fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Praça dos Três Poderes passará por revitalização; edital é anunciado

Publicado

em

A Praça dos Três Poderes, um dos pontos turísticos mais conhecidos de Brasília, será restaurada. O Ministério da Cultura (MinC), por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), anunciou nesta segunda-feira (22) o edital de licitação para contratação do projeto.

Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), a praça abriga os edifícios-sedes dos Três Poderes da República: o Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo Federal; o palácio do Supremo Tribunal Federal (STF), sede da Corte máxima do Judiciário; e o palácio do Congresso Nacional, sede do Legislativo Federal.

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, destacou a importância do espaço que integra a estrutura central de Brasília, declarada Patrimônio Cultural da Humanidade em 1987, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

“Essa praça é um tesouro, é a mais importante do país e precisa [da restauração], porque ela tem várias coisas a serem reformadas, como a questão do piso, algumas áreas não alinhadas, a iluminação e outras necessidades de reformas. E a degradação, depois do 8 de janeiro [2023]”, lembrou Margareth Menezes, em referência ao ataque e invasão das sedes.

Sobre o 8 de janeiro, o presidente do Iphan, Leandro Grass, explicou que os vândalos que tentaram o golpe de Estado arrancaram pedras portuguesas do piso e as arremessaram contra os monumentos, placas do local e vidraças dos prédios públicos. Leandro Grass citou a retirada, em fevereiro deste ano, das grades que cercavam a praça, como um gesto de reaproximação e de volta à normalidade democrática.

“As grades também sinalizavam um pouco esse afastamento e trouxeram a necessidade de a gente fazer o movimento contrário. Com essa retirada, a gente quer o povo aqui. Então, restaurar a praça é também restaurar a autoestima do povo de Brasília, de todos os brasileiros e restauro do sentido daquele lugar, que tem que ser da ocupação cultural e da ocupação social”, ressalta Grass.

Restauração

O projeto de restauração vencedor do edital deverá incluir a recuperação de estruturas comprometidas; piso novo de pedras portuguesas; restauro das obras de arte desgastadas; recuperação do Museu da Cidade; reforma do Espaço Lúcio Costa; iluminação da praça e dos monumentos; acessibilidade para pessoas com deficiência e baixa mobilidade; drenagem para evitar poças d’água e infiltrações; instalação de câmeras de segurança e substituição de placas de sinalização.

Nesta primeira fase, o projeto deve custar R$ 993 mil e será financiado com recursos públicos do Novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Seleções, o programa de investimentos do governo federal. Outro valor para a realização da obra ainda será estipulado, a depender do projeto vencedor.

Os monumentos e obras de arte da Praça dos Três Poderes previstos para serem restaurados são: a obra Dois Candangos; a estátua A Justiça; o Pombal; o Museu da Cidade; o Espaço Lúcio Costa; o Marco Brasília; a escultura Cabeça do Presidente JK, em homenagem ao ex-presidente Juscelino Kubitschek (1902–1976); além das estátuas em bronze do construtor de Brasília, o engenheiro Israel Pinheiro; e do líder da Inconfidência Mineira Tiradentes.

O governo federal estima que o vencedor será conhecido até fevereiro de 2025. Após esta etapa, o governo do Distrito Federal, gestor do espaço público, poderá fazer a licitação para contratar a construtora. Ainda não há previsão de entrega da restauração completa, porque dependerá do cumprimento das etapas do projeto. De acordo com o Iphan, também não está definido se a Praça dos Três Poderes será integralmente fechada ao público no decorrer das obras.

O superintendente do Iphan no Distrito Federal, Thiago Pereira Perpetuo, explicou à Agência Brasil que o instituto fiscalizará a evolução e entrega total da obra, desde a escolha do projeto. “Somos os fiscais dessa entrega, do projeto em si. Nós iremos orientar a empresa exatamente para fazer aquilo que deve ser feito, para já garantir que seja um projeto adequado do ponto de vista de todas as normas, inclusive as do patrimônio mundial.”

Turismo

A necessidade de reformas da Praça dos Três Poderes e a falta de manutenção são apontadas como os principais problemas pelos turistas e ambulantes.

À Agência Brasil, o vendedor de miniaturas de edifícios e estátuas de Brasília e ímãs de geladeira há quase duas décadas, Antônio Monteiro, diz que o ponto turístico precisa ser mais cuidado. “A praça é muito bonita. Mas, precisamos de uma reforma, arrumar e evitar os carros aqui em cima, como os carros e ônibus da polícia do DF e dos militares. Nossa Brasília é muito bonita. Só falta cuidar um pouco mais dela.”

Vindo de Londrina (PR) para visitar um parente, o professor de inglês Johnny Esteves reclamou da sujeira no local. “É muito legal ver a arquitetura do [Oscar] Niemeyer de pertinho, é impactante. Mas, o restante deixa a desejar, em especial, a calçada e a limpeza”. Ao lado dele, a advogada Giovana Esteves diz ter a sensação que o espaço está abandonado. “Essa é a capital do país. A manutenção deveria ser rápida, breve, para não dar essa sensação de abandono. A estrutura como um todo é linda e a arquitetura, deslumbrante, mas a manutenção do dia a dia é o que daria mesmo a boa impressão.”

Em outra ponta da Praça dos Três Poderes, os visitantes de São Paulo também estavam decepcionados com alguns aspectos. “A praça é bonita, mas podia ficar ainda mais. Reparei, por exemplo, no piso que está bem largadinho, com remendos e mato”, contou o profissional autônomo David Cruz de Souza

Praça dos Três Poderes

Localizada no fim da Esplanada dos Ministérios, atrás do Congresso Nacional, a Praça dos Três Poderes foi idealizada pelo urbanista Lúcio Costa (1902-1988) e inaugurada em abril de 1960, junto com a capital federal. 

Com o piso de pedras portuguesas, a praça reúne as esculturas Os Candangos, considerada símbolo de Brasília; A Justiça, de Alfredo Ceschiatti, de granito que decora a frente ao STF; a Pira da Pátria e o Marco Brasília, pelo reconhecimento de Brasília como patrimônio mundial.

Na parte mais próxima ao Congresso Nacional, está o Museu Histórico de Brasília ou Museu da Cidade, com a escultura de pedra-sabão da cabeça de Juscelino Kubitschek. Do outro lado, a leste, fica o Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, um memorial cívico, em formato de pomba branca, destinado a homenagear heróis e heroínas nacionais.

A paisagem mais visível da praça é o Mastro da Bandeira, de 100 metros de altura, onde todo primeiro domingo de cada mês a bandeira é substituída em uma cerimônia.

A poucos metros do Palácio do STF, encontra-se ainda o Pombal, uma escultura em concreto de Niemeyer. No fundo da praça, a Casa de Chá, também projetada por Oscar Niemeyer e tombada pelo Iphan como patrimônio histórico, é, atualmente, usada como Centro de Atendimento ao Turista e fica semi enterrada na praça pública.

Outro lugar, o Espaço Lúcio Costa, aberto em 1992, está situado sob o piso da praça. No acervo, os visitantes podem ver uma maquete de Brasília, com 179 m², além de fotos históricas da época da construção e inauguração da cidade.

Mesmo o Espaço Oscar Niemeyer, localizado na parte posterior da Praça dos Três Poderes, no Bosque dos Constituintes, é considerado como parte da praça. Nesta edificação cilíndrica, com área de 433 m², podem ser vistos trabalhos (painéis, desenhos e fotos) que representam as obras do principal arquiteto da nova capital. O espaço não está contemplado no projeto de restauração.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo

Brasil

Sob o tema agronegócio, Lide Brasília volta à casa de Fernando Cavalcanti

Publicado

em

Por

Sob o tema agronegócio, Lide Brasília volta à casa de Fernando Cavalcanti
Pedro Reis

Sob o tema agronegócio, Lide Brasília volta à casa de Fernando Cavalcanti

Após uma edição no Royal Tulip, o principal encontro empresarial de Brasília retorna para a residência do já tradicional anfitrião Fernando Cavalcanti, vice-presidente do Nelson Wilians Group (NWGroup). A mansão imponente no Lago Sul foi palco de mais um Lide Brasília , presidido pelo empresário e ex-senador Paulo Octávio.

“As pessoas perguntam porque eu gosto de receber os eventos em casa. Eu digo que ela é a extensão das relações que costumo criar com as pessoas. Aqui eu recebo políticos, empresários e juízes, principalmente porque Brasília me abraçou e eu tenho que ser recíproco” , explicou Cavalcanti em conversa com o GPS.

Fernando também comentou sobre o Lide Nova York , que aconteceu neste mês na Brazil Week 2024 , semana destinada à discussão de temas relacionados ao futuro econômico e sustentável do país. “Conseguimos captar negócios não só para o NWGroup, mas também vislumbramos muitas oportunidades que, inclusive, serão inseridas aqui no Distrito Federal” , disse.

Apaixonado por carros, Fernando apresentou logo na entrada da casa seu mais novo xodó, a réplica de uma McLaren do piloto Ayrton Senna. A máquina é um trabalho quase artesanal do mecânico especialista em personalização e decoração automobilística Adhemar Cabral .

Adentrando na mansão, os convidados eram recebidos por Paulo Octávio, que cumprimentava um a um. Nesta edição do encontro, o empresário, que é presidente do Lide Brasília desde 2013, usou uma gravata verde. De acordo com ele: “Para representar o agronegócio” .

O início efetivo do evento foi marcado pela coletiva de imprensa do ministro Carlos Fávaro , que reforçou as ações realizadas pelo Governo nos primeiros 500 dias de mandato. “Ampliar os mercados foi a principal ação deste período, são 123 novos mercados abertos e aproximação com 51 países dos quais não tínhamos negociações anteriormente” , comentou.

Em seguida, os empresários, políticos e jornalistas se acomodaram às mesas e o almoço-debate começou. A entrada foi um mix de hortaliças, acompanhado de presunto de Parma e figos frescos. Enquanto isso, Champagne Veuve Clicquot era servido para os convidados.

Ao som das explicações sobre o potencial agropecuário da capital federal, as duas opções de prato principal foram entregues. Escalope de filet ao molho de vinho com sorrentino de limão siciliano ao pomodoro, além de atum selado em crosta de gergelim acompanhado de cuscuz de cogumelos compuseram as seleções gastronômicas. Nas taças, Châteauneuf-du-Pape era a alternativa de vinho tinto e Châteu Guiraud a de vinho branco.

Ao fim do almoço, quando o chocolatudo com calda de frutas vermelhas chegava às mesas, a rodada de considerações finais acontecia. Foi quando o representante do Governo do Distrito Federal no encontro – o secretário de Estado de Governo do Distrito Federal, José Humberto – afirmou: “Uma das melhores palestras que já vi no Lide” .

O último ato programado da cerimônia foi a entrega de garrafas de vinhos a algumas autoridades presentes, com destaque para o próprio palestrante. O rótulo em questão foi uma cortesia da Vinícola Brasília, reforçando um dos principais pontos de debate da tarde, que enfatizaram o potencial produtivo do DF.

Já em um momento de maior descontração, quando o networking ocorria entre os presentes, André Octávio Kubitschek, filho do empresário Paulo Octávio, presenteou o ministro Carlos Fávaro com um exemplar do livro “Por que Construí Brasília”, de Juscelino Kubitschek.

Como já é de costume, diversas autoridades passaram pelo Lide Brasília. Confira abaixo os cliques de Celso Junior:

José Rodrigues Neto, Jamal Bittar, Paulo Octávio e Edison Garcia

Gen. Eschiletti, Paulo Octávio e Valério Stumpf

Claudia Pereira e Rafael Badra

Paulo Octávio, Janine Brito e Rafael Bueno

Paulo Octávio e Rafael Bueno

André Octávio Kubitschek, Roberval Belenati e Fernando Queiroz

Paulo Octávio, Carlos Fávaro e André Kubitschek

Nadim Haddad e Edison Garcia

Carolina Araújo Mendes

Paulo Octávio, Carlos Fávaro e José Humberto

André Octávio Kubitschek e Renata Sanches

André Octávio Kubitschek e Weber Magalhães

Weber Magalhães, Paulo Octávio, Carlos Fávaro, Fernando Cavalcanti e André Octávio Kubitschek

Veja também as fotos de Rayra Paiva:

Rafael Badra e Marcella Athayde

Janete Brito e Janine Brito

Carlos Jacobino, Júlia Lucy e Luiz Afonso de Medeiros

Alan Soares, Sueli Rodrigues, Sandra Costa e Paulo Lopes

Pedro Pimenta da Veiga, Nathalia Pimenta da Veiga, Fernando Cavalcanti e Samuel Queiroz

Nadim Haddad

José Guilhermo Brenner

Alexandre Cenci, Fabrício Marchese, Renata Sanches, Alexandre Ahlerit e Marcos Dal Bello

Raquel Carvalho, Afonso Assad e Sandra Santos

Jonas Félix e Fernando Ribeiro

Fernando Cavalcanti, Wellington Luiz e Guilherme Machado

Nelsinho Trade e Roberval Belenati

Rafael Bueno e José Humberto

Cheila Wobido e Tainah Mello

Renata La Porta e Cristiane Hanashiro

Janete Brito e Janine Brito (2)

Barnardeth Martins e Melissa Barros

Luis Antônio Reis, Sergio Andrade e Josaphá Francisco

Eduardo Pereira e Luíza Rodrigues

Rafael Badra e Luis Antônio Reis

Pedro Ávila e Paulo Muniz

João Paulo Neves e Frederico Candian

Beatriz Montes, Juliana Pimentel e Chico Vigilante

Carlos Jacobino e Tarso Tassis

Sueli Rodrigues e João Paulo Neves

Jane Klebia e Roberta Macedo

Jonas Félix, Rodrigo Nogueira e Pedro Nogueira

Cristiano Araújo e Carol Mendes

Rodrigo Nogueira e Gen. Valério Stumpf

Adalberto Jr, Jamal Bittar, Raquel Carvalho, Afonso Assad e José Rodrigues Neto

Cláudio Magnavita e Rudolfo Lago

Valdeci Monteiro, Augusto Viana, João Teodoro, Carlos Fávaro, Paulo Octávio, José Humberto e Bia Kicis

Paulo Octávio e Carlos Fávaro (2)

LIDE-19

Fabrício Carata, Fábio de Carvalho, Antônio Matias, Fernando Brites e Luís Afonso Costa de Medeiros

Fernando Brites, Luiz Afonso de Medeiros e Marconi de Souza

Roberto Botelho e Tarso Tassis

Paulo Muniz e Avaldir Oliveira

Guilherme Dolabella, Caroline Borges e Marcella Athayde

Alexandre Cenci, Rafael Bueno, Fabrício Marchese e Ivan Engler

Mauro Heringer e Enrico Ribeiro

Valdeci Monteiro, João Teodoro e Augusto Viana

Edison Garcia, José Rodrigues Neto, Sebastião Abritta e Luciano Tonon

Caio Barbieri e Edison Garcia

Ediardo Martins (GAAS) e Fernando Pires (Assessoria Dep. Bia Kicis)

Gen. Eschiletti, Valério Stumpf e Fernando Queiroz

Dawson Oliveira, Cheila Girardello e Carlos Canedo (Dir. Sicredi Planalto Central)

Janete Brito, Cláudia Pereira e Janine Brito

André Kubitschek e Henrique Severien

The post Sob o tema agronegócio, Lide Brasília volta à casa de Fernando Cavalcanti first appeared on GPS Brasília – Portal de Notícias do DF .

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo

Brasil

MEC ofertará 80 mil bolsas a estudantes de cursos de licenciatura

Publicado

em

Por

MEC ofertará 80 mil bolsas a estudantes de cursos de licenciatura
Agência Brasil

MEC ofertará 80 mil bolsas a estudantes de cursos de licenciatura

O Ministério da Educação (MEC) vai ofertar 80.040 bolsas para estudantes de cursos de licenciatura de todo o país, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), autarquia vinculada à pasta. Lançado na terça-feira (28), o edital do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) prevê o investimento de R$ 1,8 bilhão no programa. Pelo edital, caberá às instituições de educação superior apresentarem, no período de 7 de junho a 25 de julho de 2024, os projetos de iniciação à docência.

Cada estudante de licenciatura participante do programa vai receber uma bolsa no valor de R$ 700, em até 60 mensalidades. Também recebem o benefício mensal os supervisores (R$ 1,1 mil) e os coordenadores de área (R$ 2 mil) e institucionais (R$ 2,1 mil).

Segundo o MEC, o objetivo é fortalecer a formação dos futuros professores da educação básica, ao inseri-los na realidade escolar durante o percurso formativo.

As bolsas serão destinadas para projetos nas áreas de alfabetização, artes, artes visuais, biologia, ciências agrárias, ciências naturais, ciências sociais, computação, dança, educação bilíngue de surdos, educação do campo, educação especial, educação física, educação indígena, educação quilombola, filosofia, física, geografia, história, letras espanhol, letras inglês, letras língua brasileira de sinais (libras), letras português, licenciaturas interdisciplinares, matemática, música, pedagogia, química e teatro.

A maior quantidade de bolsas será para a Região Nordeste, que ficará com 20.688. Em seguida, vêm o Sudeste, com 16.584; e o Sul, com 12.264. A Região Norte contará com 8.040 bolsas; e o Centro-Oeste, com 7.440.

O MEC informou ainda que, do total, 10.008 bolsas serão destinadas a subprojetos da área de alfabetização, enquanto 5.016 seguem para o Pibid Equidade, que reúne cursos de educação do campo, educação bilíngue de surdos, educação especial inclusiva, educação indígena e educação quilombola.

O procedimento de inscrição é feito pelo Sistema Integrado Capes (Sicapes). Os interessados em submeter propostas precisarão solicitar acesso ao sistema entre os dias 5 de junho e 5 de junho. A divulgação do resultado definitivo está prevista para 17 de setembro. As atividades devem ter início até 13 de dezembro. A vigência dos projetos selecionados é de dois anos, mas o período pode ser prorrogado de acordo com a avaliação da Capes.

The post MEC ofertará 80 mil bolsas a estudantes de cursos de licenciatura first appeared on GPS Brasília – Portal de Notícias do DF .

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo

Brasil

Governo federal comprará quase 2 mil imóveis para desabrigados no RS

Publicado

em

Por

O governo federal comprará imóveis para atender a pessoas desabrigadas pelas fortes chuvas que assolam o Rio Grande do Sul desde o fim de abril. O anúncio de pacote de ações sobre habitação foi feito pelo ministro da Casa Civil da Presidência da República, Rui Costa, nesta quarta-feira (29), em entrevista coletiva à imprensa, em Porto Alegre.

Em um primeiro momento, o governo pretende disponibilizar quase 2 mil casas às famílias gaúchas que estão sem moradia, estimou o ministro. Costa não estipulou prazo para entrega dessas moradias.

Uma das ações é a chamada compra assistida de imóveis usados. Rui Costa explicou que os domicílios poderão ser indicados pela população já nos próximos dias. As unidades passarão pela avaliação de técnicos da Caixa Econômica Federal para posterior compra e destinação imediata aos desabrigados.

Outra modalidade será a compra de casas e apartamentos novos ou ainda em construção nas cidades atingidas, com valor limitado ao teto da Faixa 1 (famílias com renda mensal bruta até R$ 2.640) e Faixa 2 (renda familiar de R$ 2.640,01 a R$ 4.400/mês) do programa federal Minha Casa, Minha Vida.

Segundo o ministro, as empresas, construtoras e imobiliárias que quiserem vender imóveis novos ou que ficarão prontos em até 60 dias podem registrar as unidades em site que a Caixa divulgará em breve. “O governo comprará todos os imóveis nesse perfil que as empresas ofertarem nessas cidades, dentro do limite solicitado de casas perdidas.” O governo também vai compatibilizar o valor do imóvel com a renda familiar para, por exemplo, permitir a quitação mensal da taxa de condomínio, sem comprometimento de recursos.

Na próxima semana, o Ministério das Cidades publicará uma portaria que permitirá que proprietários de imóveis particulares também vendam ao governo federal, na faixa de valor que está estipulada. “O cidadão comum que tem sua casa de aluguel que resolveu vender ou alguém que está vendendo a casa ou um apartamento vai entrar no site da Caixa e vai ofertá-lo. Nós teremos um teto máximo de valor que a portaria vai definir e a Caixa fará a avaliação de cada imóvel. Feita essa avaliação, o governo paga esse imóvel e a família se muda imediatamente para essa residência”, disse Rui Costa.

Além de unidades novas, imóveis que estão em leilão nas cidades gaúchas em bancos como a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e instituições privadas, em faixa de valor a ser divulgada, também serão destinados às famílias atingidas pelas chuvas. “Solicitamos aos bancos que retirassem do leilão imóveis nesse perfil desocupados, porque o governo [federal] está comprando todos eles, dos bancos privados, da Caixa e do Banco do Brasil para ofertar às famílias.”

No caso de imóveis que estavam destinados ao leilão que precisarem de reparos, o ministro informou que as famílias do Rio Grande do Sul realocadas nessas unidades receberão recursos da Caixa para fazer a reforma. “A ideia é que a gente dê um recurso a essa família. A Caixa fará uma estimativa de valor para a família consertar e esta pode mudar imediatamente”, previu.

“Vamos buscar por este combo de soluções acelerar essa questão que, entre todas, é a mais sensível, porque quem está com sua casa embaixo d’água ou destruída está no desespero, porque olha para sua família morando de favor na casa de alguém ou em um abrigo”, disse Rui Costa.

Outras soluções

O governo federal estuda outras possibilidades para aumentar a oferta de imóveis aos desabrigados gaúchos. O ministro Rui Costa divulgou que o Ministério das Cidades financiará a construção de moradias pelas prefeituras gaúchas que queiram trabalhar em esquema de mutirão, em curto prazo. “Apostaremos nessa solução para esses municípios que têm o número de unidades menores, onde prefeitas se colocam à disposição para fazer a autoconstrução, mobilizando os próprios moradores com assistência técnica ou com a contratação de empresa.”

A Caixa também tem buscado construtoras que usam metodologias rápidas para erguer casas, como imóveis pré-fabricados e modulares. “Estamos analisando tecnicamente todas as opções e pedindo às empresas que façam suas ofertas”, disse Rui Costa adiantando que ainda precisa saber das prefeituras qual será a necessidade real da quantidade de imóveis após a águas das enchentes baixarem.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo