fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Terceira morte em 24 horas: dupla invade casa e mata homem a tiros na zona leste Porto Velho

Publicado

em

Segundo testemunhas, o rapaz estava na área do imóvel quando dois homens chegaram de moto, depois surpreenderam a vítima com vários tiros, em seguida fugiram.

PM foi acionada junto com uma equipe do Samu que fez a constatação do óbito. Durante a perícia foi verificado que a vítima foi atingida com cinco tiros.

O terceiro crime de homicídio em cerca de 24 horas foi registrado na noite desta terça-feira (2), na Avenida Mamoré, bairro Aponiã em Porto Velho. A vítima foi Carlos Júnior da Silva Belém.

Segundo testemunhas, o rapaz estava na área do imóvel quando dois homens chegaram de moto, depois surpreenderam a vítima com vários tiros, em seguida fugiram.

A PM foi acionada junto com uma equipe do Samu que fez a constatação do óbito. Durante a perícia foi verificado que a vítima foi atingida com cinco tiros.

Agentes da 1ª Delegacia de Homicidios deram início as investigações.

Os dois assassinatos já estão sendo investigados pela Delegacia de Homicídios.

Os outros dois assassinatos violentos e a tiros foram registrados em menos de 12 horas em Porto Velho. Rogério Jeti, de 31 anos, e Rauney Jander Barrozo Vieira, 25 anos, foram mortos com tiros na cabeça.

No primeiro caso, registrado na noite de segunda-feira (1), a vítima foi Rogério Jeti. Ele estava em um bar, localizado na rua Teotônio Vilela com a avenida José Amador dos Reis, zona leste da capital, quando foi abordado por um criminoso armado.

O assassino se aproximou de Rogério e efetuou vários disparos, atingindo um na cabeça e outro no abdômen. Segundo a Polícia, tudo indica que o criminoso usou uma arma calibre 38. Rogério morreu no local do crime, antes de receber atendimento médico.

Horas depois, já no início da madrugada desta terça-feira (2), a PM foi acionada para atender mais uma ocorrência de homicídio. Dessa vez, Rauney Jander Barrozo Vieira, 25 anos, foi a vítima. O crime aconteceu na lanchonete Subway, localizada na avenida Abunã com Jorge Teixeira, bairro Liberdade, na capital.

Câmeras de segurança registraram o momento em que Rauney foi assassinado na presença da esposa. Rauney estava sentado, comendo, juntamente com sua esposa, quando o criminoso chegou armado, encostou a arma na cabeça da vítima e efetuou quatro disparos, sem dar chance de defesa.

A esposa de Rauney, que estava sentada ao lado do marido, foi atingida com um tiro na perna e socorrida até o hospital. Após o crime, o assassino fugiu de bicicleta e não foi encontrado pela Polícia Militar.

Os dois assassinatos já estão sendo investigados pela Delegacia de Homicídios.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Mudanças climáticas já interferem em secas e cheias na Amazônia

Publicado

em

Diante desse cenário, é preciso investir em ações para mitigar o sofrimento das populações da região. Em 2023, a seca isolou milhares de pessoas, que tiveram dificuldades para ter acesso a alimentos, medicamentos e, principalmente, água potável.

O pesquisador do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Ayan Fleischmann destacou que esse aumento no regime de secas e cheias severas tem impactado as áreas de várzeas.

O desmatamento, as queimadas, aliados às mudanças climáticas, estão entre as causas da alteração do regime hidrológico dos rios da Amazônia, que tem se tornado mais intenso nos últimos anos, levando à ocorrência de cheias e secas mais severas com menor intervalo de tempo. Um exemplo foi a seca histórica de 2023, que causou a maior queda nos níveis dos rios já registrada na região. No Rio Negro, o nível da água no porto de Manaus chegou a 14,75m, o menor nível já registrado desde o começo da série histórica, em 1902.

De acordo com o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) Jochen Shöngart, somente nessas duas primeiras décadas do século 21 foram registrados nove eventos de cheias severas, o mesmo número registrado em todo o século passado.

Shöngart destacou ainda que o aumento da amplitude da cheia e da vazante na Amazônia apresentou uma variação de 1,6 metro. Isso faz com que os rios tanto sequem antes do esperado, quanto o contrário. Essa alteração traz impactos especialmente nas áreas de florestas alagadas, com grandes impactos para as atividades econômicas e também para as populações ribeirinhas da Amazônia, que dependem desses recursos para a sua sobrevivência.

“O curso de inundação, que tem a sua previsibilidade e regularidade, é o principal determinante de processos geomorfológicos, ciclos biogeoquímicos, de crescimento da biota que se adaptou a esse regime, mas também controla as interações biológicas nas áreas alagadas, e até atividades econômicas das populações ribeirinhas, como agricultura e pesca”, explica o pesquisador durante debate sobre as secas e enchentes na Amazônia na 76ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Belém.

O pesquisador do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Ayan Fleischmann destacou que esse aumento no regime de secas e cheias severas tem impactado as áreas de várzeas. Nos últimos anos, em 23% das áreas de várzeas no baixo Amazonas a duração do período de inundação aumentou mais de 50 dias por ano.

Secas

Pesquisadora faz medição e coleta de tecidos de botos mortos em lago no município de Tefé, no Amazonas – Foto: Miguel Monteiro/Instituto Mamirauá
As secas também têm sido muito extremas. Durante a seca de 2023, o Lago Tefé, no Médio Solimões, no Amazonas, secou 75%, chegando a baixar praticamente 30 cm por dia. Na região, outros lagos ficaram 90% secos.

A seca extrema na Amazônia levou a morte 209 botos no lago Tefé e em Coaraci, em razão da alta temperatura dos lagos. No dia 28 de setembro, 70 botos morreram quando a temperatura da água atingiu 39,1°C.

“Isso é muito preocupante. Especialistas em mamíferos aquáticos afirmam que se a gente encontrar três carcaças de boto em alguns dias, isso já é um alerta. Se a gente encontrar esse tanto, isso já é uma tragédia. Peixes morrendo em seca extrema é comum na Amazônia, mas boto é muito raro. Isso foi uma catástrofe sem precedentes”, lamentou o pesquisador.

Estudos realizados pelo Mamirauá, instituição ligada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), chegaram à conclusão de que os animais morreram por hipertemia, devido às altas temperaturas nos lagos. Medições realizadas pelo instituto em lagos da região mostraram que em mais de 25 deles foram registradas temperaturas de 37°C.

“O que aconteceu com o Lago Tefé e com os botos foi que o lago secou muito, ficou muito raso. Como a gente tem muita radiação solar, o lago aqueceu facilmente e isso gerou picos de temperatura de mais de 40 graus em toda a coluna d’água, em até 2 metros de profundidade, além disso, não tinha refúgio térmico para os animais”, complementou.

Cenário

Segundo Fleischmann, o cenário atual tem apresentado um contraste, com mais chuvas ocorrendo na região norte da Amazônia e menos chuvas na região sul. Em parte essa diferença no ritmo de chuvas pode ser explicada pelo maior desmatamento, queimadas e implantação de grandes projetos, como hidrelétricas, na parte sul da Amazônia. Enquanto na parte norte estão as áreas mais conservadas.

Quanto menor a quantidade de árvores para fazer o processo de evapotranspiração, a geração de vapor de água para a atmosfera, diminui o percentual de chuvas, com consequente aumento na temperatura na região.

Para este ano, o pesquisador se mostra apreensivo com a possibilidade de ocorrência de uma nova seca severa, devido a um regime hidrológico inferior ao esperado. Monitoramento realizado pelo Serviço Geológico do Brasil, da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), mostra que no período de 21 de maio a 19 de junho a Bacia do Rio Amazonas apresentou quadro de chuvas abaixo do esperado em grande parte da região.

Os principais déficits foram registrados nos afluentes Purus e Madeira, que apresentam níveis abaixo da normalidade. Aripuanã, Beni, Coari, Guaporé, Içá, Japurá, Javari, Ji-Paraná, Juruá, Jutaí, Mamoré, Marañon, Napo, Tefé, Ucayali e o curso principal do Solimões também encontram-se abaixo do esperado.

Fleischmann destaca que diante desse cenário, é preciso investir em ações para mitigar o sofrimento das populações da região. Em 2023, a seca isolou milhares de pessoas, que tiveram dificuldades para ter acesso a alimentos, medicamentos e, principalmente, água potável.

“Esse é o paradoxo da Amazônia, tem muita água e muita gente passando sede”, resumiu. “A gente precisa urgentemente criar programas de acesso à água na Amazônia. Não é por que estamos na maior bacia hidrográfica do mundo que essa água é acessível para consumo humano”, alertou.

Além de investimentos no abastecimento de água e tratamento de resíduos orgânicos, entre as ações apontadas como necessárias pelo pesquisador estão a construção de cisternas para captação da água da chuva, escavação de poços artesianos mais profundos, para atingir o lençol freático, e distribuição de kits emergenciais de tratamento de água.

A Amazônia tem uma imensa reserva de água subterrânea na forma de aquíferos. De acordo com o professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) Ingo Daniel Wahnfried, um dos principais obstáculos para estudar o Aquífero Amazônia é a complexidade do sistema, composto por camadas de diferentes profundidades, que podem variar de 20m a mais de 250m.

“Na Amazônia a gente tem diferentes aquíferos em posições diferentes, profundidades diferentes e com formações geológicas diferentes. A gente tem dispositivos aluvionares com cerca de 22 metros de profundidade, que se localizam, em geral, onde estão as comunidades ribeirinhas e, por causa disso, acabam tendo grande importância para o abastecimento dessas comunidades”, disse.

Para o professor, no entanto, antes de se furar poços para atender à população, é preciso avaliar a vulnerabilidade do Aquífero Amazônia à contaminação por metais pesados e outras substâncias, especialmente nas áreas urbanas, como nas capitais dos estados amazônicos, já que nas áreas de floresta isso não representa um problema sério.

“Aquíferos têm sedimentos que podem apresentar uma quantidade enorme de elementos químicos. A água, em contato, acaba absorvendo uma quantidade deles e pode absorver elementos que são prejudiciais à saúde. Em alguns lugares onde fizemos análises, a gente percebeu a presença de arsênio, em pequena quantidade, e também manganês, que são prejudiciais. É um processo que existe na Amazônia e precisa ser investigado”, concluiu.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Sipam prevê friagem de forte intensidade no Acre e Rondônia a partir desta sexta-feira

Publicado

em

Uma frente fria chega ao sul da Amazônia nesta sexta-feira (12), e muda o tempo na região, inclusive sobre acre e Rondônia, de acordo com a Divisão de Meteorologia e Climatologia do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam).

Para este dia a previsão é de tempo parcialmente nublado a nublado com pancadas isoladas de chuva e trovoadas entre a tarde e à noite nas regiões. Nas demais áreas a previsão é de céu nublado a encoberto com possibilidade de chuva fraca ao longo do dia. Ainda faz calor durante o dia, mas a partir da tarde a temperatura entrará em declínio com a entrada da friagem que virá acompanhada desta frente fria. Esta friagem será de forte intensidade e derrubará a temperatura do meio para o final desta sexta-feira em todo Acre e Rondônia.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Governo nomeia todos os candidatos aprovados no último concurso da Polícia Civil de RO

Publicado

em

O governador em exercício de Rondônia, Sérgio Gonçalves da Silva, nomeou todos os 306 candidatos aprovados no último concurso da Polícia Civil. Eles terão prazo de 30 dias para a posse, que se consolida com a apresentação de uma série de documentos definidos em Lei.

O concurso ofereceu vagas para agente (145), escrivão (100), datiloscopista (40), delegado (10), médico-legista (10) e técnico em necropsia (14).

Os salários dos novos policiais serão de R$ 15.500 para delegados e médicos-legistas e R$ 5.083 aos demais novos servidores.

Comentários

Continue lendo