fbpx
Conecte-se conosco

Geral

URGENTE: além da dengue, dois novos vírus circulam por cidades do Acre com casos identificados

Publicado

em

Os profissionais da saúde, entretanto, orientam que a população não precisa entrar em pânico

Exames realizados no Laboratório Central (Lacen), em Rio Branco, confirmaram casos de Mayaro e Oropouche em pelo menos sete municípios Acreanos. De acordo com especialistas, ambas as doenças apresentam sintomas bem parecidos com Dengue, Zika e Chikungunya.

Os casos vieram à tona justamente porque os moradores procuraram a saúde pública apresentando vários sintomas e todas as testagens para dengue deram negativo. A partir daí, foram feitos os exames para Mayaro e Oropouche e veio a confirmação.

Os profissionais da saúde, entretanto, orientam que a população não precisa entrar em pânico, visto que, esses vírus circulam na região Amazônica com certa frequência. Porém, não existem kits comerciais para a realização de exames de rotina.

CASOS CONFIRMADOS NAS SEGUINTES CIDADES:

Oropouche: Acrelândia, Brasileia, Manoel Urbano, Porto Acre e Rio Branco

Mayaro: Cruzeiro do Sul e Rio Branco

O que é febre oropouche?

A febre oropouche é uma doença infecciosa aguda e é causada pelo vírus de mesmo nome. Além disso, a doença é causada  por um arbovírus. 

Quais são as causas da febre oropouche?

A febre oropouche ocorre em dois ciclos, o silvestre e o urbano. 

No ciclo silvestre, geralmente, costuma infectar macacos e bichos-preguiça, além de aves silvestres.

Seus transmissores na natureza são os mosquitos como Aedes serratus (Pará) e Coquillettidia venezuelensis (Trinidad).

No ciclo urbano, o único hospedeiro é o ser humano e ela normalmente é transmitida pelo Culicoides paraensis, também conhecido como borrachudo ou maruim.

Quais são os sintomas da febre oropouche ?

Os principais sintomas da febre oropouche são:

— febre;

– calafrios;

– dor de cabeça;

– dor nas articulações;

– náuseas. 

FEBRE DE MAYARO

O vírus Mayaro é transmitido por diferentes mosquitos – principalmente o Haemogogus – e causa principalmente febre e dores nas articulações, que podem persistir por meses. Ele já é considerado endêmico na região Amazônica, mas há indícios de que pode ter se espalhado para outros locais, como o estado do Rio de Janeiro.

Não há vacina que previna contra a chamada Febre do Mayaro. Por outro lado, é possível evitar a infecção e, se for o caso, controlar seus sintomas.

Sintomas:

-Febre

-Dores musculares

-Dores e inchaço nas articulações, que podem persistir por meses

-Manchas vermelhas pelo corpo

-Náuseas

Comentários

Geral

Defesa Civil desmente Friale e garante que águas do Alto Acre elevam o rio na Capital

Publicado

em

A afirmação do pesquisador Davi Friale, feita ao ac24horas na última terça-feira, 27, onde ele garante que as águas do rio no Alto Acre não influenciam nem elevam o nível do Rio Acre na capital acreana, foi rebatida pela Defesa Civil Municipal nesta quinta-feira (29).

O coordenador do órgão, Cláudio Falcão, disse que as águas que vêm Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri influenciam para aumentar a enchente na capital acreana.

“Tenho o maior respeito pelo Friale, mas é claro que há influência. O que pode acontecer é que há chance do rio em Rio Branco chegar a uma cota de transbordamento independente de lá, por causa do Riozinho do Rola. Mas, a partir do momento em que tem todo esse volume de água vindo dessa região, influencia sim”, diz Cláudio Falcão.

As declarações de Friale já haviam sido rebatidas nas redes sociais pelo biólogo Luiz Borges. Friale havia dito que o nível do rio começaria a baixar ontem (28), o que não aconteceu, uma vez que o rio continua enchendo em Rio Branco.

Veja o vídeo:


Comentários

Continue lendo

Geral

Polícia Federal faz operação contra tráfico de drogas em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Por Sandra Assunção

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 29, em Cruzeiro do Sul, a Operação Transfer, que busca desarticular organização criminosa voltada ao tráfico de drogas, além de outros crimes.

Foi dado cumprimento a um mandado de busca e apreensão na cidade, expedido pela Vara de Delitos de Organizações Criminosas da Comarca de Rio Branco.

Os investigados responderão pelos crimes de integrar organização criminosa, cuja pena é de reclusão de 3 a 8 anos, além de eventuais delitos relacionados, como o de tráfico de drogas e posse irregular de armas.

Comentários

Continue lendo

Geral

Em Tarauacá, governo do Acre entrega cestas básicas e kits de limpeza às vítimas da enchente

Publicado

em

O governador Gladson Cameli visitou a cidade na tarde desta quinta-feira para entregar cestas básicas e kits de limpeza. Foto: José Caminha/Secom

Com o nível do Rio Tarauacá em 10,78 metros, o governador Gladson Cameli visitou a cidade na tarde desta quinta-feira, 29, para entregar cestas básicas e kits de limpeza para os atingidos pela enchente dos rios Muru e Tarauacá. A ação faz parte de uma extensa agenda em que o governador está visitando os municípios impactados com a cheia dos rios.

Tarauacá foi a terceira cidade visitada por Cameli e sua equipe técnica no dia. Assim que chegou ao município, ele foi até a sede do Corpo de Bombeiros para entregar 300 cestas básicas e mais 150 kits de higiene para a prefeita de Tarauacá, Maria Lucinéia Menezes.

No aeroporto, o governador também falou dos suprimentos enviados para o Jordão com 100 cestas básicas e 50 kits de limpeza. Os mantimentos foram enviados por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH).

Mais uma vez o governador destacou que essa ajuda é uma questão humanitária e reforçou o compromisso em mobilizar todos os esforços para atender às demandas.

Os mantimentos foram enviados por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH). Foto: José Caminha/Secom

“Mobilizamos toda a estrutura do Estado para ajudar a prefeita para que a gente possa reduzir os impactos”, pontuou.

Na ocasião, o governador lembrou que todos os poderes, Executivo, Judiciário e Legislativo, têm se unido para atender à população da melhor forma, e isso tem feito a diferença para quem está precisando.

“O porto seguro da população é o governador, a prefeita, e cada um de nós que estamos à frente. Meu sonho é que um dia a população não precise sair de suas casas”, pontuou.

Na ocasião, o governador lembrou que todos os poderes, Executivo, Judiciário e Legislativo, têm se unido para atender à população. Foto: José Caminha/Secom

Com 23 mil pessoas atingidas e 253 desabrigadas, a prefeita destacou que o maior desafio, além do atendimento emergencial, é a conscientização das famílias, pois muitos não querem sair de casa.

“Hoje eu uso uma frase que diz que a Defesa Civil é todos nós, e temos que resgatar vidas. A minha preocupação é que a gente não perca ninguém, principalmente as crianças que ficam com os pais nessas casas e também os idosos”, destacou a prefeita.

Se dirigindo ao governador, Maria Lucineia agradeceu a ajuda: “Muita gratidão ao senhor, que sempre é muito sensível a essas causas”.

Aproveitando a fala, Cameli pediu que, quem puder, ajude nas campanhas do Estado por meio de PIX, e reforçou que é preciso ter cuidado redobrado nesse período, devido às doenças, como a dengue.

Se dirigindo ao governador, a prefeita Maria Lucineia agradeceu a ajuda. Foto: José Caminha/Secom

“Neste momento é pensar na segurança e sair de casa, caso seja necessário”, reforçou.

Atual Situação

Dados mais recentes levantados pela Defesa Civil municipal elencam o nível do rio com 10,78 metros, frente a uma cota de transbordamento de 9,50 metros. Com dois abrigos municipais, a prefeitura atende 253 pessoas na Escola Dr. Djalma da Cunha Batista e na Escola Cívico-Militar Plácido de Castro, além de mais de 2 mil pessoas desalojadas, as quais encontraram acolhimento em casas de parentes e amigos.

Com 75% da cidade atingida, os bairros Senador Pompeu, Triângulo, Cohab, Ipepaconha, Centro, Beco da Garagem e Luiz Madeiro são os mais críticos.

O governador finalizou agradecendo toda a equipe do Estado, que está divida nas áreas mais afetadas para coordenar as ações e agilizar os atendimentos:

“Sempre uso a palavra união, principalmente durante esses momentos de dificuldade, e, pensando nisso, o meu governo está empenhado em cuidar das pessoas atingidas pela enchente em todas as regionais do Estado, buscando fazer a diferença.”

Comentários

Continue lendo






Em alta