida pelo canal da Embrapa no Youtube (https://www.youtube.com/watch?v=vSZB0gRRvJQ).

Criação em 1976 e transformada em Centro de Pesquisa com foco regional em 1992, a Embrapa Acre trabalha para gerar tecnologias e conhecimentos científicos para o uso sustentável dos recursos naturais, planejamento territorial estratégico do estado, desenvolvimento e adequação de sistemas de produção usuais na Amazônia e agregação de valor à produção agropecuária e florestal brasileira.

“Nessa trajetória de mais de quatro décadas, as tecnologias disponibilizadas têm permitido o aproveitamento racional de recursos florestais madeireiros e não madeireiros e dos solos da região, a recuperação de áreas degradadas e de preservação permanente, manutenção de reserva legal, o uso de práticas agrícolas conservacionistas e o planejamento de uso da terra, de acordo com aptidões regionais. Os investimentos em pesquisas contribuíram para o aumento da produtividade e diversificação da produção agropecuária e para a melhoria do segmento agroindustrial, da atividade florestal e comercialização da produção local”, pontua o Chefe-geral da instituição, Eufran Amaral.

Destaques

Além de abordar a contribuição das ações da Embrapa para o desenvolvimento do Acre, o evento comemorativo destacará a interação da pesquisa com produtores rurais de diferentes segmentos (agricultura familiar, pecuária, agroindústria e povos indígenas), que vão compartilhar experiências exitosas com as tecnologias da empresa.

Entre os destaques tecnológicos apresentados está o lançamento do Sistema de Produção de Maracujá, em formato online, que reúne conhecimentos técnicos sobre a cultura. O pesquisador Romeu de Carvalho Andrade, um dos autores da publicação, abordará os diferentes aspectos do sistema e particularidades da cultura.

“O maracujazeiro é uma planta que necessita de cuidados específicos para garantir bons resultados na produção. Procedimentos como o preparo do solo, adubação, podas, polinização manual, controle de pragas e doenças e uso da irrigação são importantes para o sucesso dos cultivos. Com o uso de técnicas adequadas é possível produzir o ano todo. A obra vai auxiliar produtores rurais, técnicos e extensionistas, concentrando em um só lugar informações essenciais para as diferentes etapas da produção comercial”, afirma.

Tecnologias para a sociedade

Ao longo de 45 anos a Embrapa entregou à sociedade uma gama de ativos tecnológicos que impulsionaram atividades produtivas e o desenvolvimento local e regional, possibilitaram ampliar a oferta de alimentos e contribuíram para gerar trabalho e renda no campo e na cidade. Entre essas tecnologias destacam-se diferentes cultivares de mandioca, abacaxi e maracujá adaptadas ao clima e solo da região, variedades de banana resistentes a doenças, cafés clonais, gramíneas resistentes ao encharcamento do solo e consórcios de pastagens com leguminosas entre outras tecnologias acessíveis a produtores rurais com diferentes perfis econômicos.

“No caso específico da pecuária, a adoção em larga escala de gramíneas adaptadas e de consórcio de pastagens com leguminosas, em especial o amendoim forrageiro, entre outras tecnologias recomendadas pela pesquisa, permitiu aumentar a capacidade de supor-te das pastagens de uma para até três Unidades Animal por hectare (UA/ha) em propriedades rurais da região”, diz o chefe adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento, Jackson Rondinelli, que também enfatiza que esse resultado evitou a incorporação de novas áreas aos sistemas produtivos, contribuindo para a conservação da floresta.

As pesquisas da Embrapa também viabilizaram tecnologias que ajudaram a tornar o setor florestal mais produtivo e sustentável, incluindo o Modelo Digital de Exploração Florestal (Modeflora) e metodologias para uso de drones no inventário florestal, essenciais para viabilizar o Manejo 4.0, conceito que preconiza a automação da atividade, processo ainda em curso no País.

Apoio a políticas públicas

Principal instituição de pesquisa do País, a Embrapa desempenha papel estratégico no desenvolvimento nacional. No contexto do Acre, a localização na Amazônia e em região de fronteira favorece o desenvolvimento de pesquisas mais focadas no uso sustentável de produtos da biodiversidade regional, trabalho baseado em temas prioritários para o setor produtivo e alinhado a demandas locais e regionais e que buscam viabilizar o apoio a políticas públicas em áreas convergentes com a atuação da Empresa.

Amaral explica que além de melhorar a produção no Estado, proporcionar melhor gestão do uso da terra, dos recursos naturais e melhoria da qualidade de vida dos produtores acreanos, os conhecimentos, tecnologias e informações geradas pela pesquisa científica também contribuíram para apoio à formulação e implementação de planos, diretrizes, projetos técnicos e ações gerenciais que compõem políticas públicas para os setores agropecuário, florestal e agroindustrial que visam ao aumento da produtividade das culturas e redução das queimadas na região. “Entre essas políticas destacam-se os Planos Agrícolas municipais, o Plano de Mitigação e Adaptação a Mudanças Climáticas, o Zoneamento Agrícola de Risco Climático para diferentes culturas e o Zoneamento Pedo-climático”, destaca.

Nesse processo, foi necessário a Embrapa se inserir em diferentes instâncias encarregadas de discutir e avaliar a formulação e execução de políticas públicas para desenvolvimento do estado, sempre em articulação com outras instituições de pesquisa, inovação e ensino. “Temos representantes no Fórum Permanente de Desenvolvimento do Acre, nas Câmara Técnicas do Agronegócio e de Tecnologia e Inovação, no Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural e Florestal e outros espaços de diálogo coletivo”, complementa Rondinelli.

Outro enfoque na trajetória da Embrapa Acre, de acordo com o gestor, é a construção de parcerias sólidas com o Governo do Estado e com os municípios, como forma de potencializar recursos e ampliar o alcance de resultados. Esse esforço institucional possibilitou a participação efetiva da Empresa na elaboração e execução de programas como o Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE), Florestas Plantadas, Manejo Florestal Sustentável, Fortalecimento de cadeias produtivas estratégicas para o Estado (grãos, café, mandioca, fruticultura e plantas aromáticas), Sistemas Agroflorestais e Apoio aos Povos Indígenas, entre outras ações.

Atuação na pandemia

Localizada no município de Rio Branco, a Embrapa Acre possui um campo experimental com 1,2 mil hectares, com 220 hectares destinados à pesquisa agropecuária e 980 hectares de floresta primária para estudos de manejo de recursos madeireiros e não madeireiros, além de um escritório de transferência de tecnologias no Juruá, sediado em Cruzeiro do Sul. Com uma ampla carteira de projetos.

Comentários

Em alta