fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Número de mortos em terremoto na Turquia e Síria passa de 45 mil

Publicado

em

Trabalho de resgate das vítimas segue após 12 dias do terremoto que atingiu a Turquia e a Síria
MAXIM SHEMETOV/REUTERS – 18/2/2023

Muitas pessoas continuam desaparecidas depois de 12 dias do forte terremoto; equipes ainda tentam localizar sobreviventes

Mais de 45 mil pessoas morreram no terremoto que atingiu a Turquia e a Síria, e o número deve aumentar, com cerca de 264 mil apartamentos na Turquia destruídos e muitos ainda desaparecidos, enquanto equipes de resgate procuram sinais de vida sob os escombros.

O número de mortos na Turquia é de 39.672 desde o terremoto, enquanto a vizinha Síria registrou mais de 5.800 mortes. O contagem da Síria não muda há dias.

Enquanto muitas equipes de resgate internacionais deixaram a vasta zona do terremoto, as equipes nacionais continuaram as buscas neste sábado (18) em edifícios destruídos, na esperança de encontrar mais sobreviventes que desafiem as probabilidades. Especialistas dizem que a maioria dos resgates ocorre nas 72 horas seguintes a um terremoto.

Resgate de família síria

Doze dias após o terremoto, trabalhadores do Quirguistão tentaram salvar uma família síria de cinco pessoas dos escombros de um prédio na cidade de Antakya, no sul da Turquia.

Três pessoas, incluindo uma criança, foram resgatadas com vida. A mãe e o pai sobreviveram, mas a criança morreu depois de desidratação, disse a equipe de resgate. Uma irmã mais velha e uma gêmea não sobreviveram.

“Ouvimos gritos quando estávamos cavando hoje, uma hora atrás. Quando encontramos pessoas vivas, sempre ficamos felizes”, disse Atay Osmanov, membro da equipe de resgate, à Reuters.

Dez ambulâncias estavam à espera em uma rua próxima que estava bloqueada para permitir o trabalho de resgate.

Os trabalhadores pediram silêncio total e que todos se agachassem ou sentassem enquanto as equipes subiam até o topo dos escombros do prédio onde a família foi encontrada para ouvir mais sons por meio de um detector eletrônico.

Enquanto os esforços de resgate continuavam, um trabalhador gritou em direção aos escombros: “Respire fundo se puder ouvir minha voz”.

Mais tarde, os trabalhadores interromperam as operações de busca quando as escavadeiras chegaram e subiram nos escombros para começar a limpá-los.

Sobrevivente localizado após 278 horas

Hakan Yasinoglu, na casa dos 40 anos, foi resgatado na província de Hatay, no sul da Turquia, 278 horas após o terremoto de magnitude 7,8 ocorrido na calada da noite em 6 de fevereiro, informou o Corpo de Bombeiros de Istambul.

Anteriormente, Osman Halebiye, 14, e Mustafa Avci, 34, tinham sido salvos na cidade histórica de Antakya, na Turquia, conhecida nos tempos antigos como Antioquia. Avci realizou uma chamada de vídeo para seus pais, que lhe mostraram seu bebê recém-nascido.

“Eu havia perdido completamente toda a esperança. Isso é um verdadeiro milagre. Eles me devolveram meu filho. Eu vi os destroços e pensei que ninguém poderia ser salvo com vida de lá”, disse seu pai.

Organizações de ajuda humanitária dizem que os sobreviventes precisarão de ajuda nos próximos meses, com tantas infraestruturas cruciais destruídas.

Na vizinha Síria, já abalada por mais de uma década de guerra civil, a maior parte das mortes ocorreu no noroeste do país, uma área controlada por insurgentes que estão em guerra com o presidente Bashar al-Assad — um conflito que prejudicou os esforços para ajudar as pessoas afetadas pelo terremoto.

Milhares de sírios que buscaram refúgio na Turquia após a guerra civil em seu país voltaram para sua casa na zona de guerra — pelo menos por enquanto.

Número incerto de desaparecidos

Nem a Turquia nem a Síria disseram quantas pessoas ainda estão desaparecidas após o terremoto.

Entre as famílias que ainda esperam resgatar parentes na Turquia, há uma raiva crescente sobre o que consideram práticas de construção corruptas e um desenvolvimento urbano profundamente falho que resultou na desintegração de milhares de casas e empresas.

Um desses edifícios foi o Ronesans Rezidans (residência renascentista), que tombou em Antakya, matando centenas de pessoas.

“Diz-se que era à prova de terremotos, mas você pode ver o resultado”, disse Hamza Alpaslan, 47, cujo irmão morava no prédio de apartamentos. “Está em péssimas condições. Não tem cimento nem ferro de verdade. É um verdadeiro inferno.”

A Turquia prometeu investigar qualquer pessoa suspeita de responsabilidade pelo desabamento de edifícios e ordenou a detenção de mais de cem suspeitos, inclusive construtores.

Na quinta-feira, as Nações Unidas solicitaram ajuda de mais de 1 bilhão de dólares em fundos para a operação de socorro turca e lançaram um apelo de 400 milhões de dólares para os sírios.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Bolsonaro surfa na briga Musk x Moraes

Publicado

em

Por

Deu uma pequena trégua porém. Disse que não falaria de fraude nas eleições de 2022, que era “coisa passada”. Mas criticou a decisão do TSE de multar seu partido, o PL, em R$ 22 milhões; e as decisões do tribunal que o considerou inelegível. Sem citar nomes, alfinetou o ministro do STF Flavio Dino: “Eu não me reuni com traficantes no Complexo do Alemão; eu não coloquei do meu lado a dama do tráfico do Amazonas no ministério”.

A verborragia de Bolsonaro hoje é mais do mesmo. Nada do que ele não tenha dito antes – e que motivou condenações no TSE e a inclusão de seu nome em inquéritos no STF.

A situação jurídica de Bolsonaro não deve mudar depois do ato de hoje. Em contrapartida, o cenário político melhora. A exemplo do discurso na Avenida Paulista há dois meses, o ex-presidente mostra que, mesmo inelegível, ainda é capaz de reunir muita gente para ouvir e repercutir o que diz.

E, a exemplo do que aconteceu na Paulista, em Copacabana Bolsonaro repetiu a estratégia de deixar as críticas mais duras ao Judiciário para o pastor Silas Malafaia – que, até onde se sabe, ainda não figura em inquéritos do STF conduzidos por Alexandre de Moraes. O discurso do pastor deste domingo talvez mude essa situação.

Malafaia chamou Moraes de “ditador de toga”, disse que o ministro “rasgou a Constituição” e que é “uma ameaça à nação”. Se não for preso antes, o religioso acabará sendo eleito.

Comentários

Continue lendo

Brasil

BB quer aumentar salário de presidente para R$ 117 mil; 57% de reajuste

Publicado

em

Por

Edifício sede do Banco do Brasil, em Brasília.

Se aprovado, a remuneração da executiva alcançará R$ 4 milhões anuais, incluindo participação em conselhos e nos lucros.

A justificativa para o aumento de R$ 74.972 para R$ 117.470 é que os salários estão “defasados” e é necessário ter “remuneração justa frente às responsabilidades do cargo”, segundo documentos oficiais aos quais a coluna teve acesso.

O vice-presidente do banco também poderá ter aumento de R$ 67.105 para R$ 90.188, e os diretores de R$ 56.873 para R$ 69.242. Os novos salários, se aprovados, terão um custo anual para o BB de R$ 94,4 milhões.

A proposta foi apresentada pelo comitê de remuneração e aprovada pelo conselho de administração do banco. Cinco dos oito integrantes do colegiado são ligados a Tarciana.

A presidente do BB integra o conselho, mas, devido a regras estatutárias, ela não pode participar da reunião que discute o reajuste de seu próprio salário. A assessoria do banco informou que ela não manifestará sua posição pessoal sobre o reajuste.

A próxima etapa é a aprovação pela Assembleia Geral de Acionistas, convocada para a próxima sexta-feira (26). Essa instância tem poder para rejeitar a proposta.

Além do salário, a presidente do BB recebe mais R$ 125 mil por mês para participar de reuniões mensais dos conselhos do Votorantim (R$ 50 mil), Brasilprev (R$ 35 mil) e Elopar (R$ 40 mil). Se o novo valor for aprovado, ela terá uma remuneração mensal total de R$ 242.470, considerando salário e atuação nos conselhos. Tarciana também está nos conselhos da Fundação BB e da Bladex, mas não é remunerada por isso.

O BB também paga remuneração variável (participação nos lucros) aos seus executivos. Sob a gestão de Tarciana, o banco aumentou de 12 para 13 o número de remunerações. O cálculo varia conforme o salário do cargo e o cumprimento de metas. Com isso, os membros do conselho diretor podem receber 13 salários e 13 remunerações variáveis mensalmente, totalizando 26.

Continua após a publicidade

Indenizações

Sob a presidência de Tarciana, o BB também mudou as regras do Paet (Programa de Alternativa para Executivos em Transição). A partir de agora, todos os executivos, diretores, vice-presidentes e a própria presidente receberão um bônus caso percam os cargos de confiança e voltem a ocupar suas funções anteriores, num downgrade dentro do banco. Para isso, precisam ter ocupado os cargos maiores por, no mínimo, seis meses.

Até então, o bônus só era pago para quem se aposentasse ou era destituído. A mudança, que aumentou o número de pessoas atendidas no Paet e beneficia todos os indicados da presidente do BB, não passou por análise da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais.

Caso o reajuste salarial seja aprovado, a indenização para a presidente, vice-presidentes e diretores será consequentemente aumentada quando eles deixarem os cargos.

Desempenho

As justificativas para o reajuste salarial foram encaminhadas para a Assembleia Geral de Acionistas pelo presidente do conselho de administração, Dario Durigan. Ele mencionou o desempenho do banco em 2023 como uma das razões.

Continua após a publicidade

“Outro motivador do reajuste proposto diz respeito ao desempenho do Banco em 2023, quando ocupou uma posição de destaque frente a seus principais concorrentes, com um lucro líquido ajustado de R$ 35,6 bilhões e um RSPL de 21,6%, o melhor entre os bancos nacionais”, diz o documento obtido pela coluna.

Argumentou ainda que, entre 2016 e 2022 (governos Temer e Bolsonaro), não houve reajuste salarial para a diretoria do banco, enquanto a remuneração fixa dos demais funcionários do BB foi atualizada.

Setor privado

O último estudo sobre salários no setor privado mostrou que o presidente do Santander, por exemplo, recebeu um salário de R$ 59 milhões em 2021. O Itaú pagou R$ 53 milhões naquele ano ao seu presidente. O Bradesco, R$ 29,3 milhões.

O que diz o BB

Procurado pela coluna, o BB afirmou que “não existe qualquer tipo de conflito de interesses que envolva a participação de qualquer membro da Diretoria Executiva do BB na definição de seus salários”. E mencionou que “a Governança do BB veta que seus estatutários participem de instâncias decisórias da empresa que deliberem por sua própria remuneração”.

Continua após a publicidade

“Cabe destacar que a proposta do Conselho de Administração segue para apreciação da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest) e deliberação pela Assembleia Geral de Acionistas (AGO)”, complementou.

Sobre a participação da presidente em conselhos, o banco informou que “metade do lucro do Banco se origina dos resultados de suas entidades ligadas”. “A presença da presidente nessas instâncias decisórias obedece ao que prevê o Estatuto e demais normativos do BB e das empresas do conglomerado, inclusive no que se refere ao nível de remuneração. Convém destacar que, em alguns desses conselhos, também há presença de CEOs de outros grandes bancos com os quais o BB mantém parcerias comerciais”, disse.

Sobre o aumento de um honorário adicional, o BB informou que é uma política para retenção de talentos. “A proposta que está em apreciação pela Assembleia Geral de Acionistas prevê a possibilidade de aumento do teto para apenas um honorário adicional ao que é previsto atualmente. Cabe destacar que essa remuneração dos administradores tem como objetivo atrair, incentivar, recompensar e reter talentos, conciliando os interesses dos acionistas.”

A respeito do Paet, o BB informou que “o programa, em suas regras atuais, não traz qualquer impacto financeiro adicional ao BB em relação às suas versões anteriores”.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Mulheres sambistas lançam livro-disco infantil com protagonista negra

Publicado

em

Por

Uma menina de 4 anos, chamada de Flor de Maria, que vive aventuras mágicas embaixo da mesa da roda de samba, e descobre um mundo cheio de cores, sons e sensações diferentes. Uma experiência que a conecta com uma expressão cultural e comunitária ancestral. Esse é o enredo do disco-livro É Pretinha, lançado nesta semana pela editora Rubra.

As autoras são Marina Iris e Manu da Cuíca, com ilustrações de Tétiiz e produção musical de Ana Costa. O objetivo das autoras era celebrar o samba e a infância. E, ao misturar livro e músicas, permitir que os leitores mergulhassem em um cenário mais vibrante e sensorial.

As músicas podem ser ouvidas no Spotify e YouTube gratuitamente.

Uma das autoras, Marina Iris, explica que se inspirou em ambientes comuns do subúrbio para criar a história de É Pretinha.

“Quando idealizei o É Pretinha, pensei em trazer para a literatura infantil o contexto de samba, subúrbio, quintal, família e ancestralidade. Queria que tudo estivesse presente de forma natural e poética, inspirada na infância cheia de abstração e poesia”, disse Marina Iris.

Outra autora, Manu da Cuíca, revela que a história traz elementos pessoais do passado e do presente.

“Contar uma história após me tornar mãe se tornou um rito de intimidade e carinho, onde entrelaço minha infância na da minha filha. Eu, Ana e Marina conversamos muito sobre essa dimensão das histórias antes de começarmos a criar”, disse Manu da Cuíca.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo