O grupo se espalhou muito rapidamente nos últimos meses. De acordo com investigações da direção do presídio, a facção é mantida com a contribuição mensal de R$ 100, depositada por cada membro.

Assem Neto, da ContilNet Notícias

Francisco das Chagas, um dos chefes do Bonde dos 13, é considerado disciplinado e discreto/Foto: Cedida
Francisco das Chagas, um dos chefes do Bonde dos 13, é considerado disciplinado e discreto/Foto: Cedida

Em revista às celas do Presídio Antônio Amaro, agentes penitenciários encontraram novos trechos do Estatuto do Bonde dos 13″, facção composta por ex-traficantes, comandada de dentro da unidade por ligações de celular para celular, sem controle da Segurança Pública. O documento, manuscrito em folha de caderno, estava numa cela não revelada. A reportagem de ContilNet teve acesso ao papel em que o Bonde dos 13 reverencia o Primeiro Comando da Capital (PCC) e assume ter sido criado para reforçar o poder econômico de traficantes, eliminar inimigos, aumentar o poderio de armas no confronto contra as polícias e garantir a “ética do crime”.

O Presídio Antônio Amaro é, segundo o Governo do Acre, “uma unidade de segurança máxima. Porém, contrariando o discurso oficial de “ordem e tranquilidade” dentro do presídio, nossos repórteres identificaram problemas gravíssimos na casa de detenção onde estão ao menos quatro líderes da facção.

O detector de metais está quebrado, e não funciona, há pelo menos 3 anos. Em torno de 100 aparelhos de celular são encontrados por mês nas celas. Por causa de uma lei federal, a vistoria aos visitantes foi limitada. Mulheres e homens não podem mais tirar as roupas e fazer o gesto de agachamento, afim de identificar drogas transportadas nas partes íntimas. “Hoje, nós usamos a raquete ligada a bateria, que não acusa objetos proibidos com a eficiência de que precisamos. A entrada de entorpecentes e celulares aqui está fora de controle e a situação piorou muito”, diz um agente que a reportagem não vai identificar.

Agente encontra vestígios de como a facção criminosa estar bem viva no Acre
Agente encontra vestígios de como a facção criminosa estar bem viva no Acre

Um dos principais chefes do Bonde dos 13, Francisco das Chagas Silva, traficante sentenciado, é considerado disciplinado, discreto, porém temido e de altíssimo poder de influência entre os integrantes da facção fora da penal. O grupo se espalhou muito rapidamente nos últimos meses. De acordo com investigações da direção do presídio, a facção é mantida com a contribuição mensal de R$ 100, depositada por cada membro. Quem deixa de contribuir é “excluído”. Cada líder está responsável por criar grupos de criminosos que ainda não foram presos ou já deixaram o presídio após serem libertados por ordem judicial. Esses subordinados, também conhecidos como “soldados”, praticam assaltos, sequestros e homicídios, em atos de vingança aos “caguetas” e com fins de arrecadar dinheiro e armas. As vítimas também incluem cidadãos inocentes.

“Todos devem respeito e lealdade ao PCC”, diz o estatuto do Bonde dos 13. “Somos uma organização criminosa contra a opressão e a injustiça (?)”. Todo intregrante do grupo é obrigado a manter sintonia em “suas quebradas” com outros “associados”. Acomodação, fraqueza e traição são punidas com a execução, determinada pelos líderes da facção.

Comentários