fbpx
Conecte-se conosco

Extra

No Alto Acre, Saúde do Estado reforça combate à Covid-19 e anuncia leitos de UTI no Hospital Regional

Publicado

em

A comitiva de gestores Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) liderada pela secretária adjunta de Assistência à Saúde, Paula Mariano, chegou na manhã desta quinta-feira, 18, à cidade de Brasileia, onde se reuniu com prefeitos e gestores municipais de toda a região para reforçar o combate à pandemia de Covid-19, além de anunciar novos investimentos para o Hospital Regional do Alto Acre, que ganhará as suas primeiras dez vagas de UTI nos próximos dias.

Espaço foi dividido em área de sintomáticos respiratórios e não sintomáticos. Foto: Edilson Junior/Prefeitura de Brasileia

O Hospital Regional do Alto Acre é a referência no tratamento de Covid-19 para todos os casos moderados dos municípios de Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri. O espaço foi dividido em área de sintomáticos respiratórios e não sintomáticos, disponibilizando 13 leitos clínicos exclusivos para Covid-19, que estão quase todos ocupados.

Além do anúncio das dez vagas de UTI para a unidade devido ao aumento da demanda, o hospital terá um reforço na usina de oxigênio para ampliar sua produção e ganhará um tomógrafo, que já está encaminhado e será instalado em breve. A Secretaria de Saúde também está se organizando para a contratação de mais profissionais, necessários para a ala de UTI.

O avanço da Covid-19 no Alto Acre segue junto com o aumento dos casos de dengue e o receio pela cheia do Rio Acre, que corta todos os municípios. A secretária Paula Mariano reforçou, no encontro com os gestores municipais, que o governo do Estado está de mãos dadas com todos, mas que a necessidade do cumprimento de decretos e as limitações da Bandeira Vermelha são essenciais.

Secretaria de Saúde também está se organizando para a contratação de mais profissionais, necessários para a ala de UTI. Foto: Edilson Junior/Prefeitura de Brasileia

“Viemos de Assis Brasil, que está numa situação muito delicada e que desestabiliza toda a região, e nos colocamos à disposição; nossa equipe técnica está em um momento de união e seguimos nesse combate. O governador está atento a tudo e é a pessoa que mais quer que superemos isso. Mas não adianta só abrir leitos. Podemos encher o hospital de leitos que, enquanto não houver uma fiscalização e uma educação para a população não correr riscos, a doença vai continuar avançando”, conta a secretária adjunta de Saúde.

Regional em alerta

Mesmo sendo municípios pequenos, o índice da doença segue grande na região. Assis Brasil registra mais mil casos de Covid-19, enquanto Brasileia ultrapassa 1.800, Xapuri mais de 2.500 e Epitaciolândia, mais de mil.

Coordenadora do Pacto Acre Sem Covid apresentou os dados da regional. Foto: Raylanderson Frota/Prefeitura de Brasileia

A coordenadora do Pacto Acre Sem Covid, Karolina Sabino, reforçou que as medidas de cada faixa de bandeira precisam ser cumpridas e a Vigilância Sanitária do Estado segue se reunindo com as vigilâncias municipais, orientando as equipes, dando todo suporte para a realização do trabalho e buscando que seja cumprido tudo que está nos decretos estaduais.

“É um cenário preocupante. Ainda estamos vendo muitas pessoas sem usar máscaras nas ruas, com aglomerações e boa parte do comércio aberto, mesmo com a vigência da Bandeira Vermelha, que restringe muitas atividades”, relata Karolina.

Segundo o levantamento de dados do acompanhamento da pandemia, a região do Alto Acre segue num crescente de casos. Para se ter uma ideia, dos 1.800 casos confirmados em Brasileia, 400 foram registrados apenas em janeiro, enquanto que em fevereiro já foram registrados 250.

Anfitrião do encontro, o vice-prefeito de Brasileia, Carlinhos do Pelado, agradeceu a presença dos gestores estaduais, reforçou o trabalho conjunto no combate à doença e levantou, ainda, pontos como o avanço da dengue e a atuação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

“Nós nos encontramos felizes por estarmos aqui reunidos, mas tristes por saber que o número da Covid-19 em nossa região ainda é alarmante. Mas a equipe da Sesacre nos trouxe os números do estado e informações maravilhosas sobre os leitos de UTI no Hospital Regional. Quase todos os vice-prefeitos da regional estão aqui hoje e sabemos que esse trabalho pelo atendimento em Brasileia tem que ser conjunto”, destacou o vice.

Comentários

Continue lendo

Extra

Brasil atinge 1,6 mil mortes confirmadas por dengue

Publicado

em

Número de mortes confirmadas é 35% superior a todo o ano de 2023; Distrito Federal tem maior total de casos prováveis

O Brasil alcançou a marca dos 1.601 óbitos por dengue confirmados em 2024. Além disso, outras duas mil mortes seguem em investigação e podem ter sido causadas pela doença, totalizando 3,6 mil mortes confirmadas ou suspeitas até o momento. Os dados são do painel de casos do Ministério da Saúde atualizado nessa sexta-feira (19).

O número de mortes confirmadas é 35% superior a todo o ano de 2023, quando 1.179 brasileiros perderam a vida para doença. A diferença entre os casos ainda em investigação de 2023 e 2024 supera os 1.707%. Do ano passado, apenas 114 ocorrências seguem em investigação.

Em relação aos casos prováveis da doença, os números chegam a 3,535 milhões em 2024 contra 1,649 milhão em 2023, aumento de 114%. Já o coeficiente de incidência de casos por 100 mil habitantes cresceu de 773 em 2023 para 1.741 casos prováveis para cada 100 mil brasileiros em 2024.

As mulheres são as mais afetadas pela doença, representando 55% das ocorrências prováveis, contra 44% de pessoas do sexo masculino. A faixa etária mais afetada é dos 20 aos 29 anos, com 358 mil mulheres dessa faixa etária atingidas contra 299 mil homens.

Apesar do aumento expressivo no número de casos e óbitos, a letalidade da doença em relação ao total de casos teve leve redução. De uma letalidade de 4,83% em casos graves em 2023 para 4,35% em 2024. Além disso, a letalidade dos casos prováveis passou de 0,07% para 0,05% no mesmo período.

Estados

Proporcionalmente, as unidades da federação com a situação mais grave da doença, índice calculado por casos prováveis a cada 100 mil habitantes (coeficiente de incidência), são: Distrito Federal (7,9 mil x 100 mil); Minas Gerais (5,3 mil x 100 mil); Paraná (3,0 mil x 100 mil); Espírito Santo (2,9 mil x 100 mil); Goiás (2,5 mil x 100 mil); Santa Catarina (2,0 mil x 100 mil); São Paulo (1,8 mil x 100 mil); e Rio de Janeiro (1,3 mil x 100 mil).

Na parte embaixo da tabela, com os melhores índices de incidência, estão os estados de Roraima (36 casos x 100 mil); Ceará (96 casos x 100 mil); Maranhão (128 casos x 100 mil); Sergipe (137 casos x 100 mil) e Alagoas (152 casos x 100 mil).

Comentários

Continue lendo

Extra

Prefeitura de Brasiléia realiza evento para celebrar o dia dos Povos Originários no município

Publicado

em

Nesta sexta-feira, 19, a Prefeitura de Brasiléia promoveu um evento especial para celebrar e homenagear os Povos Indígenas Jaminawa que residem em contexto urbano do município.

Com objetivo de reconhecer ainda mais sua cultura e suas tradições, promover a conscientização sobre a inclusão e reafirmar os direitos previstos na Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, o dia foi marcado por uma programação diversificada e emocionante.

O evento teve início com a presença de autoridades dos três poderes constituídos ( Executivo, Legislativo e Judiciário), convidados, incluindo a representante dos Povos Originários – Marilza Jaminawa, a Secretária de Educação – Francisca Oliveira, o Secretário de Meio Ambiente representando a Prefeita Fernanda Hassem- Professor Val, Presidente da Câmara Municipal- Marquinhos Tibúrcio, Promotor de Justiça do MPAC- Dr. Juleandro Martins, Gerente de Organismo de Política para as Mulheres ( OPM), Suly Guimarães, Coordenadora do Núcleo de Educação – Maria Cecília e o Juiz da Vara Civil de Brasileia Dr. Robson Medeiros.

Durante as atividades culturais promovidas pelos os povos originários da etnia Jaminawa que vivem em condição urbana no município e enalteceram as tradições dos Povos Indígenas. Além da realização do Programa Criança Feliz para as crianças indígenas da comunidade.

No Brasil existem aproximadamente 260 povos indígenas. O censo de 2022 mostra que são mais de um milhão e meio de pessoas. No Acre são aproximadamente 36 terras indígenas de 16 povos de etnias diferentes.

Em Brasileia temos 56 famílias no total sendo 224 pessoas indígenas da etnia Jaminawa vivendo em contexto urbano.

Os Povos Originários são exemplos de luta e resiliência, afirmou o Secretário Municipal de Meio Ambiente Prof Val.

“Quero agradecer a gestão municipal em nome da prefeita Fernanda Hassem que proporcionou esse momento como os Povos Originários. Esse evento representa reconhecimento e o respeito pelos povos indígenas,são exemplo de luta e resiliência ao longo da história”,disse.

Marilza Jaminawa representante da comunidade fala da homenagem especial recebida.

“é muito importante e especial quando a gente ver que somos vistos e valorizados, estamos sendo homenageados e que poder público estar aqui conosco para nos apoiar”.

O Promotor de Justiça Dr. Juleandro Martins,prestigiou falou da importância da homenagem.

“Quero reconhecer os avanços que foram feitos nessa comunidade, sabemos que ainda precisam ser ajustadas políticas públicas, mas o fato é que muito já avançou. Hoje é um dia muito simbólico para reconhecer a cultura, a resiliência e a força desse povo”, afirmou.

Para o Juiz vara Civil de Brasiléia Dr, Robson Medeiros,os povos originários são de fundamental importância para a história de nosso país.

“O Poder Judiciário está sempre de portas abertas por causa dos povos originários, nós estamos voltados para atender de forma mais atenciosa suas demandas. Agradecer o poder público municipal por essa importante iniciativa”, destacou.

Comentários

Continue lendo

Extra

Vídeo; Trabalhador é alvo de criminoso enquanto realizava obras nas vias públicas de Rio Branco

Publicado

em

Na tarde desta sexta-feira, 19 de abril, um trabalhador identificado como Adevaldo Morais da Costa, de 36 anos, foi vítima de um atentado a tiros enquanto prestava serviço para a construtora GBM, em colaboração com a prefeitura de Rio Branco. O incidente ocorreu na avenida Amadeo Barbosa, próximo à quarta ponte, na região do bairro Seis de Agosto, no Segundo Distrito da capital acreana.

De acordo com relatos de testemunhas, Adevaldo estava trabalhando junto com seus colegas na recuperação da referida avenida, como parte do programa municipal “Asfalta Rio Branco”, quando um criminoso ainda não identificado se aproximou do grupo em uma motocicleta de cor azul. O indivíduo simulou problemas mecânicos na moto e, repentinamente, sacou uma arma de fogo, disparando quatro vezes na direção de Adevaldo. Um dos disparos atingiu o trabalhador no pescoço, transfixando para o braço e o tórax. Após o crime, o autor fugiu do local.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionado e uma ambulância de suporte avançado foi enviada ao local. Os paramédicos prestaram os primeiros socorros a Adevaldo e o encaminharam ao Pronto-Socorro de Rio Branco. Segundo informações, seu estado de saúde é estável, mas há preocupação com a possibilidade de agravamento do quadro clínico.

A área foi isolada por policiais militares do 2° Batalhão para os procedimentos da perícia criminalística. Posteriormente, os agentes recolheram informações e realizaram patrulhamento na região em busca do suspeito, porém ele não foi localizado.

O caso está sob investigação da Equipe de Pronto Emprego (EPE) da Polícia Civil, e posteriormente será encaminhado à delegacia especializada para os desdobramentos necessários.

 

Comentários

Continue lendo