A pedido do deputado estadual Antônio Pedro (DEM), o presidente do Instituto de Meio Ambiente e Análises Climáticas do Acre (Imac), André Hassem esteve no município de Xapuri, onde se reuniu com profissionais do setor moveleiro. Na oportunidade o secretário ouviu as reivindicações do Polo Moveleiro, destacando-se a licença ambiental, acesso a financiamentos bancários e aquisição da madeira legalizada.

“Primeiramente, quero agradecer ao secretário por vindo conversar com os trabalhadores do setor Moveleiro. É uma agenda de extrema importância, pois esses profissionais há tempos veem enfrentando algumas dificuldades e precisamos, nesse momento, de uma intervenção do governo do Estado”.

E acrescentou: “os trabalhadores destacam que a indefinição do processo das concessões de uso da área do polo tem trazido dificuldades na execução do trabalho, tendo em vista que essa é uma das condições para que eles possam ter acesso a financiamentos bancários. Outro problema enfrentado pelos moveleiros é a dificuldade de aquisição da madeira legalizada. Eles não têm acesso à madeira extraída dos planos de manejo florestal que é comercializada com o Complexo Industrial Florestal de Xapuri”, disse o parlamentar.
Para Antônio Pedro, -levando em consideração que o setor gera emprego e renda -, “os profissionais da área não deveria ter essas dificuldades, principalmente, no que diz respeito à falta de acesso à matéria-prima, que é uma riqueza do nosso Estado e o trabalho deles depende disso. Esse impasse precisa ser resolvido porque isso impede que eles estejam trabalhando e gerando renda e emprego no município”, salientou.

O secretário André Hassem garantiu que o governo do Estado irá trabalhar as demandas apresentadas pelo setor a fim de otimizar o trabalho e garantir a continuidade da geração de emprego e renda.

“Estamos nos reunindo com todos os polos, bem como o setor industrial de Xapuri para que possamos juntos dar condições de trabalho a esses profissionais, dentro da legalidade. Nosso objetivo é fortalecer o produtor, o homem do campo, o pecuarista, juntamente com a parte da indústria legalizada, trabalhando com linha de crédito. São reivindicações legítimas e vamos trabalha-las”, disse ele.

E finalizou: “Só em 2019, o Imac conseguiu proporcionar geração de emprego e renda nos manejos florestais. Foi criado mais de três mil frentes de trabalho de carteira assinada. Não vai ser diferente em 2020. Vamos continuar avançando nesse setor”.

Comentários