Gerente do Depasa acusa secretário de negar máquina para desobstruir igarapé que abastece a cidade

A possibilidade de faltar água em alguns bairros de Xapuri por conta da ausência de chuvas é motivo de uma polêmica entre o gerente do escritório do Departamento de Água e Saneamento (Depasa) em Xapuri, Marcos Mansour, e o secretário de Infraestrutura do município, José Cecílio Evangelista.

Mansour acusa Cecílio de negar o empréstimo de uma máquina retroescavadeira de que a prefeitura dispõe para desobstruir o canal do igarapé do Fura, que abastece quase metade dos bairros da cidade. O serviço, segundo ele, é necessário para a garantia do abastecimento de água para toda a cidade.

O gerente diz que enviou diversos ofícios ao secretário e ao prefeito Ubiracy Vasconcelos solicitando o equipamento, sem que a prefeitura responda aos pedidos. Ele afirma que a recusa é motivada por questões políticas.

“Encaminhei dezenas de pedidos para que a prefeitura ajude em um problema que é de toda população, que pode ficar sem água caso esse serviço não seja realizado. A prefeitura possui a máquina que pode fazer o trabalho, mas o secretário Cecílio e o prefeito Bira não nos ajudam por diferença política. Eles têm que lembrar que nós enviamos água pra casa de todo mundo, inclusive do próprio prefeito”, relatou.

Contatado pela reportagem, o secretário José Cecílio negou as afirmações do gerente. De acordo com ele, a negativa da máquina pela prefeitura se deu em razão de o diretor de operações do Depasa, Enock Neves, ter vindo a Xapuri fazer uma vistoria na estação de tratamento, tendo averiguado que o serviço que Marcos Mansour pretende fazer é inviável.

“O próprio chefe do Mansour veio a Xapuri e disse que não é necessário fazer o serviço que ele pretende. Ele veio acompanhado de um outro técnico e constatou que a intervenção não seria viável para melhorar as condições da captação de água. Ainda assim, perguntamos a ele se precisaria da máquina, mas ele disse que não seria necessário”, garantiu.

Procurado, o prefeito Ubiracy Vasconcelos corroborou as afirmações de seu secretário. Questionado sobre a razão de não responder aos ofícios de Marcos Mansour, respondeu que desde uma ocasião em que o gerente tentou invadir a sede da secretaria de infraestrutura para agredir o secretário José Cecílio, comunicou à direção do Depasa em Rio Branco que não mais manteria relação direta com o servidor.

“Não mantemos, por diversas motivações e episódios desagradáveis, nenhum tipo de interação com o Marcos Mansour. A direção do Depasa sabe disso e também das nossas razões. Nós estamos aqui à disposição do órgão a para qualquer necessidade. Se o diretor Enock nos disser que precisa da máquina amanhã, nós enviaremos sem qualquer questionamento, mas desde que o pedido venha diretamente de Rio Branco”, concluiu.

Comentários