De acordo com a chefe do setor que trata a doença no estado, Carmelinda Gonçalves, o mosquito transmissor da doença, o barbeiro, pode ter sido moído junto com a polpa da fruta

Imagem ilustrativa/net
Imagem ilustrativa/net

Francisco Maian da Costa, 18 anos, e Celiana Cruz da Silva, 17, que morreram no final de fevereiro deste ano diagnosticados com doença de chagas, contraíram a doença após ingerirem açaí. A informação é do setor responsável pelo controle da doença de chagas e leishmaniose no Acre.

O resultado da análise saiu neste sábado (12) e confirmou que o casal foi infectado com a doença através do fruto.

De acordo com a chefe do setor que trata a doença no estado, Carmelinda Gonçalves, o mosquito transmissor da doença, o barbeiro, pode ter sido moído junto com a polpa da fruta e ao ingerir o alimento o casal foi infectado de uma forma mais dura. Ela contra que esse tipo de contaminação é mais agressiva.

Carmelinda orienta que as pessoas tenham cuidado na hora de preparar a polpa do açaí. Ela recomenda que o fruto seja bem lavado e inspecionado antes de ser moído.

Novos casos

O pai de Francisco, Hernandes Costas, 41 anos, também acredita que o filho e nora tenham sido contaminados através do açaí. Ele disse que já viu várias vezes o inseto nos cachos dos frutos.

Hernandes disse que ficou aterrorizado ao saber da morte do filho e da nora. Ele conta que mais duas filhas apresentaram os mesmos sintomas e estão internadas no Hospital do Juruá, em Cruzeiro do Sul, com suspeita de doença de chagas.

Com informações do G1

Comentários