Conecte-se conosco

Cotidiano

Maria Clara, filha de Isabel, fala sobre adeus: “Minha mãe foi um furacão”

Publicado

em

Ex-jogadora, que morreu na madrugada de quarta-feira, recebe último adeus de fãs

A emoção se fez presente no último adeus a Isabel Salgado, ícone do vôlei que morreu na madrugada de quarta-feira. No cortejo fúnebre, ao som de Tim Maia, amigos e familiares se despediram da ex-jogadora. Maria Clara, uma das filhas de Isabel, representou a família após a despedida, realizada no Cemitério da Penitência, no Caju, na Zona Portuária do Rio de Janeiro.

– A gente queria agradecer a todos que vieram aqui hoje. Minha mãe foi um furacão. Foi uma mulher realmente incrível, fora do comum. Mas minha mãe não amava a gente só. Minha mãe amava gente. Era uma mulher que ensinou a amar e foi muito amada. Hoje foi um dia de celebrá-la. Ela segue muito viva dentro da gente. Diariamente, vamos viver esse amor que a gente aprendeu com ela, sentiu lá em casa, todo mundo junto.

Maria Clara se despede da mãe, Isabel Salgado — Foto: Marcelo Barone

Maria Clara se despede da mãe, Isabel Salgado — Foto: Marcelo Barone

Maria Clara também falou do adeus inesperado à mãe. Para a filha, ainda não era a hora de Isabel se despedir. Mas disse ter a certeza da intensidade com a qual a mãe viveu.

– Queria agradecer a ela por tudo o que ela fez. Vai descansar em paz agora. Não era a hora dela ainda, com certeza. Ela viveu só 62 anos, mas viveu intensamente como poucas pessoas viveram – disse.

Família e amigos dão adeus a Isabel Salgado — Foto: Marcelo Barone

Família e amigos dão adeus a Isabel Salgado — Foto: Marcelo Barone

No cortejo fúnebre, uma camisa azul do Brasil, usada por Isabel quando defendia a seleção, foi colocada sobre o caixão. A ex-jogadora foi acompanhada por amigos e familiares rumo à cremação. No caminho, as dezenas de pessoas que acompanharam o cortejo cantaram músicas de Tim Maia no último adeus a Isabel.

– Minha mãe não guardava nada. A gente aprendeu isso e também não guarda. Ela tinha dado essa camisa para a nossa babá. Ela veio hoje e trouxe a camisa. Ela voltou para gente hoje. Minha mãe sempre priorizou as relações. O fato da minha babá ter vindo hoje mostra isso – disse Maria Clara.

Familiares e amigos se despedem de Isabel Salgado ao som de Tim Maia em cortejo fúnebre

A filha de Isabel também falou sobre o destino das cinzas da ex-jogadora.

– Minha mãe é do mundo, da natureza.

Cortejo fúnebre de Isabel foi ao som de Tim Maia — Foto: Marcelo Barone

Cortejo fúnebre de Isabel foi ao som de Tim Maia — Foto: Marcelo Barone

Isabel Salgado, ícone do vôlei brasileiro e que morreu na madrugada de quarta-feira, foi velada e cremada nesta quarta-feira no Cemitério da Penitência, no Caju, zona portuária do Rio de Janeiro. A cerimônia, aberta ao público, teve início às 11h, já com um número grande de pessoas para se despedir da ex-jogadora. Depois, familiares e amigos mais íntimos acompanharam a cremação.

Filhos de Isabel, Pedro Solberg, Carol Solberg, Maria Clara, Pilar e Alison foram os primeiros a chegar. Nomes do esporte como Fabi, Jackie Silva, Virna, o comentarista Marco Freitas e o ex-judoca Flavio Canto, também foram ao local. Gustavo Kuerten, o Guga, mandou uma coroa de flores para homenagear Isabel. Outras personalidades, como a deputada Benedita da Silva e o ator Antônio Pitanga, também foram se despedir.

Dezenas de pessoas no velório de Isabel — Foto: Marcelo Barone

Dezenas de pessoas no velório de Isabel — Foto: Marcelo Barone

Uma das maiores referências do vôlei brasileiro, Maria Isabel Barroso Salgado, a Isabel, morreu na madrugada de quarta-feira no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. A ex-jogadora, que tinha 62 anos, deu entrada no hospital na terça-feira com pneumonia, gerada por infecção bacteriana, não resistiu e morreu.

Isabel Salgado é velada no Rio de Janeiro — Foto: Marcelo Barone

Isabel Salgado é velada no Rio de Janeiro — Foto: Marcelo Barone

Isabel disputou duas Olimpíadas (Moscou 1980 e Los Angeles 1984) no vôlei de quadra e depois, no início dos anos 1990, migrou para o vôlei de praia, em que foi uma das pioneiras mundiais da modalidade. Deixa cinco filhos e cinco netos. Na última segunda-feira, havia sido anunciada como integrante do grupo técnico de esportes para a transição de governo do presidente Lula, que assumirá o país em janeiro.

Ícone do vôlei, Isabel Salgado, morre aos 62 anos

Isabel fez parte da seleção feminina de vôlei que abriu as portas para a modalidade, nos anos 1980, ao lado de Vera Mossa e Jaqueline. Embora não tenha ganho medalha nas Olimpíadas que disputou, em Moscou 1980 e Los Angeles 1984, aquela equipe foi a primeira da história do país a disputar grandes competições. Foi medalhista de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 1979, em San Juan, Porto Rico. Foi, também, a primeira jogadora brasileira de vôlei a atuar numa liga estrangeira, na Itália, em 1980, no Modena, quando viajou para a Europa com sua filha Pilar, recém-nascida.

Em 2001, Isabel treina volei de praia com a filha em Ipanema

No início dos anos 1990, com a popularização do vôlei de praia, esporte viria a estrear no programa olímpico em Atlanta 1996, Isabel migrou de modalidade. Jogou diversas etapas do Circuito Mundial e brasileiro entre 1993 e 2001, inclusive com ouro na etapa de Miami, nos EUA, em 1994. Suas parceiras foram Roseli , Jerusa, Tatiana Minello e Jaqueline.

Em 1993, Isabel e Jaqueline encerram parceria no vôlei de praia

Em 1993, Isabel e Jaqueline encerram parceria no vôlei de praia

Três dos filhos de Isabel fizeram carreira vitoriosa no vôlei de praia. Pedro Solberg, que disputou as Olimpíadas da Rio 2016 e ficou em nono lugar, Maria Clara Solberg e Carol Solberg. Carol, ao lado da medalhista Bárbara Seixas, está entre as melhores do mundo atualmente. No último fim de semana, a dupla ficou com o bronze na etapa de Uberlândia do Circuito Mundial. Além deles, Isabel deixa Pilar e Alison, filho que adotou em 2015.

Jogadora oriunda das categorias de base do Flamengo, Isabel estreou pelo clube em 1973, quando tinha 13 anos. Três anos depois foi convocada para a seleção brasileira juvenil pela primeira vez, graças a titularidade que já tinha no time adulto do Flamengo. Em 1978 e 1980, foi campeã brasileira pela equipe rubro-negra.

Uma das cenas mais icônicas da carreira veio em 1982, em um torneio amistoso da seleção brasileira no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. O jogo era contra o Japão, tinha mais de 20 mil pessoas na arquibancada. O público estava sendo hostil com as nipônicas, que venciam o jogo. Isabel, então com 22 anos, pediu o microfone oficial do evento e fez um discurso forte, dizendo que se os torcedores não parassem de xingar as asiáticas, não teria mais jogo. A partida seguiu, o Brasil foi derrotado, mas o público se comportou.

Comentários

Cotidiano

Natural do Acre, goleiro Yago Darub é anunciado pelo ASA-AL

Publicado

em

O último clube de Yago Darub foi o Garibaldi do Rio Grande do Sul. Foto/Assecom Clube do Remo

MANOEL FAÇANHA

A diretoria do ASA acertou durante a semana a contratação do goleiro acreano Yago Rafael Valadares Darub, Yago Darub, 23 anos, 1,96 cm. O atleta nesta temporada chegou a vestir as camisas do Clube do Remo e Cianorte.

Com passagem pela base do Flamengo, onde chegou a conquistar um Copinha São Paulo de Futebol Júnior de 2018, Yago Darub estava na equipe do Garibaldi do Rio Grande do Sul, que disputava a segundinha gaúcha.

Yago Darub é uma jovem promessa como goleiro e teve toda sua base feita no Flamengo, onde conquistou vários títulos nas divisões inferiores. O goleiro também atuou pelo Red Bull Brasil, Remo e Cianorte.

ASA é o algoz do Rio Branco-AC

Nesta temporada, o Rio Branco-AC acabou eliminado da disputa do Campeonato Brasileiro da Série D pelo Asa Arapiraca-AL. O duelo foi disputado dia 14 de agosto, no estádio Municipal Coaracy da Mata Fonseca, em Arapiraca (AL), pelo confronto de volta das oitavas de final. A vaga do time acreano foi desperdiçada nas cobranças de pênaltis por 5 a 4, após novo empate sem gols contra os alagoanos. Diogo Vitor, Anderson Feijão, Thallyson, Zé Wilson e Didira marcaram os gols do ASA. O Rio Branco-AC fez com Ciel, Isaías, Negueba e Wanderson, mas desperdiçou uma cobrança com Ramon Santos.

Na temporada 2009, após um empate no jogo da volta por 2 a 2, em Rio Branco, precisamente no estádio Arena da Floresta, o ASA-AL conquistou o acesso a disputa do Campeonato Brasileiro da Série B 2010.

FÍCHA TÉCNICA

Nome: Yago Rafael Valadares Darub

Posição: goleiro

Idade: 23 anos

Naturalidade: Rio Branco-AC

Últimos clubes: Flamengo (sub-20), Red Bull, Cianorte, Remo e Garibaldi

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Com grande atuação de Dumfries, Holanda bate Estados Unidos e avança na Copa

Publicado

em

OGol

Depois de oito anos, a Holanda está de volta as quartas de final de uma Copa do Mundo. A vitória por 3 a 1 sobre os Estados Unidos, com gols de Depay, Blind e Dumfries carimbou o passaporte holandês para a próxima fase. Para os Estados Unidos, fica o gosto amargo da eliminação. Os norte-americanos não fizeram uma partida ruim, mas não foi o suficiente para avançar de fase.

Agora, a Holanda espera seu adversário, que sai do confronto entre Argentina e Austrália. O duelo está marcado para a próxima sexta-feira, 9 de dezembro, às 16h.

Holanda é mais eficiente e sai com vantagem confortável

O jogo começou com uma pressão forte dos Estados Unidos no campo de ataque. O time de Gregg Belharter sufocou a Seleção Holandesa e quase abriu o placar com apenas três minutos. Pulisic recebeu sozinho nas costas da defesa e saiu na cara do gol. De pé direito, ele buscou o cantinho, mas Noppert se esticou e defendeu com os pés.

A Holanda parecia perdida em no início da partida, mas aos dez minutos, conseguiu trocar passes pela primeira vez. De Jong iniciou a jogada na própria área, e os holandeses tocaram de pé em pé até o ataque. Assim, Dumfries recebeu pela direita e cruzou na medida para Depay. De primeira, o camisa 10 holandês bateu firme, sem chances para o goleiro e abriu o placar. Golaço, no melhor estilo do futebol total.

Depois de abrir o placar, a Holanda teve mais tranquilidade. Além de conseguir quebrar o ímpeto dos norte-americanos no ataque, os holandeses conseguiram adiantar suas linhas de marcação e se organizar defensivamente. Assim, o primeiro tempo tempo teve um ritmo lento, de poucas oportunidades no ataque.

No fim,  Weah aproveitou o rebote da defesa holandesa e mandou uma bomba de fora da área, mas Noppert fez boa defesa e salvou a Holanda. Minutos depois, os holandeses responderam. Em jogada idêntica ao primeiro gol, Dumfires cruzou rasteiro da direita, e dessa vez, Blind apareceu livre para completar para o gol. 2 a 0 Holanda e fim de primeiro tempo.

Holandeses levam susto, mas garantem a vitória

Os primeiros minutos do jogo foram de ótimas chances para os dois lados. Primeiro, os Estados Unidos tiveram um escanteio, e na sobra, Ream desviou para o gol sem marcação, mas Gakpo salvou em cima da linha. Na sequência, Dumfries quase deu sua terceira assistência no jogo. O lateral cruzou rasteiro e Depay bateu de primeira, para a ótima defesa de Turner.

Aos 15, Turner evitou o terceiro gol da Holanda mais uma vez. Gakpo tocou para Depay, que de primeira, bateu bonito da entrada da área. O goleiro norte-americano se esticou e fez uma grande defesa.

Pouco depois, Turner fez mais duas defesas valiosas que evitaram o terceiro gol da Holanda. Na sequência, os Estados Unidos foram para o ataque. Pulisic recebeu pela direita e cruzou rasteiro na área. Wright, que tinha entrado há pouco tempo, desviou com o pé direito. A bola pegou um efeito estranho e só morreu no fundo do gol.

O princípio de reação dos Estados Unidos durou pouco. Blind cruzou na área e Dumfries apareceu livre nas costas da defesa norte-americana. De primeira, o lateral conseguiu uma bela finalização de pé esquerdo e deu números finais ao jogo: 3 a 1 Holanda e vaga garantida nas quartas de final.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Argentina sofre no final, mas elimina Austrália e garante vaga nas quartas

Publicado

em

OGol

Com um sofrimento maior do que o esperado, a Argentina venceu a Austrália por 2 a 1 e se garantiu nas quartas de final da Copa do Mundo. Na primeira etapa, Messi achou um belo gol e no segundo tempo, contou com uma falha bizarra do goleiro australiano para marcar com Álvarez.

O próximo jogo dos Hermanos já tem data e hora marcada. Na próxima sexta-feira, 9 de novembro, a Argentina enfrenta a Holanda, às 16h. Os dois times já protagonizaram outros duelos históricos na Copa e a expectativa é grande.

Simplesmente Messi

A proposta de jogo da Austrália ficou clara desde o primeiro minuto de jogo. Um time muito fechado, compacto e que buscava um jogo físico. Nos primeiros minutos de jogo, os australianos fizeram algumas faltas duras para frear as jogadas de ataque argentinas. Nesse cenário, Messi e seus companheiros de ataque tocavam pouco na bola e a Argentina não levava perigo ao gol australiano.

Se já não bastasse a falta de criatividade no ataque, a Argentina permitiu algumas investidas da Austrália no ataque. A chance mais perigosa veio em uma cabeçada de Souttar. A bola ficou viva na área e De Paul afastou de qualquer jeito.

O jogo era complicado, e a Seleção Argentina mostrava pouca inspiração em campo. Até que, em uma jogada inusitada após cobrança de falta, Otamendi recebeu na área e ajeitou para Messi. O camisa 10 puxou para a perna esquerda, e bateu bonito para vencer o goleiro australiano. 1 a 0 Argentina, com Messi chamando a responsabilidade mais uma vez e marcando em sua milésima partida na carreira.

Nos minutos finais da primeira etapa, nenhuma das seleções conseguiu chegar com perigo ao ataque e o placar não se alterou. Intervalo e vitória parcial da Argentina por 1 a 0.

Vitória confirmada com ajuda australiana e um pouco de sofrimento

A Argentina entrou em campo mais leve na segunda etapa. O time tirou um peso enorme das costas com o gol marcado por Messi e se movimentava muito no campo de ataque. Mas, o segundo gol não veio em uma jogada trabalhada. Matt Ryan, goleiro da Austrália, recebeu bola recuada, vacilou e foi desarmado por Julián Álvarez. Com tranquilidade, o atacante argentino deu um leve toque de pé direito e ampliou a vantagem.

Pouco depois do segundo, Messi passou perto de marcar mais um gol genial em sua carreira. Com uma arrancada espetacular pelo meio, o camisa 10 passou fácil pela marcação e deu até caneta, mas foi parado no momento da finalização pelo zaga australiana.

A Austrália parecia muito longe de uma reação, mas achou um gol improvável aos 31. Otamendi afastou bola da área e Goodwin chegou batendo de muito longe. A bola desviou em Enzo Fernández, matou o goleiro e só morreu no fundo do gol. Sobrevida para os australianos na parte final do jogo.

Logo depois do gol, Behic quase empatou para a Austrália com um golaço. O atacante australiano fez fila na defesa argentina, mas foi travado na hora do chute por Otamendi. Na sequência, o zagueiro Rowles arriscou de fora da área e a bola passou com muito perigo.

Nos minutos finais do jogo, a Argentina teve duas chance de matar o jogo com Lautaro Martínez. Nas duas, Messi fez toda a jogada e deixou Lautaro na cara do gol. Na primeira, ele mandou longe e na segunda, chutou em cima do goleiro. As chances perdidas quase custaram caro. No último minuto do jogo, Kuol recebeu cruzamento na área e finalizou sem marcação. Martínez fez milagre e salvou a Argentina da prorrogação. Vitória no sufoco, e vaga garantida nas quartas de final.

Comentários

Continue lendo

Em alta