Destaque-BusaoManter os imigrantes haitianos, senegaleses e dominicanos tem custado caro aos governos federal e estadual. Além dos 4,5 milhões que foram gastos pela União com alimentação, de 2012 até hoje, o governo do estado do Acre está gastando R$1,6 milhão com fretamento de ônibus para mandar os imigrantes para São Paulo. Cada viagem custa R$ 32 mil. O governo planejou 50. Até o domingo passado foram 41 viagens. Um total de 1,8 mil estrangeiros deixaram o Acre em ônibus bancados pelo governo do Acre. A informação foi confirmada na tarde desta terça-feira pela direção de finanças da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado.

Para fretar os ônibus o governo fechou um contrato com a Agência de Viagens Solimões de Ji-Paraná, Rondônia. Os veículos são da empresa Eucatur.

Já com alimentação, somente no mês de março, foram gastos com café, almoço e janta R$ 570 mil. Neste mês, o valor deve chegar a R$ 300 mil, já que houve uma redução dos números de imigrantes.  O valor individual de um café da manhã sai a R$ 2,4 e o almoço e a janta somados a R$ 12. A empresa responsável pelo fornecimento é a MLR Albuquerque, de Brasileia.

“Esse mês deve diminuir até pela quantidade que foi para São Paulo. Mas março foi o auge”, explica o Gerente financeiro da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado, Sandy Barbosa Lopes.

Para ter acesso a alimentação diária cada imigrante recebe ao chegar ao abrigo no Parque de Exposições, em Rio Branco, um cartão, uma espécie de vale refeição. O almoço e a janta são servidos em marmitex.

Estima-se que mais de 20 mil imigrantes haitianos, senegaleses e dominicanos tenham entrado no Brasil pelo Acre, na fronteira com o Peru.

“Esse número vem reduzindo, mas a média de entrada ainda é de 20 por dia”, diz o secretário de Direitos Humanos, Nilson Mourão.

No final da semana passada, o governo do Acre mandou cinco ônibus com mais de 240 estrangeiros com destino a São Paulo.

Do ac24horas

Comentários