Parlamentar do PSD-AC foi acusado de crime eleitoral na eleição de 2006.
Defesa rebateu denúncia e disse que contas da campanha foram aprovadas.

Senador Sérgio Petecão em discurso no plenário do Senado no começo de agosto (Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado )
Senador Sérgio Petecão em discurso no plenário
do Senado no começo de agosto (Foto: Waldemir
Barreto / Agência Senado )

G1

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (22),  por unanimidade, abrir ação penal conta o senador Sérgio Petecão (PSD-AC) por suposta compra de votos.

Os ministros decidiram aceitar denúncia do Ministério Público, que acusou o senador de crime eleitoral nas eleições de 2006. Com a decisão, o senador passa a ser réu no processo.

Conforme a acusação, há indícios da “existência de um esquema de compra de votos na cidade de Rio Branco (AC) para favorecer o então candidato a deputado federal Sérgio Cunha, conhecido como ‘Sérgio Petecão’, nas eleições de outubro de 2006, mediante o oferecimento de dinheiro, asfaltamento de ruas e outras vantagens a eleitores”.

A defesa do parlamentar alegou que a denúncia não indicou nenhum ato concreto praticado pelo cliente, com “afirmações genéricas”. Destacou ainda que a Justiça Eleitoral aprovou as contas da campanha de Petecão referentes a 2006.

O relator da ação, ministro Teori Zavascki, destacou que a denúncia apresenta “descrição clara e precisa dos fatos imputados” e que apresentou testemunhos que afirmaram ter votado diante da promessa de pagamento.

Depois de ouvir depoimentos e analisar as provas, o Supremo terá que decidir se ele é culpado ou inocente da acusação, o que não tem prazo para acontecer.

Comentários