“Dados mostram que não está se espalhando entre animais de estimação ou de criação”. disse Schaffner, da Faculdade de Medicina da Universidade Vanderbilt, em Nashville, Tennessee

De acordo com os especialistas, cachorros não podem pegar ou transmitir o novo coronavírus Foto: Getty Images
Sandee LaMotte, da CNN

De acordo com o conhecimento científico atual, você pode contrair o novo coronavírus (COVID-19) do seu cachorro ou gato? Ou transmitir a eles?

“Não. Acho que a ideia que vamos passar o vírus para nossos animais de estimação ou pegar deles é simplesmente absurda. Não há evidência científica que isso possa ser possível”, disse John Williams, chefe da divisão de doenças infecciosas do Hospital Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos.

William Schaffner, professor de medicina preventiva e doenças infecciosas da Faculdade de Medicina da Universidade Vanderbilt, em Nashville, Tennessee, diz o mesmo. “Não temos que nos preocupar com animais de estimação. O vírus agora é transmitido entre humanos, mas os dados mostram que não está se espalhando entre animais de estimação ou de criação”.

Cachorros em Hong Kong testam positivo

O pânico começou no fim de fevereiro, quando um lulu-da-pomerânia de 17 anos na China recebeu um diagnóstico “fraco” de coronavírus e morreu três dias depois. Um segundo cachorro que morava na mesma casa, no entanto, teve resultado negativo nos testes.

A internet explodiu com donos de animais de estimação cheios de preocupação.

“O cachorro teve um positivo fraco. Nem sabemos se aquele era um resultado real”, diz Williams, apontando que o lulu-da-pomerânia já havia recebido resultado negativo anteriormente.

“O lulu-da-pomerânia nunca manifestou sintomas da doença, foi liberado da quarentena e morreu”, disse Dana Varble, veterinária chefe da Comunidade Veterinária Norte-Americana. “Não sabemos qual foi a causa da morte porque não fizeram autópsia, mas o cachorro já era bastante idoso e tinha vários problemas de saúde subjacentes”, disse.

Em 19 de março, o departamento de Agricultura, Pesca e Conservação de Hong Kong anunciou que outro cachorro que estava em quarentena, um pastor alemão, testou positivo para a COVID-19. No entanto, um vira-lata que mora na mesma casa testou negativo, e nenhum dos dois cachorros mostraram nenhum sinal da doença, disse um porta-voz do órgão.

“Não há nenhuma evidência de que animais de estimação podem ser uma fonte da COVID-19 em humanos ou que o vírus pode causar a doença em cachorros”, adicionou o porta-voz.

Para apoiar essa perspectiva, Varble mostra um teste recente conduzido por uma empresa de diagnósticos veterinários que testou milhares de animais de estimação.

“Eles testaram milhares de cachorros e gatos para esse vírus e não encontrou nenhum resultado positivo, então acreditamos que a chance desses animais contraírem a doença é bastante baixa no momento”, disse a veterinária.

Então não há nenhuma possibilidade que possamos adquirir o vírus de um animal — nem mesmo de sua pelagem?

“Em teoria, se um paciente com o vírus passasse a mão no nariz e acariciasse o cachorro, e então, outra pessoa acariciasse esse exato mesmo lugar e tocasse seu nariz ou olhos, então talvez esse indivíduo pudesse pegar a doença, sim”, explica Williams.

O que os pais de pets devem fazer?

Kaethe Singer, accompanied by her cat, studies at home during the spread of the coronavirus disease (COVID-19), Foto: Kai Pfaffenbach

“Carinho”, aconselha Williams. “Animais de estimação exercem um papel vital para a saúde psicológica de seus donos, especialmente nesse momento em que todos se sentem tão isolados e solitários”.

Schaffner concorda. “Essa é a hora de abraçar seu cachorro, mas não seus humanos amados. Vamos manter o distanciamento social focado em seres humanos, e se você precisar abraçar alguém, que seja seu cachorro, gato, furão ou qualquer outro”.

Isso será bom para seu animal de estimação também, diz Varble. “O laço com seus donos é muito importante para a saúde dos animais”, diz. “Com tantas pessoas trabalhando de casa, esse é realmente um bom momento para relaxar e aproveitar o tempo com o seu bichinho”.

“Passeie por onde for possível, jogue bola no quintal com seu cachorro, brinque com seu gato com bugigangas felinas. Relaxe e se divirta com eles, porque faz muito bem para a nossa saúde reduzir o estresse”, completa ela.

Comentários