Buracos na pista colocam em risco segurança de motoristas e passageiros

Buracos na pista colocam em risco a segurança de motoristas e passageiros
Buracos na pista colocam em risco a segurança de motoristas e passageiros

A BR-317, que recebeu serviços paliativos há menos de 8 mês nos trechos entre os municípios de Capixaba e Epitaciolândia, vem apresentando diversos buracos e irregularidades. Entre os municípios de Brasiléia e Assis Brasil, onde a BR é denominada de Estrada do Pacífico, a situação é bem pior. O prefeito de Assis Brasil, Humberto Filho (PSDB), o Betinho, já fez várias reivindicações ao governo do Estado e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), mas até o momento nenhum trabalho de recuperação foi realizado.

Os turistas de várias regiões do país e do mundo que querem visitar a região amazônica e, consequentemente o Peru, reclamam das dificuldades e a péssima qualidade da estrada do lado brasileiro. Os acidentes na região entre Assis Brasil e Brasiléia são em sua maioria provocados por ondulações e buracos ao longo da pista.

Sabendo da situação difícil que a população da região vem passando, os prefeitos dos municípios que são ligados pela BR exigem do Dnit e do governo do Estado providências urgentes. Mesmo com serviço paliativo já finalizado a estrada continua apresentando problemas que coloca em risco os viajantes.

“Por essa BR passam muitos turistas, é uma vergonha para nós apresentar uma estrada toda esburacada para nossos visitantes e um constrangimento maior ainda para os nossos condutores quando ficam impossibilitados de seguir viagem porque quebrou o carro ou estourou um pneu, entre outras coisas”, diz Betinho.

Betinho informou que a responsabilidade da manutenção na BR não é da prefeitura, mas na tentativa de conseguir melhores condições de trafegabilidade na estrada fez questão de encaminhar diversos ofícios ao Departamento de Estradas e Rodagens do Acre (Deracre) e ao Dnit solicitando que seja feita uma recuperação na estrada sentido Brasiléia, bem como a recuperação do trecho entre a Alfândega e a Ponte da Amizade, que liga o Brasil ao Peru.

“O grande problema é que não obtivemos sucesso nas respostas. Isso nos entristece muito”, desabafou.

Veja vídeo reportagem com Almir Andrade.

Comentários