fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Lula ignora ciclone no Rio Grande do Sul e decide viajar para a Índia

Publicado

em

Ao menos 40 pessoas morreram por causa dos estragos provocados pelo fenômeno meteorológico

Por: Oeste

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumpriu a agenda de compromissos oficiais nesta quinta-feira, 7, sem ir ao Rio Grande do Sul. O Estado tornou-se alvo de um ciclone extratropical nos últimos dias, que resultou na morte de pelo menos 40 pessoas.

Nesta tarde, Lula iniciou viagem rumo à Índia, onde participa do encontro do G-20 (grupo das 20 maiores economia do mundo). Mais cedo, o petista esteve no desfile de 7 de Setembro, em Brasília, para celebrar a Independência do Brasil.

O Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional reconheceu estado de calamidade pública em 79 cidades gaúchas. O ato facilita a transferência de recursos para atender a crise. Segundo a pasta, a partir de agora os gestores podem solicitar recursos emergenciais e verba para reconstrução da área destruída.

O que Lula ignorou: os estragos causados pelo ciclone

vale do rio taquari - ciclone - alagamentos - mortes no Rio Grande do Sul
Vale do Rio Taquari: região no RS enfrenta alagamentos | Foto: Maurício Tonetto/Secom

As chuvas, as enchentes e as cheias de rios deixaram um rastro de destruição no Rio Grande do Sul. Depois de mais de 70 municípios do Estado sofrerem danos em decorrência da passagem de mais um ciclone extratropical, o governador Eduardo Leite definiu a situação como similar a um “cenário de guerra”.

Ele proferiu a declaração ao visitar Roca Sales, uma das cidades mais afetadas pela tragédia climática. “Estamos muito impactados e emocionados com o que vimos”, disse Leite. “Mas precisamos ser fortes.”

O governador do Rio Grande do Sul afirmou ainda que vai direcionar recursos públicos para auxiliar na reconstrução de municípios do Vale do Taquari, região mais afetada pelas recentes tempestades. Em Roca Sales, Leite conversou com moradores e comerciantes. Depois, voltou para a capital Porto Alegre.

O cenário de guerra citado por Leite passa pelo número de mortos que os temporais e os alagamentos dos últimos dias provocaram. De acordo com o governo gaúcho, 37 mortes tinham sido confirmadas até a noite da quarta-feira.

Conforme comunicado do governo do Rio Grande do Sul, as mortes ocorreram em dez municípios do Estado:

  • Muçum — 14;
  • Roca Sales — 9;
  • Lajeado — 3;
  • Cruzeiro do Sul — 3;
  • Estrela — 2;
  • Ibiraiaras — 2;
  • Mato Castelhano — 1;
  • Passo Fundo — 1;
  • Encantado — 1; e
  • Santa Tereza — 1.

A tragédia no Rio Grande do Sul ainda conta com 2.319 pessoas desabrigadas. Além disso, há 3.575 desalojadas. Conforme autoridades locais, 1.777 pessoas foram resgatadas — e ainda há nove desaparecidos.

Leite decretou estado de calamidade pública no Rio Grande do Sul. Por fim, o governo gaúcho também cancelou os desfiles do 7 de Setembro em todo o Estado.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Governador Gladson anuncia parceria entre governo e Acisa para realização da Expoacre 2024

Publicado

em

A edição de 2024 da maior feira de agronegócios do estado, está marcada para acontecer entre os dias 31 de agosto a 8 de setembro, em Rio Branco.

O governador ainda afirma que essa parceria é fundamental para a geração de emprego e renda.

O governador Gladson Cameli (PP) anunciou na tarde desta terça-feira, 16, um acordo de cooperação entre o governo do Estado do Acre e a Associação Comercial, Industrial, de Serviço e Agrícola do Acre (Acisa). Ao lado do empresário Marcelo Moura, Gladson assina o termo de cooperação para a realização da Expoacre, edição 2024.

Em uma reunião realizada na sede da instituição, Cameli destacou a importância da Acisa na realização de eventos significativos no estado, em especial a Expoacre. O governador ainda afirma que essa parceria é fundamental para a geração de emprego e renda no estado.

“Reconhecemos a importância da Acisa na realização de eventos significativos em nosso estado, especialmente na ExpoAcre. Essa parceria entre governo do Acre e Acisa é fundamental para a geração de emprego e renda para a nossa população.” – pontuou o chefe do executivo estadual.

A edição de 2024 da maior feira de agronegócios do estado, está marcada para acontecer entre os dias 31 de agosto a 8 de setembro, em Rio Branco.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Lula diz que quer debater com governadores mudanças na segurança pública: ‘Governo federal quer participar’

Publicado

em

Por

Ministério da Justiça elabora uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para aumentar a atuação do Estado na segurança pública. Atualmente, gestão é uma atribuição primordial dos estados, com apoio da União.

Lula e Lewandowski. Foto: Adriano Machado

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta terça-feira (16) que vai discutir com os governadores dos estados a elaboração de uma proposta para reformular políticas de segurança pública.

Segundo o petista, o objetivo é entender como a União pode contribuir com o aprimoramento da atuação das forças de segurança.

Esta é a primeira vez que Lula faz referência, em um evento público, à proposta de emenda à Constituição (PEC) preparada no âmbito do Ministério da Justiça, chefiado por Ricardo Lewandowski, para aumentar a atuação do Estado na segurança pública.

O texto elaborado pela pasta busca, por exemplo, integrar as polícias, reforçar o Sistema Público de Segurança, aumentar as responsabilidades da União e criar uma nova polícia a partir da PRF

A proposta muda bastante o sistema de segurança pública no Brasil e define um novo papel para o governo federal, que passa a ter mais poder e mais responsabilidade no combate ao crime, atuando em conjunto com estados e municípios.

“Eu agora vou discutir uma política de segurança pública. Eu não vou fazer junto com o Lewandowski, com a Casa Civil, com a AGU [Advocacia-Geral da União], um projeto de segurança. Não. Eu vou chamar os 27 governadores dos estados para dizer o seguinte: ‘O governo federal quer participar da questão da segurança pública. Nós queremos saber qual é o nosso papel, aonde a gente entra, como a gente pode ajudar?'”, disse o petista.

Lula deu a declaração durante evento fechado no Palácio do Planalto nesta tarde, com representantes da indústria de alimentos. Segundo o presidente, o objetivo é proporcionar mais “tranquilidade ao país”, para que todos possam viver bem.

O texto da PEC, atualmente na Casa Civil, ainda precisa do aval do presidente. Lula quer conversar sobre isso com Lewandowski e governadores, antes de enviar o texto ao Congresso.

O chefe da pasta da Justiça, por sua vez, quer que a proposta seja debatida intensamente pela sociedade brasileira para se chegar ao melhor texto.

PEC da Segurança

Veja abaixo os principais pontos da PEC:

  • A proposta coloca o Sistema Único de Segurança Pública (SUSP) no texto da Constituição

O SUSP foi criado em 2018, no governo de Michel Temer, quando o ministro da Justiça era Raul Jungmann, mas está em uma lei ordinária. O governo considera que, estando na Constituição, o texto terá mais força.

  • A proposta também dá mais poder à União para definir normas gerais

Por exemplo, o uso de câmeras corporais por agentes, e as diretrizes para uma política de segurança pública nacional, incluindo o sistema penitenciário. Essas diretrizes terão que ser seguidas obrigatoriamente por estados e municípios.

  • A PEC amplia as atribuições da Polícia Federal

Além disso, deixa mais claro na Constituição que é dever da PF combater crimes ambientais em matas, florestas, unidades de conservação, organizações criminosas e milícias privadas.

  • A proposta cria uma nova polícia a partir da PRF

A PRF deixa de ser apenas rodoviária e passa a ter atuação ostensiva nacional em ferrovias e hidrovias, podendo ser requisitada por estados, como acontece com a Força Nacional. O nome ainda não está definido, mas seria uma polícia ostensiva federal.

  • Outro ponto é que o Fundo Nacional de Segurança Pública e o Fundo Penitenciário seriam unificados numa tentativa de aumentar investimentos.

Uma consequência dessa proposta, segundo o ministro, é o desenvolvimento de um novo sistema padronizado e integrado de registros policiais, boletins de ocorrência e mandados de busca, o que daria mais efetividade ao combate ao crime.

Comentários

Continue lendo

Brasil

TSE altera data do concurso da Justiça Eleitoral para 8 de dezembro; inscrições seguem até quinta

Publicado

em

Ao todo, o TSE e 26 tribunais regionais eleitorais (TREs) oferecerão 412 vagas para 21 cargos das carreiras de analista e de técnico judiciário, ambos de nível superior de ensino, em diversas especialidades.

O prazo para o pagamento da taxa é até 9 de agosto. O candidato deverá usar a Guia de Recolhimento da União (GRU Cobrança), gerada na conclusão do preenchimento da ficha de inscrição online. Foto: assessoria

Com assessoria

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alterou a data de realização do seu concurso público. Assim, as provas serão aplicadas no dia 8 de dezembro. A alteração foi informada em edital publicado nesta terça-feira (16).

Segundo o tribunal, a mudança dará mais segurança e prazo para os candidatos se prepararem. “A mudança de data tem o objetivo de dar maior segurança aos candidatos e prazo para a preparação para as provas, assegurando o tempo necessário para a apuração dos resultados e garantir a pronta nomeação após a conclusão do certame.”

Com essa mudança, o prazo para a nomeação dos aprovados passou para julho de 2025. “Esses prazos decorreram da necessidade que os realizadores do certame precisam para ultimar todas as providências e fases do concurso, além de formular as alterações decorrentes da ampliação do número de vagas inicialmente oferecidas”, explicou o TSE.

Inicialmente, o concurso estava previsto para ocorrer no dia 22 de setembro.

Inscrições

As inscrições para o concurso unificado da Justiça Eleitoral terminam na próxima quinta-feira (18), às 18 horas, no horário oficial de Brasília. Ao todo, o TSE e 26 tribunais regionais eleitorais (TREs) oferecerão 412 vagas para 21 cargos das carreiras de analista e de técnico judiciário, ambos de nível superior de ensino, em diversas especialidades.

A taxa de inscrição é R$ 130, para quem quer concorrer aos cargos de analista judiciário, e R$ 85, para os de técnico judiciário.

O prazo para o pagamento da taxa é até 9 de agosto. O candidato deverá usar a Guia de Recolhimento da União (GRU Cobrança), gerada na conclusão do preenchimento da ficha de inscrição online, no site do Cebraspe.

O concurso irá preencher vagas de cargos efetivos dos quadros de pessoal da Justiça Eleitoral, além da formação de cadastro reserva. O cargo com a maior oferta é o de técnico judiciário – área administrativa, com 208 vagas.

Comentários

Continue lendo