Inquérito policial foi aberto para apurar caso, segundo a Secretaria de Segurança do Amazonas.

Informação foi confirmada em nota pela SSP-AM — Foto: Carolina Diniz/G1 AM

Um auxiliar de necropsia do Instituto Médico Legal de Manaus foi demitido e é investigado por suspeita de usar o cadáver de uma mulher como objeto sexual.

Em nota, a Secretaria de Segurança do Amazonas (SSP-AM) afirma que o homem foi encontrado por outros funcionários “arrumando as calças enquanto descia subitamente de uma mesa de necropsia onde havia um cadáver”.

O Departamento de Polícia Técnico-Científica do Amazonas (DPTC) pediu abertura de um inquérito policial para investigar denúncias da prática de necrofilia pelo auxiliar de necropsia. O caso está sendo investigado pelo 27º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

O caso aconteceu no dia 24 de novembro. No dia anterior, um auxiliar administrativo também foi demitido por “faltas funcionais graves praticadas durante o plantão”, de acordo com o Departamento de Polícia Técnico-Científica do Amazonas (DPTC). Ele e o suspeito de necrofilia, segundo relato de outros funcionários, deixaram o expediente para assistir ao jogo final da Copa Libertadores e retornaram ao trabalho sob o efeito de álcool.

O caso foi comunicado à direção do Departamento de Polícia Técnico e Científica (DPTC) que na mesma noite, demitiu Wanderley e um mais um outro funcionário que estava no local. De acordo com a investigação, os dois estariam embriagados e cometeram “faltas funcionais graves”, segundo nota divulgada pela Secretaria de Segurança Pública.

Servidores do instituto que preferiram não se identificar disseram que, no dia do ato, os dois funcionários saíram para comemorar a vitória do Flamengo sobre o River Plate por 2 a 1, na final da Libertadores, e voltaram bêbados ao IML.

Fachada do Instituto Médico Legal (IML) de Manaus (Imagem: Neto Silva)

De acordo com informações da advogada e professora de direito Penélope Antony ter relações sexuais com cadáver configura crime de vilipêndio a cadáver, com pena de um a três anos de prisão e multa. “Vilipêndio a cadáver é justamente quando a pessoa desonra, desrespeita, humilha, pratica ato sexual e ofende o cadáver”, explicou Penélope.

Um inquérito policial sobre o caso foi instaurado para investigar denúncias de prática de necrofilia por Wanderley no IML. O diretor do DPTC foi procurado para falar sobre o caso, mas não foi possível encontrá-lo.

Em nota, a SSP-AM afirma que o caso está em investigação pela Polícia Civil e o suspeito não faz mais parte dos quadros funcionais do IML.

Confira a nota na íntegra:

O Departamento de Polícia Técnico-Científica do Amazonas (DPTC) informa que pediu abertura de um inquérito policial para investigar denúncias de prática de necrofilia por um auxiliar de necropsia do órgão. O caso está sendo investigado pelo 27º DIP.

O auxiliar de necropsia foi demitido juntamente com um auxiliar administrativo por faltas funcionais graves praticadas durante o plantão do dia 23 de novembro, em que ambos deixaram o expediente para assistir ao jogo final da Copa Libertadores e retornaram embriagados, segundo relatos de outros profissionais do plantão.

Outro fato grave denunciado por profissionais do plantão diz respeito ao auxiliar de necropsia. Segundo os relatos, ele foi flagrado em situação suspeita na sala de necropsia, na madrugada do domingo 24 de novembro. Assim que adentraram no recinto, encontraram-no arrumando as calças enquanto descia subitamente de uma mesa de necropsia onde havia um cadáver do sexo feminino.

O caso está em investigação pela Polícia Civil e o suspeito não faz mais parte dos quadros funcionais do IML. Seguindo determinações da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), o DPTC tomou todas as medidas cabíveis para o esclarecimento célere das denúncias.

Comentários