fbpx
Conecte-se conosco

Acre

Servidores terceirizados da Fundhacre denunciam atraso no pagamento do salário e benefícios

Publicado

em

Servidores da Empresa New Times afirmam que estão sem receber há dois meses o salário, e benefícios há quatro meses. Fundhacre diz que passou os valores aos representantes da empresa e não há débito vencido.

Servidore terceirizados da Fundhacre denunciam atraso no pagamento do salário e benefícios — Foto: Aline Nascimento/G1

Os servidores da Empresa New Times, que presta serviços para a Fundação Hospitalar do Acre (Fundhacre), denunciam atraso no pagamento do salário, dos benefícios, como auxílio-alimentação e adicional de insalubridade, e até o pagamento da primeira parcela do 13º.

g1 ouviu três servidores que afirmam que o salário está atrasado há dois meses, o auxílio-alimentação não é pago há quatro meses, também não foi paga a primeira parcela do 13º salário, que deveria ser depositada até dia 30 de novembro, o adicional de insalubridade está atrasada desde junho, vale transporte e o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) também não estão sendo depositados.

Cerca de 40 servidores, entre maqueiros, atendente de enfermagem, copeiros, serventes gerais e equipes da limpeza. Os denunciantes pediram para não ter os nomes divulgados com medo de represália.

“Não recebemos em outubro, nem em novembro e nem a parcela do 13º. Pessoal está se virando até onde dá. Chegamos no limite, maioria das pessoas paga aluguel. Ontem [segunda-feira,4] um funcionário só foi trabalhar porque estava com medo de perder o trabalho. Ele mora na Sobral, perto do Ceasa, e foi andando porque não tinha mais vale transporte. Eu moro de aluguel e estou há dois meses com o aluguel atrasado”, lamentou um maqueiro que não quis se identificar.

O servidor diz que a empresa não respondeu mais os funcionários. “Ela respondeu uma vez e falou que a Fundhacre não fez o repasse. Porém, somos sabedores que toda empresa terceirizada tem que ter uma caução para caso aconteça uma situação dessa. Mas, disse que não tem de onde extrair para pagar a gentre”, criticou.

A assessoria de comunicação da Fundhacre informou que a empresa recebe o dinheiro para pagar os funcionários todos os meses e nenhuma prestadora de serviço deixou de ser paga. Sobre os benefícios, a fundação destacou que não é ‘de competência da Fundhacre e sm da empresa. A Fundhacre paga o valor integral’.

A reportagem entrou em contato com a empresa e aguarda retorno.

Sem dinheiro para gasolina

 

Outro servidor que conversou com o g1 contou que já faltou quatro plantões por falta de dinheiro para o combustível da motocicleta. O maqueiro relatou que o dinheiro que tem está usando para comer com a mulher e o filho e avisou à empresa da situação.

“Não estou indo. Comuniquei que não ir porque não tenho condições de ir. Pessoal já falou que no próximo plantão não tem como ir sem dinheiro para ônibus, uber, moto. Não têm como se deslocar até lá. Minha mãe me ajuda, faço alguns ‘bicos'”, confessou.

O funcionário relembrou que as equipes têm contato com vários tipos de enfermidades na unidade de saúde e não ganham adicional de insalubridade. “É.”É um absurdo. Lidamos com pacientes com todos os tipos de doença, levamos eles para os exames. O Ministério do Trabalho foi fazer uma vistoria, não mostraram o laudo pra gente e nada de pagamento de insalubridade”, denunciou.

Ainda segundo outro maqueiro, a falta de resposta de um posicionamento da empresa deixa os servidores mais revoltados. “A gente manda mensagem no grupo da empresa, no privado e ninguém responde absolutamente nada. Chegaram a falar que esperavam o recurso da fundação, buscavam recursos próprios e depois disso não falaram mais. Não recebemos nada”, criticou.

Comentários

Acre

Em reunião com Ministros de Lula, prefeito Jerry solicita construção de moradias

Publicado

em

Nesta segunda-feira , 04, o prefeito de Assis Brasil, Jerry Correia, participou da agenda do governo federal no município de Brasiléia com os ministros da Integração e Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, e do Meio Ambiente, Mariana Silva, com a presença dos senadores Alan Rick e Sérgio Petecão, deputados federais e estaduais os prefeitos Bira Vasconcelos de Xapuri, Sérgio Lopes de Epitacilandia e Fernanda Hassem de Brasiléia.

Os ministros estiveram em Brasiléia para ver de perto a situação pós-cheia nos municípios da regional do Alto Acre, na oportunidade reuniram com os prefeitos para anunciar ações do governo federal para ajudar as cidades que foram inundadas. O Acre teve mais de 17 municípios atingidos pelas águas este ano.

O prefeito Jerry Correia agradeceu a presença dos ministros e pediu o empenho de todos para soluções a longo prazo. “Quero agradecer ao presidente Lula por meio do ministério pela agilidade na liberação de recursos para os municípios, ao governador Gladson Cameli, e pedir o empenho de todos para que possamos construir projetos habitacionais para atender a população”, disse.

A prefeita de Brasiléia, Fernanda Hassem, conduziu os ministros e autoridades na vistoria área as áreas atingidas pela cheia e pediu o empenho de todos no sentido de oferecer soluções a longo prazo para o problema das enchentes.

O ministro da Integração e Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, enfatizou que o governo federal está empenhado a prestar toda ajuda necessária aos municípios.

De seu lado, a ministra do Meio Ambiente, Mariana Silva, destacou o fenômeno das mudanças climáticas como fator determinante para as enchentes e disse que é preciso de projetos para reconstruir as cidades.

Comentários

Continue lendo

Acre

“Não dá para construir mais casas onde alaga. 40 foram levadas pelas águas”, se emociona Fernanda

Publicado

em

Prefeita Fernanda Hassem promete ação imediata após visita dos Ministros às áreas alagadas de Brasiléia

Em um discurso emocionado durante uma reunião entre autoridades na Sede do Senac, a prefeita Fernanda Hassem não hesitou em abordar a urgência da situação enfrentada por Brasiléia após a vistoria dos Ministros Waldez Goes (Integração) e Marina Silva (Meio Ambiente) às áreas alagadas, ocorrida nesta segunda-feira, 4.

“Não dá para construir mais casas onde alaga. Essa oportunidade é única, temos todos os poderes aqui. A prefeita não foge da responsabilidade, o governador também não. E com vocês ministros estão aqui vendo a situação de perto. Vamos trabalhar para mudarmos essa realidade a curto, médio e longo prazo”, enfatizou Hassem, determinada a encontrar soluções efetivas para a comunidade.

Hassem informou às autoridades presentes que pelo menos 40 casas foram levadas pelas águas, garantindo que “essas pessoas não ficarão desamparadas”. Comprometida com a resposta rápida e eficaz, a prefeita ressaltou a necessidade urgente de mudança.

O discurso impactante de Fernanda Hassem terminou em um momento de solidariedade, onde recebeu os abraços reconfortantes do governador Gladson Cameli e da Ministra Marina Silva, demonstrando a união de esforços para enfrentar os desafios que se apresentam.

Com o apoio das autoridades federais e estaduais, a prefeitura de Brasiléia se prepara para iniciar ações imediatas visando mitigar os impactos das enchentes e proporcionar segurança e assistência às famílias afetadas.

Comentários

Continue lendo

Acre

Brasiléia enfrenta cenário de devastação após alagação histórica

Publicado

em

No estado do Acre, a cidade de Brasiléia enfrenta uma situação de calamidade após ser atingida por mais uma alagação de proporção histórica. Ruas se transformaram em rios, casas, praças, escolas foram destruídas pelas águas e pontes na zona rural desabaram, deixando um rastro de destruição que abalou a comunidade local.

De acordo com a Defesa Civil municipal , cerca de 75% da cidade foi afetada pela enchente.

Milhares de famílias estão desabrigadas, incapazes de retornar às suas residências devido às condições precárias em que se encontram.

A situação também impactou severamente os comerciantes locais, que enfrentam prejuízos significativos devido à destruição de seus estabelecimentos.

A alagação do Rio Acre em Brasiléia afetou mais de 15 mil pessoas, destas mais de 1.500 estão em abrigos , sendo necessário mais de 6 mil refeições diária.

Brasiléia luta para se recuperar dos impactos dessa tragédia natural, é fundamental que o apoio continue chegando tanto do governo estadual quanto federal, visando à reconstrução e ao amparo das famílias afetadas por essa calamidade.

Para a prefeita Fernanda Hassem a situação é de um cenário de completa devastação. Fernanda destaca a urgência de apoios para a recuperação da cidade.

“É fundamental destacar que, diante dessa situação gravíssima, a prefeitura de Brasiléia enfrenta limitações para lidar com os estragos causados pela alagação. Por isso, é fundamental o apoio dos governos estadual e federal, bem como de outras instâncias, para que possamos agir de forma eficaz na reconstrução da cidade e na assistência às famílias atingidas. Sozinha, a prefeitura não pode fazer o suficiente para enfrentar essa crise. Precisamos unir esforços e recursos para garantir que Brasiléia se recupere e que as pessoas afetadas recebam o suporte necessário para reconstruir suas vidas.”, finalizou a prefeita.

Comentários

Continue lendo






Em alta