img-20161030-wa0026
Erivan foi imobilizado pelo enfermeiro até a chegada de homens da Polícia Militar e conduzido à delegacia – Foto: cedidas
Alexandre Lima, com vídeo de Almir Andrade

Era pro volta das 23 horas deste sábado, dia 29, quando os enfermeiros e médicos do Hospital de Clinicas Raimundo Chaar, receberam o jovem Erivan Feitosa da Silva, em visível estado de embriagues para que fosse tratado de um ferimento na cabeça, devido se envolver numa briga.

Segundo os profissionais, o homem recebeu os cuidados iniciais e ficaria em monitoramento tomando soro, sendo transferido para a sala de observação. Foi quando este passou e ofender verbalmente a todos da unidade, seguido de ameaças dizendo que iria embora.

Parte da arma, um rifle calibre 22 que Erivan queria usar contra o enfermeiro.
Parte da arma, um rifle calibre 22 que Erivan queria usar contra o enfermeiro.

Foi quando o médico lhe disse que poderia ir embora, mas, que não estaria liberado. Novamente, disse que iria quebrar móveis e passou a ameaçar a todos. Daí, um enfermeiro interviu dizendo que o impediria das ações.

O mesmo arrancou a agulha do braço e foi embora fazendo ameaças. Passado cerca de uma hora, retornou ao hospital com parte de um rifle escondido dentro da calça e tentou retirar para tentar contra a vida do profissional.

img-20161030-wa0028Ao perceber a intenção do homem, o enfermeiro conseguiu impedir o intuito, o segurando até a chegada de uma equipe da Polícia Militar. Erivan foi conduzido à delegacia e entregue ao delegado plantonista, até ser ouvido pela manhã.

Após ser ouvido, Erivan pagou fiança e foi liberado, para se apresentar em data futura. A arma ficou apreendida.

Profissionais sem segurança

A falta de segurança nas unidades de saúde em todo o Estado, já não é novidade. Sem o profissionais armados, as ameaças, ofensas, invasões e tentativas de homicídio como a que aconteceu na noite deste domingo, vem se tornando corriqueiro.

Desde o mês de Maio de 2015, o governo do Acre suspendeu a segurança que havia nas unidades de saúde do Estado. O Hospital, Hemonúcleo e postos de saúde deixaram de ter empresas particulares prestando serviços.

O motivo, seria pela falta de recursos financeiros, mas, por diversas vezes, o problema foi levado à público pelos deputados na Assembleia, os sindicatos dos médicos e enfermeiros, onde pediam o retorno imediato, uma vez que os profissionais estão correndo risco de vida.

O Estado através da Secretaria de Segurança Pública do Acre, na pessoa do Secretário Emylson Farias, respondeu em Julho desde ano, após reunião com recebeu uma comissão de entidades sindicais, onde ficou apenas definido que iriam disponibilizar máquinas de identificação em unidades da Capital.

Os profissionais que trabalham no hospital de Brasiléia, estão trabalhando com medo, principalmente as mulheres (médicas e enfermeiras), que são as maiores vítimas de homens que chegam bêbados e passam a intimidar fazendo ameaças.

Falta de material gera ameaças

As maiores reclamações no hospital de Brasiléia, seria a falta de material básico para atender os que procuram algum tipo de atendimento. Como já foi denunciado em matérias anteriores, remédios, luvas e até álcool, vem faltando.

O prédio vem apresentando problemas estruturais, equipamentos para esterilização, raio-x e máquina de lavar roupas vem apresentando defeitos constantes, sem que a Sesacre tome medidas imediatas.

Pedidos de soluções

Mesmo com os problemas expostos e vários pedidos feitos, o governo do Acre pouco tem olhado para a saúde na fronteira. Os órgãos que deveriam olhar e pedir soluções como Ministério Público, pouco interfere para que algo seja feito.

Os pedidos feitos e multas aplicadas, sequer surtiu efeito e nada foi mudado pelo Estado. O novo hospital que deveria ser entregue em 2014, está com dois anos de atraso e não tem data para finalização.

O governador do Acre, Sebastião Viana, disse que entregaria parte da obra em agosto passado, mas não cumpriu a promessa.

Matérias relacionadas:

Governo do Acre deixa hospital e postos de saúde sem segurança na Fronteira

Sindmed denuncia falta de médicos e estrutura hospitais do Acre

Deputado afirma que números do governo não refletem a realidade das áreas de segurança e saúde

Jenilson discute com SESP melhoria na segurança dentro dos hospitais em todo o Acre

Sindmed-AC convoca reunião para tratar da falta de segurança nos hospitais

Sesp promete melhoria da segurança nos hospitais

 

Comentários