A Secretaria Municipal de Saúde de Assis Brasil (Semsab) confirmou na tarde de ontem terça-feira (2), a terceira morte por complicações da Covid-19 no município.

o prefeito Antônio Barbosa (Zum) fez uma transmissão ao vivo no Facebook, sobre a situação da pandemia no município, com a participação da secretária municipal de saúde, Selma Saucedo, e do farmacêutico Marcos Sartório.
Por Raimari Cardoso

Já haviam falecido em Assis Brasil, o aposentado Humberto Gonçalves, 86 anos, o ‘seu Mento’, como era conhecido no município, pai do ex-prefeito Betinho, e o indígena Albino Jaminawa, de 64 anos.

A nova vítima é Sebastião Flores Moçambite, 78 anos, que faleceu no último sábado (30). Mesmo com resultado negativo obtido pelo teste rápido, o corpo do idoso foi sepultado conforme as medidas de segurança determinadas pelo Ministério da Saúde.

A Semsab aguardava o resultado do exame RT-PCR do paciente, cuja coleta foi feita no último dia 27 de maio. O resultado chegou na tarde dessa terça-feira confirmando que a morte de Sebastião Flores foi mesmo causada pelo novo coronavírus.

O município de Assis Brasil tem, segundo a última atualização do Boletim Municipal, 48 casos confirmados de Covid-19. São 113 casos monitorados, com 12 amostras aguardando resultado, 2 hospitalizações, 1 alta médica e 3 óbitos registrados.

Ainda na terça-feira, o prefeito Antônio Barbosa (Zum) fez uma transmissão ao vivo no Facebook, sobre a situação da pandemia no município, com a participação da secretária municipal de saúde, Selma Saucedo, e do farmacêutico Marcos Sartório.

Na live, o gestor municipal e os assessores explicaram as ações que estão sendo desenvolvidas pela saúde municipal e responderam perguntas dos internautas. Zum criticou a eficiência dos controles feitos nas barreiras sanitárias de Xapuri, Epitaciolândia e Brasiléia, o que faz com que “muita gente chegue até Assis Brasil”.

A secretária Selma Saucedo explicou como as unidades de saúde estão funcionando no atendimento à população e pediu o apoio dos moradores do município quanto ao cumprimento das medidas adotadas pelas autoridades. Segundo ela, as equipes de saúde já estão sobrecarregadas e não podem ser responsabilizar pela parte que cabe a cada um dos cidadãos.

“Não podemos monitorar as pessoas 24 horas por dia, então é por isso que contamos com a colaboração de cada um para quebrar a cadeia de transmissão do vírus com a rapidez que necessitamos”, afirmou a secretária municipal.

Outro ponto importantes da transmissão foi sobre uma denúncia de falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) nas unidades de saúde de Assis Brasil que chegou a motivar uma nota veiculada pela Sesacre e pela Unidade Mista do município.

O farmacêutico Marcos Sartório negou que faltaram EPIs no município. Segundo ele, “em nenhum momento houve a deficiência desses materiais, pois a solicitação é feita a cada 15 dias para a Divisão de Material Médico Hospitalar da Sesacre”.

Comentários