fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

‘Quero saber onde meu irmão está’, diz parente de manifestante detido no Peru

Publicado

em

Famílias aguardam informações dos 193 detidos em universidade no Peru
Carlos Mandujano / AFP

Por AFP

Polícia prendeu 193 pessoas que estavam abrigadas na Universidade de San Marcos; famílias dizem não ter informações

“Quero saber onde meu irmão está”, exige Domitila Quispe em frente à Direção contra o Terrorismo (Dircote) de Lima, aonde compareceu, no domingo (22), para descobrir o paradeiro de seu familiar, um dos 193 detidos na véspera na Universidade de San Marcos, onde dormiam manifestantes que vieram de zonas andinas para protestar contra o governo peruano.

As famílias não têm notícias sobre seus entes desde ontem, quando a polícia entrou na universidade derrubando o portão com um blindado. “Não dormi. Quero saber onde está meu irmão, que me enviou uma mensagem no WhatsApp dizendo que havia sido detido”, disse à AFP Domitila Quispe (47), que viajou de Huancavelica a Lima com seu irmão Silvério (40) para participar das manifestações que pedem a renúncia da presidente Dina Boluarte.

“O celular dele está desligado, quero saber se está comendo. Ele veio participar da passeata pacífica”, afirmou Domitila, que segurava uma sacola com papel higiênico e biscoitos para entregar ao irmão preso.

Com sopa, pão, água e ítens de higiene, cerca de 30 familiares e amigos dos 193 detidos concentravam-se em frente às sedes da Dircote e da Direção Nacional de Investigação Criminal (Dirincri), que estavam fortemente protegidas por dezenas de policiais. Também compareceram ao local representantes da Coordenadoria de Direitos Humanos, a fim de verificar a situação dos manifestantes detidos.

Preocupação com os presos

“Viemos a Lima para fazer com que nossos direitos sejam respeitados. Estou lutando pelos meus irmãos de Juliaca, Azángaro e Ayaviri que estão detidos. A polícia não nos deixa entrar para averiguar”, criticou Héctor Apaza, procedente da região de Puno. “Graças a Deus sai da universidade, estou são e salvo”, disse esse camponês de 51 anos, que vestia roupa preta em sinal de luto pelos 46 mortos desde o início dos protestos no Peru.

O governo do país alega que as passeatas são promovidas por movimentos e grupos sociais radicais de esquerda que mobilizaram camponeses indígenas.

“Viemos para que nos ouçam, e não para sermos chamados de tantas coisas”, disse Bianett Monroy, 35, que veio com o marido da cidade de Juliaca. “Estamos preocupados, ela está incomunicável, não sabemos nada sobre ela”, criticou Bianett em frente à Dirincri, referindo-se à amiga Rosa Condori (32), para quem trouxe o café da manhã.

Julia Quispe, 73, que escapou de ser presa na universidade, pediu a libertação dos três amigos com os quais viajou para a capital desde a região de Ayacucho. “Peço a libertação dos três companheiros. Viemos juntos, ficaremos aqui até eles serem soltos”, disse Julia em frente à Dircote, para onde levou potes de plástico contendo sopa.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Local de prova do concurso unificado será divulgado hoje, às 10h

Publicado

em

Por

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) disponibiliza, nesta quinta-feira (25), às 10h, o Cartão de Confirmação de Inscrição do Concurso Público Nacional Unificado (CPNU). O documento traz, entre outras informações, local de prova, número de inscrição, data, hora das provas em 5 de maio e se a pessoa inscrita terá direito a atendimento especializado ou tratamento pelo nome social, caso solicitado previamente.

O Cartão de Confirmação de Inscrição estará disponível na Área do Candidato, no mesmo site em que a pessoa fez a inscrição. Para acessar, é preciso fazer login com os dados da conta do portal do governo federal, o Gov.br .

Apesar de não ser obrigatório, o Ministério da Gestão recomenda levar o cartão impresso no dia das prova do chamado Enem dos Concursos, junto com o documento de identidade original com foto, conforme mencionado no edital. Não serão aceitas cópias – mesmo que autenticadas.

>> Clique aqui e saiba o que o candidato pode e não pode levar no dia do exame.

Os portões serão abertos aos candidatos às 7h30 (horário de Brasília), para as provas do período matutino. Já no período vespertino, os portões abrirão às 13h (horário de Brasília).

>> Clique aqui e confira mais informações sobre os horários e tempo de duração das provas.

Verificação

O candidato deve verificar se todas as informações sobre a inscrição estão corretas, como município indicado pelo candidato no ato de inscrição do certame.

O Ministério da Gestão avisa que, se houver qualquer tipo de erro ou se o local de aplicação da prova for muito distante da residência do candidato, é preciso entrar em contato com a Fundação Cesgranrio (telefone: 0800 701 2028), organizadora do concurso, com brevidade, e pedir a correção do que for necessário.

 “É possível o candidato solicitar a correção do cartão de confirmação, de acordo com o que ele fez no ato da inscrição, mas não é possível pedir para mudar de cidade agora. O que vale é o que foi declarado no ato da inscrição”, esclarece o coordenador-geral de logística do CPNU, Alexandre Retamal.

Entre os dias 25 de abril e 4 de maio, véspera do concurso, a Cesgranrio prestará atendimento aos candidatos com dúvidas sobre os locais de provas, vagas reservadas ou tratamento diferenciado durante a aplicação das avaliações, entre outras situações.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo

Brasil

Com figurinos da Portela, mostra Um Defeito de Cor chega a São Paulo

Publicado

em

Por

Os figurinos do desfile da Escola de Samba Portela no carnaval deste ano foram incorporados à exposição Um Defeito de Cor, baseada no livro da escritora Ana Maria Gonçalves. A mostra, que reúne 372 peças de diversos artistas com diferentes linguagens, será aberta ao público nesta quinta-feira (25), no Sesc Pinheiros, zona oeste da capital paulista.

A exposição já havia passado por Salvador e pelo Rio de Janeiro quando a escola de samba transformou o livro em enredo. Ver as imagens que criou desfilando na avenida emocionou a autora. “Eu falo que venci na vida”, diz Ana Maria Gonçalves, em entrevista à Agência Brasil ao falar da homenagem.

Na visão da autora, o desfile da Portela foi um encontro de duas manifestações artísticas e culturais que se complementam, mas que “se encontravam muito afastadas”. Ana Maria considera a literatura “uma das artes mais elitistas, principalmente no Brasil”, enquanto o samba muitas vezes não é reconhecido em toda a sua dimensão.

“O carnaval, como uma das tradições artísticas e culturais brasileiras mais populares, muitas vezes, não é visto com a complexidade intelectual, artística e cultural que traz para a gente”, diz a escritora. Ao acompanhar o dia a dia da Portela na construção do desfile, porém, Ana Maria disse ter percebido que a realidade desmente essa opinião superficial. “Não é à toa que as agremiações que produzem essa grande manifestação se chamam escolas. Tem muito para se aprender dentro de uma escola de samba”, enfatiza.

Após o desfile, as vendas do livro dispararam. “Nas duas semanas após o desfile, o livro esgotou no principal canal de vendas, na Amazon. E a editora precisou reimprimir três edições. Sou muito grata à Portela por essa visibilidade que a literatura sozinha nunca tinha me trazido”, comenta Ana Maria.

“O livro que eu queria ler”

Lançado em 2006, Um Defeito de Cor é um romance histórico que acompanha a trajetória de uma mulher africana que foi escravizada e trazida ao Brasil no século 19. Após se libertar, ela volta ao país de origem. Porém, anos mais tarde, já muito idosa, retorna ao Brasil em busca de um filho que foi vendido pelo pai ainda criança.

“Parafraseando a [escritora norte-americana] Toni Morrison, era um livro que eu queria ter lido e não encontrei para ler, então, eu parti para escrever. É a história do Brasil contada a partir do ponto de vista de uma mulher negra, que era um ponto de vista do qual a gente não tinha tido contato ainda”, explica a autora a respeito das motivações que a levaram a criar a obra.

Esse sentimento é algo que Ana Maria acredita ter em comum com os diversos artistas que compõem a mostra. “É um atravessamento do assunto que faz com que a gente possa ser colocado no mesmo lugar, na mesma exposição, que forma um corpo artístico coeso. Ali a gente tem tanto artistas já consagrados, como Abdias do Nascimento, Ieda Martins, quanto gente que estava produzindo muito antes do Defeito de Cor, do livro ser lançado, e cujo trabalho eu não necessariamente conhecia antes de escrever”, diz a autora.

Presença

Ana Maria ressalta que a diversidade de visões apresentadas na exposição é um ponto fundamental. “Durante muito tempo, também tem-se falado da gente [em termos] de representatividade, e eu, como escritora negra, não necessariamente represento todas as outras escritoras negras. A gente está falando de assuntos diferentes, de maneiras diferentes, de gêneros diferentes”, afirma ao defender a necessidade de que os espaços acolham em quantidade e diversidade.

“Uma coisa que  a exposição traz é presença, está cada um ali representando a si, a riqueza do material que está ali na exposição. São quase 400 obras de mais de 130 artistas. É muito bonito  ver como cada um, dentro da sua individualidade, contribui para a gente montar ali um todo”, acrescenta.

Em São Paulo poderão ser vistos alguns trabalhos inéditos, como o Retrato de Ana Maria, pintado por  Panmela Castro, e  Bori – filha de Oxum, de Moisés Patrício. A entrada do Sesc Pinheiros receberá o mural Romaria, de Emerson Rocha.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo

Brasil

Operação Escudo: PMs viram réus acusados de matar homem desarmado

Publicado

em

Por

Policiais da Rota durante Operação Escudo
Reprodução/Polícia Militar do Estado de São Paulo

Policiais da Rota durante Operação Escudo

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) aceitou, nesta quarta-feira (24), a denúncia do Ministério Público (MP) contra dois da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) , a tropa de elite da PM paulista. Ambos se tornaram réus por matar um homem desarmado, em 29 de julho de 2023, durante a Operação Escudo , realizada no Guarujá, em São Paulo.

A denúncia afirma que os policiais Rafael Perestrelo Trogillo e Rubem Pinto Santos teriam matado Jefferson Ramos Diogo, de 34 anos, com quatro tiros que atingiram queixo, costas, perna esquerda e braço direito, em uma favela localizada na rua Quatro.

Além disso, os dois agentes da Rota são acusados de plantar uma pistola no local do assassinato. Segundo o depoimento dos policiais, o homem teria apontado uma arma aos policiais após avistar a viatura em que estavam. Depois disso, eles teriam disparado oito tiros de fuzil contra a vítima.

No Boletim de Ocorrência, ambos afirmaram que Jefferson não conseguiu reagir. Porém, o B.O foi atualizado, contendo a informação “troca de tiros”. Com as versões conflitantes, o MP decidiu denunciar os agentes.

Esta não é a primeira vez que agentes da Operação Escudo viram réus. Em dezembro, dois policiais foram denunciados por um duplo homicídio no Guarujá .

Quer ficar por dentro das principais notícias do dia? Clique aqui e faça parte do nosso canal no WhatsApp

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo