Conecte-se conosco

Brasil

Norte é a última região a ter votos apurados; entenda o motivo

Publicado

em

Dificuldades logísticas fazem com que os dados de locais com menor infraestrutura demorem mais para chegar, diz TSE

O descompasso da apuração de votos entre as regiões brasileiras, fazendo com que a contabilização no Norte e Nordeste demore mais para ser divulgada, deve ocorrer neste domingo (30), assim como ocorreu na contagem do primeiro turno. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) explica que os resultados de localidades com mais dificuldade logística na transmissão chegam por último e precisam aguardar na fila de processamento.

Em 2 de outubro, foi possível observar que os primeiros votos divulgados vieram das regiões Sul e Sudeste. Em seguida, vieram os dados de parte do Centro-Oeste e, por último, do Nordeste e do Norte. A situação, segundo o TSE, se repete em todos os pleitos.

Isso porque cada uma das unidades federativas possui questões de logística de transmissão próprias. O tribunal explica que um grande volume de informação chega ao mesmo tempo, mas os que foram registrados primeiro são processados antes.

“Esses dados, ao chegarem ao Centro de Processamento de Dados (CPD) da Justiça Eleitoral, entram em uma estrutura semelhante a uma ‘fila de banco'”, explica o secretário de Tecnologia da Informação da corte eleitoral, Julio Valente. Regiões com mais infraestrutura de transmissão conseguem enviar os dados com mais facilidade.

A limitações de infraestrutura de telecomunicação em localidades mais remotas e distantes dos grandes centros é um dos motivos para o descompasso. Quanto mais lenta a capacidade de processamento dos computadores, bem como a estabilidade e velocidade da rede de dados, mais demorada será a transmissão.

De acordo com Valente, muitas vezes o mesário precisa se dirigir com a urna até um ponto de transmissão da Justiça Eleitoral ou utilizar um telefone via satélite em áreas remotas. Regiões mais pobres do Norte, Nordeste e de parte do Centro-Oeste são as mais afetadas.

Para que os votos entrem no sistema, é necessário que a urna eletrônica seja finalizada, o boletim de urna impresso e a mídia de resultado retirada para que os dados sejam transmitidos à Justiça Eleitoral.

“Como tudo chega no TSE ao mesmo tempo e na mesma estrutura de dados, às vezes, 30 segundos que se leve para conectar depois da votação já são suficientes para que tenham entrado mais de 50 mil boletins de urna na frente”, enfatiza Valente. O TSE recebe mais de 496 mil boletins de urna em cada turno das eleições.

O resultado final do segundo turno, no entanto, deve sair mais rápido na comparação com o primeiro turno. O tempo de permanência de cada eleitor na urna de votação é menor, já que não é necessário mais votar para senadores, deputados federais e estaduais ou distritais. Agora, os brasileiros precisam apenas votar para presidente da República e, em doze estados, para governador.

Com isso, são reduzidos os casos de grandes filas depois das 17h, quando, em tese, a votação é encerrada. Após esse horário, os eleitores que estão aguardando recebem uma senha para conseguir exercer o direito ao voto. A expectativa do TSE é de que o resultado final das eleições seja divulgado até as 21h30 do domingo.

Comentários


Brasil

Sebrae: pequenos negócios respondem por 8 em cada 10 empregos criados

Publicado

em

No acumulado de 2022, o país contabiliza 2,3 milhões de novos postos

Levantamento realizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequena Empresas (Sebrae) mostra que, em outubro, os pequenos negócios foram responsáveis por cerca de oito a cada dez novas vagas de trabalho criadas no país. O saldo positivo de empregos gerados por empresas de todo tipo porte no país, nesse período, foi de 159.454, sendo que os pequenos negócios respondem por 125.114 das contratações (78,5%).

“Pelo décimo mês consecutivo, as micro e pequenas empresas apresentaram saldo positivo na geração de empregos no país”, avaliou o Sebrae, por meio de nota.

No acumulado de 2022, o país contabiliza 2,3 milhões de novos postos de trabalho – desses, 1,661 milhão (71,6%) por meio de micro e pequenas empresas. A participação de médias e grandes na geração de empregos é de 22%, com 513 mil contratações.

Setores

Entre os sete setores da economia analisados, as micro e pequenas empresas apresentaram saldo positivo em todos, enquanto médias e grandes empresas registraram saldo negativo na construção civil e na extrativa mineral. Na área de serviços, por exemplo, o saldo de contratações dos pequenos negócios foi de 60,2 mil, enquanto médias e grandes empresas aumentaram seus quadros em 29,1 mil novos contratados.

As contratações pelos pequenos negócios no comércio também foram bem superiores: quase cinco vezes mais do que a de médias e grandes – 39,1 mil contra 8,3 mil, respectivamente.

No acumulado de 2022, as micro e pequenas empresas do setor de serviços foram as que mais contrataram, com 850.781 novos empregos, além de 274.679 postos na construção civil e 262.143 no comércio.

Comentários


Continue lendo

Brasil

PEC da Transição deve cair para 2 anos, mas valor será mantido

Publicado

em

A cúpula menor, voltada para baixo, abriga o Plenário do Senado Federal. A cúpula maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.

Intenção é discutir matéria na CCJ do Senado na quarta

O relator do Orçamento Geral da União, senador Marcelo Castro (MDB-PI), disse nesta segunda-feira (5) que o senador Alexandre Silveira (PSD-MG) será o relator da chamada Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Com o prazo apertado para apreciar o texto, nas duas Casas do Congresso, até a semana que vem, a proposta exclui do teto de gastos R$ 175 bilhões para pagamento do Bolsa Família no valor de R$ 600, a partir de janeiro de 2023. A PEC também tira do teto mais R$ 23 bilhões para serem aplicados em investimentos, quando houver excesso de arrecadação.

A intenção dos senadores é discutir a PEC na CCJ nesta terça-feira (6) e votar a matéria no colegiado já na manhã de quarta-feira (7) e à tarde no plenário do Senado. Na semana seguinte, a expectativa é que a Câmara dos Deputados aprecie a proposta.

Inicialmente, a equipe de transição defendeu que a exclusão dos valores do teto de gastos valesse por quatro anos, mas, segundo Marcelo Castro, a proposta não foi bem recebida e deve ser modificada por um substitutivo que propõe dois anos de prazo.

“Hoje vai ser um dia de articulações, negociações, de conversar com os senadores, de contar os votos para que amanhã a gente possa aprovar, se possível, na Comissão de Justiça [do Senado]”, explicou Castro. O senador lembrou que, para ser aprovado, o texto, precisa de, no mínimo, 49 votos favoráveis de senadores e 308 de deputados em dois turnos de votação em cada uma das Casas.

A reunião ocorreu pela manhã na residência oficial do presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) e também contou com a presença do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Além deles, participam os senadores Davi Alcolumbre (União-AP) e Alexandre Silveira (PSD-MG) e os deputados Hugo Leal (PSD-RJ) e Celso Sabino (União-PA), presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO) e cotado para ser o relator da PEC na Câmara.

Comentários


Continue lendo

Brasil

Mais de 22 mil aves marinhas morrem de gripe aviária no Peru

Publicado

em

Primeiros casos surgiram há duas semanas e obrigaram o governo peruano a decretar alerta sanitário por 180 dias

Gripe aviária matou milhares de aves marinhas no Peru
ERNESTO BENAVIDES / AFP

Por AFP

O Peru elevou nesta segunda-feira (5) para mais de 22 mil o número de aves marinhas e costeiras mortas desde o surgimento de um surto de gripe aviária que atinge países das Américas e da Europa, registraram as autoridades.

O último relatório do Serviço Nacional de Florestas e Vida Selvagem contabilizou 16.890 pelicanos, 4.324 atobás, 630 Patola-de-pés-azuis e 168 biguás mortos, entre outras espécies que vivem em áreas costeiras e áreas naturais.

Os primeiros casos de gripe aviária do tipo H5N1 surgiram há duas semanas e obrigaram o governo a decretar alerta sanitário por 180 dias.

Peru declarou alerta sanitário por 180 dias após casos de gripe aviária

Peru declarou alerta sanitário por 180 dias após casos de gripe aviária Ernesto Benavides / AFP

Mais de 5 mil aves no litoral costeiro e nas praias do país morreram na última semana.

A doença “é como a covid para as aves, que afeta umas mais que outras”, disse à AFP a chefe de Gestão Sustentável do Serviço Florestal, Doris Rodríguez.

Há uma semana, mais de 37 mil aves foram abatidas em fazendas de criação em todo o país.

O surto de gripe aviária levou à proibição de rinhas de galos e feiras de aves planejadas para os feriados de Natal e Ano Novo.

Comentários


Continue lendo

Em alta