O corpo humano é formado por cerca de 70% de água e é dela que se obtêm minerais essenciais para o bom funcionamento do organismo, como o magnésio, o cálcio e o potássio.

A situação avaliada nos estabelecimentos da capital acreana é preocupante quanto ao índice de alcalinidade do líquido. De seis marcas vendidas aos acreanos, apenas uma segue os critérios estabelecidos e oferece uma água menos ácida aos consumidores, com nível de pH em 6,33.
Reportagem Ac24horas.com

Você sabia que nem toda água mineral comercializada no estado é ideal para o consumo, conforme estudos médicos e preconização de especialistas? Isso porque a maioria das marcas de água vendidas no Acre atualmente possui um pH (potencial de hidrogênio) bem abaixo do recomendado.

Esta reportagem aborda elementos da química, mas é bem simples de entender. O pH tem uma escala que varia de 0 a 14 – que avalia o nível de acidez. Quanto mais próximo de 0 estiver o pH, significa que mais ácida é a água. Logo, quanto mais próximo de 14, mais alcalina ela é. Ou seja: menos ácida e, portanto, mais apropriada para o consumo.

O percentual de pH da água que você compra pode ser facilmente verificado nos rótulos do produto, especificado nas embalagens das garrafas. É importante que ao escolher a marca da água, você verifique as informações do seu rótulo. A situação avaliada nos estabelecimentos da capital acreana é preocupante quanto ao índice de alcalinidade do líquido. De seis marcas vendidas aos acreanos, apenas uma segue os critérios estabelecidos e oferece uma água menos ácida aos consumidores, com nível de pH em 6,33.

A reportagem verificou o potencial de hidrogênio de seis marcas vendidas no estado. A constatação é esta:

Lind’Água (pH 4,83);

Schin (pH 6,33);

Purágua (pH 4,83);

Tia Eliza (pH 4,55);

Belágua (pH 4,77);

Riberágua (pH 4,57).

Resumindo: destas, até agora, apenas uma marca (Schin – pH 6,33) está disponibilizando um produto menos ácido, sendo assim menos ofensivo à saúde dos acreanos.

O Ministério da Saúde estabeleceu por meio da Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011, que o pH da água própria para consumo seja mantido na faixa de 6,0 a 9,5.

A recomendação dos médicos é que o consumidor beba água com pH acima de 7,0. Tais critérios não são banais.

O corpo humano é formado por cerca de 70% de água e é dela que se obtêm minerais essenciais para o bom funcionamento do organismo, como o magnésio, o cálcio e o potássio.

Os médicos advertem: a água pode ser fonte de vida, mas também de vários problemas de saúde caso se trate de uma água extremamente ácida, com elementos tóxicos provenientes do cloro, flúor ou do Bisfenol – composto do plástico, entre outros. Por isso não é indicada a ingestão de água encanada, pois esta possui grande quantidade de cloro – eliminador de bactérias, e pode estar contaminada com metais pesados. Normalmente, a água encanada apresenta um nível de pH impróprio para o consumo, sempre abaixo de 7,0.

Agora você deve estar se perguntando qual a relação do nível de alcalinidade da água com a sua saúde? Uma água mineral com pH menor do que 7,0, significa que ela é mais ácida do que o sangue que corre em sua veias e artérias. Desta forma, é necessário equilibrar e deixar o corpo menos ácido, a fim de prevenir problemas de saúde decorrentes dessa toxicidade, e isso só é possível com a ingestão de uma água realmente mais alcalina, com pH acima de 7,0.

O médico Guilherme Renke, especialista em Endocrinologia pelo Instituto de Pesquisa e Ensino Médico, publicou um artigo alertando para a necessidade de estar atento à qualidade da água, pois pode prevenir problemas como gastrites, úlceras e câncer de estômago. Os estudos apontam que o nível de acidez na água é determinado pela quantidade e a qualidade dos minerais presentes nela.

“A água alcalina traz benefícios para a saúde. A composição da água pode influenciar a nossa saúde. A água alcalina deve possuir também baixo teor de cloro, de flúor e não possuir metais pesados. O pH é algo muito importante para nosso organismo, em uma infecção grave, por exemplo, fatores inflamatórios e toxinas estão elevados no sangue, o pH sanguíneo então diminui (menor do que 7,35). Nesses casos ocorre diminuição do bicarbonato abaixo de 22 meq/l e inicia-se assim a acidose metabólica”, escreveu.

Segundo Renke, são muitos os benefícios da água alcalina, um deles é a longevidade, pois a água com pH acima de 7,0 pode atuar como “fator de desaceleração do envelhecimento”.

Como saber se a água alcalina?

Uma dica é manter o hábito de sempre ler o rótulo da água para saber se o pH da água que você está consumindo é ácido, neutro ou alcalino e adquirir as que tenham pH acima de 7,0. Há também a opção de possuir filtros específicos disponíveis no mercado que transformam a água da torneira em água alcalina.

QUALIÁGUA

O Acre começou a fazer parte do Programa de Estímulo à Divulgação de Dados de Qualidade de Água (QUALIÁGUA) em 2019, com apoio da Agência Nacional de Águas (ANA). O objetivo é estimular a padronização dos métodos de coleta de amostras, parâmetros verificados, frequência das análises e divulgação dos dados em escala nacional. O acordo terá vigência até 31 de dezembro de 2020.

É a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA) que realiza as atividades previstas pelo QUALIÁGUA, que também tem o objetivo de promover a implementação da Rede Nacional de Monitoramento da Qualidade de Água (RNQA) em todo o País. Um dos parâmetros coletados pelo monitoramento no estado é o pH.

Água distribuída pelo Depasa

O Departamento Estadual de Água e Saneamento do Acre (Depasa) afirma que sua distribuição de água está dentro dos padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde. Como prevê a Portaria 2914/2012, o órgão diz realizar até 165 análises ao mês.

Um relatório das análises é repassado aos órgãos de vigilância sanitária e ambiental na capital e interior. Todos os dados são informados ao Sistema Nacional de Controle e Vigilância da Água (Siságua). O resultado das análises das amostras também pode ser verificado pelos consumidores, no verso da conta de água.

Segundo o chefe da Divisão de Controle da Qualidade da Água e Operações do Depasa, Filogônio Ribeira, são feitas análises de amostras no reservatório e na rede. Os testes verificam nível de pH, turbidez (que reflete o grau de transparência), cor aparente (que mede o grau de coloração), cloro residual (utilizado no processo de desinfecção), além dos parâmetros microbiológicos que avaliam a presença de coliformes totais e fecais.

De acordo com Ribeira, o cuidado com a qualidade da água envolve ações que vão desde a limpeza e manutenção das estações e reservatórios, bem como monitoramento e reparo de vazamentos que podem alterar a qualidade da água tratada e distribuída aos usuários do Depasa.

Comentários