fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Saúde e nutrição com Clayton Camargos: leite de vaca ou vegetal?

Publicado

em

Saúde e nutrição com Clayton Camargos: leite de vaca ou vegetal?
Clayton Camargos

Saúde e nutrição com Clayton Camargos: leite de vaca ou vegetal?

O mercado de extratos vegetais, também conhecidos como leites vegetais, está na crista da onda, oferecendo bebidas feitas a partir de sementes, nozes, legumes, grãos e misturas desses ingredientes, muitas vezes comercializadas como substitutos prontos para a escolha tradicional do leite de vaca. As propagandas se apoiam no discurso de que ao beber este tipo de leite manterá você e o planeta saudáveis.

No entanto, de acordo com um estudo apresentado, e ainda não publicado, em 2023, na reunião anual da Sociedade Americana de Nutrição, EUA, nem todas as opções de leites vegetais são fortificadas para atender aos níveis de vários ingredientes nutricionais contidos nos laticínios. O estudo analisou rótulos nutricionais e ingredientes de 233 produtos vegetais de 23 fabricantes diferentes e descobriu que apenas 28 das bebidas tinham tanta ou mais proteína, vitamina D e cálcio que o leite de vaca.

Cerca de metade dos produtos pesquisados foram fortificados com vitamina D, dois terços foram com cálcio e quase 20% tinham níveis de proteínas semelhantes aos do leite de vaca. Essa informação não me preocupou, pois é fácil obter esses nutrientes de outras fontes, e o leite de vaca certamente não é perfeito e infalível. Mas, se um consumidor pensa que os leites vegetais são uma substituição direta dos laticínios, muitos deles não o são.

Na verdade, os leites vegetais trazem opções saudáveis ​​que os laticínios nem sempre conseguem alcançar. Minha resposta inicial ao “Oh meu Deus, os leites vegetais não são tão nutritivos quanto o leite de vaca” é que isso é bobagem. Nenhum dos leites vegetais avaliados tem colesterol, todos têm baixíssimos níveis de gordura saturada e alguns têm fibras.

O leite de vaca integral tem colesterol, gordura saturada e não contém fibras. E quando se trata de laticínios e cálcio, três quartos da população mundial é intolerante à lactose e obtém cálcio em outro lugar.

Além disso, existem alternativas ao leite que são boas opções para quem busca reduzir a ingestão de calorias. Alguns são bastante baixos em calorias, inclusive, quando compara-se ao leite de vaca com baixo teor de gordura, por isso, se alguém está procurando uma bebida branca com poucas calorias, esse pode ser um motivo para eleger o extrato vegetal como uma alternativa ao leite animal.

Além disso, para aqueles preocupados com as alterações climáticas, as alternativas ao leite serão uma opção melhor e, a longo prazo, não poderemos ter saúde humana sem saúde planetária.

A Universidade de Minnesota, nos EUA, mantêm um enorme banco de dados de quase 20 mil rótulos de alimentos e nutrientes, que é frequentemente usado por pesquisadores externos para estudos nutricionais. Devido à expansão de produtos não lácteos alternativos no mercado, esse painel precisou ser atualizado e a equipe começou a pesquisar os leites vegetais à medida que eram adicionados.

Foram encontrados leites feitos de pistache, aveia, noz, avelã, amêndoa, cânhamo, linhaça, caju, arroz – que já existe há muito tempo – e coco. Não se trata de leite de coco em garrafa, mas de leite de coco na seção de “alimentos saudáveis” do supermercado.

Depois de analisar os rótulos, os pesquisadores descobriram que 170 das 233 opções de leites vegetais eram fortificadas com cálcio em níveis semelhantes à média de 300 miligramas de cálcio por copo de 240 ml encontrado no leite lácteo. Esses mesmos 170 produtos também foram fortificados com níveis semelhantes de vitamina D aos laticínios (O leite de vaca não contém vitamina D naturalmente, por isso é sempre adicionado).

Especificamente, 76% dos leites à base de aveia, 69% dos produtos à base de soja e 66% das alternativas ao leite de amêndoas foram fortificados com cálcio e vitamina D, de acordo com o estudo. A principal conclusão é que se você os consome por causa de um nutriente específico, precisa ler o rótulo porque os produtos são muito diferentes uns dos outros.

O cálcio e a vitamina D, juntamente com o potássio e a fibra alimentar, são considerados componentes dietéticos de interesse para a saúde pública para a população em geral, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A análise também investigou os níveis de gorduras saturadas nos leites vegetais em comparação aos laticínios. A gordura saturada aumenta a produção corporal de lipoproteínas de baixa densidade, ou colesterol LDL (“ruim”), que pode se acumular dentro das artérias e aumentar o risco de ataque cardíaco ou derrame. A maioria dos produtos lácteos vegetais fica entre o nível de semi e o leite desnatado em termos de gordura saturada.

Embora não seja abordado na pesquisa retrocitada, o leite de castanhas tem uma boa quantidade de ácidos graxos essenciais, tanto N-6 (ômega-6) quanto N-3 (ômega-3), em comparação com a gordura altamente saturada do leite de vaca. Assim, o leite de castanhas terá um efeito melhor nos níveis de colesterol no sangue e provavelmente será preferível para o risco de doenças cardiovasculares.

Os ácidos graxos ômega-6 e ômega-3 são essenciais para a saúde e devem ser obtidos a partir dos alimentos porque não podem ser sintetizados no corpo.

O estudo também analisou a quantidade de fibra nos leites vegetais. O brasileiro médio consome cerca de 15 gramas de fibra por dia; no entanto, as diretrizes dietéticas recomendam a obtenção de 25 a 30 gramas de fibra por dia a partir de alimentos, e não de suplementos.

Se você consumisse 3 xícaras de extratos vegetais ao longo do dia, poderia atingir metade de suas necessidades de fibra. No entanto, como profissional que estuda o microbioma, eu ainda não recomendaria leites vegetais para obter fibras. Eu oriento que as pessoas busquem diretamente nos legumes, grãos integrais, frutas e vegetais.

O leite de vaca é naturalmente um pouco doce devido a um açúcar natural chamado lactose. O leite de aveia é semelhante, pois as enzimas decompõem os amidos e outros açúcares complexos em maltose, uma forma natural de açúcar. Outros leites vegetais podem não ser naturalmente doces, e algumas marcas avaliadas usavam açúcares adicionados para compensar.

Cerca de um terço dos extratos vegetais contém açúcar ou adição de açúcar em quantidades que são mais semelhantes ao leite de vaca aromatizado. O leite de vaca com chocolate, por exemplo, contém 25 gramas de açúcar, enquanto o leite vegetal sabor morango contém 29 gramas.

Em seguida, a equipe analisou os níveis de proteínas. Apenas 38 das 223 alternativas vegetais ao leite de vaca continham um nível superior ou igual aos 8 gramas de proteína normalmente encontrados em cada copo de 240 ml de leite de vaca, concluiu o estudo. Em média, os leites vegetais contêm cerca de 2 gramas de proteína. As melhores fontes encontradas nos leites vegetais foram nos produzidos a partir de soja e ervilha com níveis entre 6 a 10 gramas por porção de 240 ml. A maioria dos ocidentais obtém muitas proteínas de diversas fontes, então isso geralmente não é um problema.

Por exemplo, é também interessante lembrar que a quantidade de cálcio e proteína é muito menor no leite humano do que no leite de vaca. Como o leite humano é geralmente considerado a forma ideal de nutrição, há razões para acreditar que o leite de vaca deveria ser o padrão ouro?

Tem mais curiosidade sobre o tema em pauta? Seguem links de 03 estudos publicados que podem trazer ainda mais informações sobre a decisão de eleger um dos leites ou os dois na sua rotina alimentar:

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/36386959/

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/37803557/

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/36003838/

Você tem alguma dúvida sobre saúde, alimentação e nutrição? Envie um e-mail para [email protected] e poderei responder sua pergunta futuramente.

Nenhum conteúdo desta coluna, independentemente da data, deve ser usado como substituto de uma consulta com um profissional de saúde qualificado e devidamente registrado no seu Conselho de Categoria correspondente.

* Clayton Camargos é sanitarista pós graduado pela Escola Nacional de Saúde Pública – ENSP/Fiocruz. Desde 2002, ex gerente da Central Nacional de Regulação de Alta Complexidade (CNRAC) do Ministério da Saúde. Subsecretário de Planejamento em Saúde (SUPLAN) da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES-DF). Consultor técnico para Coordenação-Geral de Fomento à Pesquisa Em Saúde da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE) do Ministério da Saúde. Coordenador Nacional de Promoção da Saúde (COPROM) da Diretoria de Serviços (DISER) da Fundação de Seguridade Social. Docente das graduações de Medicina, Nutrição e Educação Física, e coordenador dos estágios supervisionados em nutrição clínica e em nutrição esportiva do Departamento de Nutrição, e diretor do curso sequencial de Vigilância Sanitária da Universidade Católica de Brasília (UCB). Atualmente é proprietário da clínica Metafísicos.

CRN-1 2970.

The post Saúde e nutrição com Clayton Camargos: leite de vaca ou vegetal? first appeared on GPS Brasília – Portal de Notícias do DF .

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo

Brasil

Ronaldo Angelim e Taça Libertadores virão ao Acre para festa de torcida do Flamengo

Publicado

em

Taça da Libertadores, vai sair do Museu do Flamengo

, com dois funcionários do clube que fazem sua guarda. Ela ficará disposta no evento para uma sessão de fotos, mas não deve ser tocada. O troféu foi dado ao Flamengo depois de uma final emocionante contra o Athetico Paranaense, em 2022, que acabou em 1×0 para o time do Rio de Janeiro.

Ronaldo Angelim está na história do Flamengo. Foi dele o gol do título de Campeão Brasileiro de 9 de dezembro de 2009, quando fez um gol de cabeça.

O consulado oficial do Clube de Regatas do Flamengo no Acre, Acreflanáticos, anunciou um evento de comemoração aos 9 anos da torcida organizada no estado com a presença do ídolo do clube, Ronaldo Angelim, e da Taça oficial da Conmebol Libertadores 2022. O evento será realizado no dia 23 de junho, domingo, a partir das 10h, no bar e petiscaria Brazin, em Rio Branco.

De acordo com o presidente da Acreflanáticos, Léo Paladino, a organização espera receber mais de 400 pessoas durante o dia, num evento fechado, com o oferecimento de bebidas, variedade de comidas e apresentações dos grupos musicais Samba Groove e Vibe 68.

“O bar vai estar com variedade de bebidas e alimentações e nós esperamos aproximar o torcedor do Flamengo no Acre, que fica tão isolado do seu clube que joga nos grandes centros urbanos. Esperamos o comparecimento de todos para prestigiar Ronaldo Angelim, a Taça da Libertadores, e de quebra assistir ao jogo do Flamengo contra o Fluminense pelo Brasileirão em telão de LED”, disse.

Ronaldo Angelim está na história do Flamengo. Foi dele o gol do título de Campeão Brasileiro de 9 de dezembro de 2009, quando fez um gol de cabeça. Tal destaque rendeu elogios de nada menos que Ronaldo Fenômeno, que afirmou achar Ronaldo Angelim “o zagueiro ideal” e que “gostaria de tê-lo como companheiro de equipe”, em participação no programa Bem, Amigos!, do canal SporTV.

Segundo Paladino, o ídolo do clube carioca vai prestigiar o evento no próximo domingo (23) e fará autógrafos e fotografias com os presentes. Às 14h, será exibido o jogo ao vivo entre Flamengo e Fluminense, pelo Brasileirão.

Já sobre a Taça da Libertadores, esta vai sair do Museu do Flamengo, no Rio de Janeiro, com dois funcionários do clube que fazem sua guarda. Ela ficará disposta no evento para uma sessão de fotos, mas não deve ser tocada. O troféu foi dado ao Flamengo depois de uma final emocionante contra o Athetico Paranaense, em 2022, que acabou em 1×0 para o time do Rio de Janeiro.

Ingressos:

A venda de ingressos físicos acontece na loja A Casa da Sogra, ao lado do Terminal Central, e na Mary Bijoux no Via Verde Shopping. O ingresso virtual pode ser adquirido por meio da Sympla (clique aqui para acessar).

O valor da entrada é de R$ 30 até a quinta-feira (20). Na sexta-feira (21) e no sábado (22) os ingressos custarão R$ 35. O valor do ingresso na bilheteria no domingo (23) ainda não foi definido.

Comentários

Continue lendo

Brasil

MEC destina R$ 40 milhões para construção de novo campus na regional do Alto Acre

Publicado

em

O investimento inicial de R$ 40 milhões será aplicado na construção de salas de aula, laboratórios, restaurante universitário, biblioteca, urbanização e equipamentos, campus universitário na regional do Alto Acre.

Campus Fronteira, em Brasiléia, esta inserida nas obras do Novo PAC, como também ouve anúncio da recomposição do orçamento de custeio das universidades federais. Foto assessoria

A reitora da Universidade Federal do Acre (UFAC), Guida Aquino, anunciou em uma rede social nesta quarta-feira (19), que o Ministério da Educação aprovou o envio de R$ 40 milhões para a construção de um campus universitário na regional do Alto Acre.

De acordo com Guida, o investimento inicial de R$ 40 milhões será aplicado na construção de salas de aula, laboratórios, restaurante universitário, biblioteca, urbanização e equipamentos.

“É o sonho de toda aquela região que agora nós teremos como consolidar. Em breve estaremos convidando toda a comunidade daquela região, a bancada estadual, federal e demais autoridades, para que possamos fazer uma audiência pública e pensar nos cursos que vamos pactuar com o Ministério da Educação”, disse a reitora.

Guida também anunciou o início de dois programas de ensino em parceria com a Secretaria de Educação Indígena, que abordarão os saberes indígenas e a educação do campo, bem como a terceira turma de formação indígena por meio do Programa de Apoio à Formação Superior e Licenciaturas Interculturais Indígenas (Prolind).

Programa de Apoio à Formação Superior e Licenciaturas Interculturais Indígenas

O Programa de Apoio à Formação Superior e Licenciaturas Interculturais Indígenas (PROLIND) é um programa realizado pelo Ministério da Educação (MEC), numa iniciativa conjunta de duas de suas secretarias, a Secretaria de Educação a Distância, Alfabetização e Diversidade (Secad) e a Secretaria de Ensino Superior (SESU). O principal objetivo do programa é apoiar financeiramente cursos de licenciatura especificamente destinados à formação de professores de escolas indígenas, as chamadas licenciaturas indígenas ou licenciaturas interculturais.

O processo de criação do programa envolveu a ação de diversos atores durante o início da década de 2000. A Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena (CNEEI), na época denominada Comissão Nacional dos Professores Indígenas (CNPI) passou a reivindicar junto ao MEC a criação de políticas de apoio à formação universitária de professores de escolas indígenas. Tais reivindicações consistiam principalmente na demanda por introduzir no Programa Diversidade na Universidade (primeira iniciativa do MEC no sentido de criar uma política pública ligada ao acesso diferenciado de minorias étnico-raciais, iniciado no ano de 2003 a partir da participação do governo brasileiro na Conferência de Durban no ano anterior) mecanismos de apoio à formação superior indígena, para além do financiamento de cursos pré-vestibulares a alunos indígenas realizado até então.

O movimento pela criação dessa política ganhou corpo no ano de 2004, a partir da contratação pela SESU de Renata Bondim, assessora da Organização das Nações Unidas, para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) responsável por promover o debate com universidades, movimentos sociais e governo em torno do tema do ensino superior indígena e da criação, pelo MEC, da Comissão Especial para Formação Superior Indígena (CESI), composta por organizações governamentais e não governamentais. Tal comissão foi responsável por elaborar no ano de 2005 as diretrizes político pedagógicas do PROLIND, que passou a vigorar a partir da publicação do edital n.º 5/2005/ SESU/Secad-MEC.

O PROLIND não constitui uma política de apoio permanente, sendo a liberação de fluxos financeiros condicionada pela criação de editais que selecionam os projetos das universidades públicas interessadas. Foram lançados até hoje três instrumentos jurídicos desse tipo (o já mencionado edital de 2005, o edital de 2008 e o edital de 2009), que por sua vez já contemplaram 20 institutos de ensino superior. O MEC estima que 1564 professores indígenas estavam em formação no ano de 2010 em cursos financiados pelo PROLIND. A seleção dos projetos é feita por um Comitê Técnico Multidisciplinar, formado por representantes da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), da Associação Brasileira de Lingüística (ABRALIN), do Fórum Brasileiro de Pró-Reitores de Graduação e, no edital de 2005, pelo ex-conselheiro do Conselho Nacional de Educação (CNE), Jamil Cury.

Inicialmente, o edital de 2005 previa também o apoio a projetos que visassem a permanência de estudante indígenas em cursos regulares, mas nos editais seguintes tal eixo de financiamento deixou de existir. Os recursos financeiros desse primeiro edital vieram, em parte do Programa Diversidade na Universidade, apoiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e em parte com recursos da SESU.

No ano de 2006, o MEC realizou, juntamente com o Programa Trilhas de Conhecimentos, a FUNAI, a Universidade de Brasília (UnB), e outros parceiros, o Seminário Nacional de Avaliação do PROLIND, onde foram discutidas as primeiras experiências de cursos de licenciatura indígena e elaboradas demandas para políticas públicas na área.

Comentários

Continue lendo

Brasil

PPCUB é aprovado na CAF da Câmara Legislativa

Publicado

em

Por

PPCUB é aprovado na CAF da Câmara Legislativa
Henrique Neri

PPCUB é aprovado na CAF da Câmara Legislativa

O Projeto de Lei Complementar nº41/2024, que institui o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB) foi aprovado na manhã desta quarta-feira na Comissão de Assuntos Fundiários (CAF), da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) . A proposta ainda será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, na sequência, no plenário da Casa

O relator, deputado Hermeto (MDB), foi o presidente da comissão e contemplou 107 emendas e rejeitou 66. Os deputados Hermeto (MDB), Pepa (PP), Eduardo Pedrosa (União Brasil) e Daniel Donizet (MDB) votaram a favor do projeto. Gabriel Magno (PT) votou contra o projeto e alegou que emendas importantes foram ignoradas pelo relator.

“Uma emenda que trata de preocupação com as áreas verdes foi rejeitada. É preciso atualizar o PPCUB à realidade que estamos convivendo com mais intensidade nos últimos anos dos extremos climáticos”, declarou Magno.

De acordo com o relator, deputado Hermeto (MDB) “o PLC n° 41/2024 traz grandes avanços ao compilar e atualizar os parâmetros de uso e ocupação do solo para os lotes e projeções de todo Conjunto Urbanístico de Brasília atualmente dispostos em normas dispersas, defasadas e de difícil consulta. O PLC propõe uma ponderada ampliação e flexibilização de usos que poderá promover tanto a regularização de situações consolidadas, quanto a dinamização de diversos setores da cidade, contribuindo para o desenvolvimento urbano sem ferir seus valores patrimoniais”.

The post PPCUB é aprovado na CAF da Câmara Legislativa first appeared on GPS Brasília – Portal de Notícias do DF .

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo