Incêndio ocorreu na noite de sábado (29), no Bairro Quinze, em Rio Branco.
Bombeiros levaram 40 minutos para controlar as chamas.

G1

Incêndio destruiu 21 ônibus na noite de sábado (29) em depósito do Bairro Quinze (Foto: Arquivo Pessoal)
Incêndio destruiu 21 ônibus na noite de sábado (29) em depósito do Bairro Quinze (Foto: Arquivo Pessoal)

Vinte e um ônibus abandonados foram incendiados na noite deste sábado (29), no Bairro Quinze, em Rio Branco. Segundo informações do Corpo de Bombeiros do Acre, moradores perceberam as chamas e acionaram os bombeiros. Ao todo, quatro batalhões com seis viaturas, sendo duas de salvamento, e 28 homens participaram da ação. Segundo o capitão dos bombeiros Cláudio Falcão, as causas do incêndio ainda são desconhecidas. O fogo levou aproximadamente 40 minutos para ser controlado.

“O fogo começou por volta das 19h30. O 2º Batalhão, que fica mais próximo, foi o primeiro a chegar. Do início ao final, nós levamos em torno de uma hora e meia para finalizar a ocorrência, mas o controle se deu em 40 minutos e depois foi só a parte de finalização”, explicou Falcão.

Ainda segundo o capitão, no local havia aproximadamente 40 ônibus e, destes, 21 ficaram destruídos. Ele explica ainda que as chamas quase atingiram uma igreja que fica próxima ao depósito.

“Tem uma igreja ao lado do local que ficou com as paredes bem quentes por conta da proximidade. Porém, nós contivemos as chamas e não deixamos se propagar. Confinamos as chamas dentro do local onde iniciou o incêndio”, relata.

IMG-20150829-WA0197

O capitão informou ainda que as causas do incêndio ainda são desconhecidas. “Nossa perícia foi iniciada ontem mesmo após o fogo ter sido controlado e agora pela manhã a corporação continua realizando os trabalhos no local. Ainda estão em avaliação, mas há uma desconfiança de que tenha sido criminoso. Não existiam praticamente parte elétrica no local e isso leva a acreditar que mais uma vez tenha sido criminoso”, finaliza.

O diretor geral da Agência Reguladora dos Serviços Públicos do Acre (Ageac), Vanderlei Valente, disse que o dono das sucatas incendiadas ainda é desconhecido e que a Ageac deve aguardar o laudo dos bombeiros para procurar o proprietário.

Comentários