Conecte-se conosco





Cotidiano

Se sair, CPI da Educação terá maioria de deputados alinhados ao governo

Publicado

em

Gladson Cameli quer propor que as investigações regridam até os governos do PT. Articula também a criação de uma CPI para o programa Ruas do Povo, da gestão de Tião Viana

A Tribuna

Com nove assinaturas, o pedido de abertura da CPI da Educação deve ser encaminhado formalmente hoje para o presidente da Assembleia, deputado Nicolau Júnior, com nove assinaturas, cinco de deputados da oposição, três da totalidade da bancada do MDB e mais o deputado Neném Almeida, que se consideram “independentes”.

Assinam o requerimento os deputados Fagner Calegário (Podemos), Edvaldo Magalhães (PCdoB), Jenilson Leite (PSB), Daniel Zen e Jonas Lima (PT), Roberto Duarte, Meire Serafim, Antônia Sales, (MDB) e Neném Almeida (sem partido).

Na composição da comissão, o governo poderá ficar com os cargos da presidência e da relatoria, indicando três deputados, com um do bloco de oposição e um do bloco independente.

Uma das alternativas do governo, para tirar o foco da apuração da administração de Gladson Cameli é propor que as investigações regridam até os governos do PT. Articula também a criação de uma CPI para o programa Ruas do Povo, da gestão de Tião Viana e que vem recebendo uma série de decisões do Tribunal de Contas do Estado contestando laudos técnicos e pagamentos julgados como indevidos.

O líder do governo, deputado Pedro longo mantém sua posição contrária á CPI por julgar que o momento é de cuidar da pandemia e que essa discussão vai tirar o foco.

Comentários

Em alta