fbpx
Conecte-se conosco

Geral

Homem em situação de rua ‘tem afundamento de crânio após ser atacado da Capital do Acre

Publicado

em

Lamentavelmente, é relatado de um ato de violência terrível contra um morador em situação de rua, Adonis Ricardo Nunes Rocha, em Rio Branco, capital do Acre. Ele foi agredido enquanto dormia em um quiosque, sofrendo golpes de ripa na cabeça que resultaram em um afundamento craniano. Aqui estão alguns pontos-chave sobre o incidente:

1. Vítima e Localização: Adonis Ricardo Nunes Rocha, 28 anos, era um morador em situação de rua. O ataque ocorreu em um quiosque localizado no Parque da Maternidade, bairro Abraão Alab, em Rio Branco.

2. Circunstâncias do Ataque: Segundo informações da polícia, Adonis estava dormindo quando foi atacado por várias pessoas desconhecidas com golpes de ripas na cabeça. O motivo para o ataque não é especificado, mas menciona que Adonis seria supostamente usuário de álcool e drogas.

3. Gravidade dos Ferimentos: As pancadas foram tão violentas que resultaram em um afundamento do lado direito da cabeça de Adonis.

4. Socorro Médico: Após o ataque, Adonis correu até um posto de combustível nas proximidades em busca de ajuda. Os frentistas acionaram a polícia e uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi enviada para prestar os primeiros atendimentos. Adonis foi estabilizado clinicamente e encaminhado ao pronto-socorro de Rio Branco, onde seu estado de saúde foi descrito como estável.

5. Busca pelos Criminosos: A polícia militar esteve no local, coletou informações e realizou patrulhamento na região para tentar identificar os criminosos que agrediram Adonis com ripas, mas até o momento da notícia, ninguém foi encontrado.

6. Investigação: O caso será inicialmente investigado pela Equipe de Pronto Emprego (EPE) da Polícia Civil e, posteriormente, ficará sob a responsabilidade da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Comentários

Continue lendo

Geral

Isan Rezende entrevista Emílio Mouchrek, presidente da SMEA e do Conselho Técnico-Científico da Avimig

Publicado

em

Por

No podcast Pensar Agro desta semana, apresentado por Isan Rezende,  o entrevistado é o e engenheiro agrônomo e mestre em Zootecnia Emílio Mouchrek, presidente da Sociedade Mineira dos Engenheiros Agrônomos (SMEA) e do Conselho Técnico-Científico e Ambiental da Associação dos Avicultores de Minas Gerais (AVIMIG).

Com larga experiência na área, Mouchrek traça um panorama realista do mercado de trabalho para os agrônomos, destacando os desafios impostos pela desatualização da grade curricular dos cursos de graduação em Agronomia, que, em muitos casos, não acompanha o ritmo acelerado dos avanços científicos e tecnológicos. Essa defasagem, segundo o especialista, pode gerar lacunas na formação dos profissionais, dificultando sua inserção no mercado de trabalho e sua competitividade em um cenário cada vez mais exigente.

O debate se estende às novas profissões que surgem no âmbito das ciências agronômicas, como o agrônomo gestor, o agrônomo ambiental e o agrônomo de precisão. Mouchrek reconhece a importância e a legitimidade dessas áreas de atuação, mas ressalta que elas não eliminam as funções basilares do Engenheiro Agrônomo, que continua sendo peça fundamental para o bom funcionamento do agronegócio.

“Não vejo as novas profissões como uma ameaça à profissão de Engenheiro Agrônomo. Pelo contrário, acredito que elas complementam e enriquecem a nossa área de atuação”, afirma Mouchrek. “O importante é que cada profissional atue dentro de suas competências e atribuições, contribuindo para o desenvolvimento sustentável da agricultura brasileira.”

Na entrevista, Mouchrek também destaca o papel da SMEA e da Avimig na defesa dos direitos e interesses dos engenheiros agrônomos, na promoção da atualização profissional contínua e na busca por soluções para os desafios do setor. As entidades, segundo ele, trabalham em conjunto para fortalecer a profissão e garantir que os Engenheiros Agrônomos estejam preparados para os desafios do futuro.

Assista clicando aqui

Fonte: Pensar Agro

Comentários

Continue lendo

Geral

Na tranca: “Chacina do Taquari”: Justiça mantém prisão apreentiva de cinco réus 

Publicado

em

Os réus José Weverton Nascimento Rosa, O Raridade, Davidesson da Silva Oliveira,  o Escopetinha, Ronivaldo da Silva Gomes, o Roni, Denilson Araújo da Silva, o Jabá e Tony da Cosa Matos, O Barroca, denunciados pela “Chacina do Taquari”, tiveram as prisões preventivas mantidas.

A decisão foi tomada nesta segunda-feira,22,  pelo Juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri.

A reavaliar as prisões dos denunciados, o magistrado escreveu que a garantia da ordem pública ainda permanece e que a medida é necessária para assegurar aplicação da lei penal.

Para o magistrado a liberação dos réus, colocaria em risco a apuração dos fatos,  que o processo ainda encontra-se em instrução, pendente a maior parte da produção de provas.

Ainda na decisão, o magistrado disse, que a prisão do grupo, será reavaliada em 90 dias.

A chacina do Taquari, que deixou seis mortos, ocorreu em novembro do ano passado.

Na troca de tiros, ocorrida no interior de uma  casa, no Bairro Taquari,  morreram Adegilson Ferreira da Silva, Valdei das Graças Batista, que faziam parte do Bonde dos 13,  e Luan Santos de Oliveira, Tailãn Dias da Silva, Sebastião Ytalo Nascimento e Tiago Rodrigues da Silva, que integravam o comando vermelho.

A investigação da Delegacia de Homicídios, apurou que a finalidade da ação criminosa, era executar Adegilson Ferreira da Silva, apontado como uma liderança  do Bonde dos 13, na região, mas ele teria suspeitado da ação criminosa e levou segurança.

Na intensa troca de tiros seis suspeitos de crime acabaram mortos.  Um sétimo envolvido ficou ferido.

A Polícia Civil não descarta nova prisões.

Comentários

Continue lendo

Geral

Em casa: Motorista de caminhão de coleta de lixo é liberada após pagar fiança

Publicado

em

O motorista Josiel da Silva Muniz foi indiciado pelos crimes de embriaguez ao volante e lesão corporal.

Ele, era o condutor do caminhão que tombou na tarde do último sábado, 20, em uma curva no Bairro Joafra, em Rio Branco.

O delegado plantonista da DEFLA, estabeleceu uma fiança ao condutor do veículo, já que a somatória das pernas máximas dos dois crimes atribuídos não ultrapassa quatro anos.

Josiel da Silva pagou fiança no valor de R$ 1 400 e, após o interrogatório foi liberado.

Em audiência de custódia, a Juíza Ana Paula Sabóya, homologou o procedimento policial, mas entendeu que era possível fazer a conversão do flagrante em prisão preventiva.

A juíza relatou ainda na decisão, que não encontrou nenhuma irregularidade no procedimento de flagrante.

Josiel da Silva Muniz, era motorista deste caminhão que tombou na tarde do último sábado, 20, no Bairro Custódio Freire.

Um câmera de monitoramento registrou o exato momento do acidente. Dois garis ficaram feridos. Um deles, foi arremissado pelo para-brisas do veículo.

Comentários

Continue lendo