O Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM) enviou uma nota ao governador Gladson Cameli para cobrar medidas mais rígidas para garantir o isolamento social no estado. A preocupação do Conselho é com o crescente número de casos registrados no estado.

De acordo com o boletim epidemiológico mais recente da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), divulgado nessa sexta-feira (3), o Acre tem 46 casos confirmados da doença. A maioria dos infectados está em Rio Branco, 36 pessoas.

Além disso, o CRM detalhe que as regras de isolamento não são cumpridas pela população, o que ajuda o vírus a se espalhar e mais pessoas podem ficar doentes.

Ao G1, o governo do Acre disse que não ainda não teveconhecimento do documento, mas que deve se posicionar sobre o pedido ainda neste sábado (4).

A segunda cidade acreana com o maior número de infectados é Acrelândia, com nove. Com uma população de 15 mil habitantes, o CRM destaca no documento que a incidência de casos na cidade é cinco vezes maior que na capital acreana.

“Se o número de casos da doença crescer de modo desordenadamente elevado no nosso estado, é alto o risco do sistema de saúde público e privado não ter condições de atender a toda a demanda, apesar de todos os esforços da Secretaria de Saúde e demais órgãos e entidades para aumentar a capacidade de atendimento”, frisa.

Ainda na carta, o Conselho afirma que, apesar dos esforços de manter as pessoas em casa, ainda é possível encontrar aglomeração em lugares públicos e circulação de pessoas em ruas de Rio Branco e demais cidades.

“Nota-se também trânsito constante de veículos, muito acima do esperado para um período de quarentena. Ocorre grande movimento e aglomeração também nos locais que foram considerados essenciais e mantêm-se em funcionamento”, diz o documento.

O órgão pede ainda que o governo do estado tome medidas para evitar as aglomerações e circulação de pessoas. O pedido inclui ainda reduzir o número de pessoas e ações mais precisas de higienização nos locais considerados essenciais.

O CRM relembra que o isolamento social é a principal arma contra a doença. Diz também que a carta é “baseada nas melhores evidências científicas, que apontam a necessidade de redução drástica do contato social a fim de diminuir o crescente número de casos de Covid-19”.

Comentários