Acre recebeu carregamento de combustível vindo do Peru.

Kellyton Lindoso

Em virtude do isolamento, ocorrido por causa da cheia do rio Madeira, o Acre está recorrendo ao Peru para abastecer os postos de combustíveis. Porém, de acordo informações, o combustível vindo do país vizinho é de qualidade duvidosa.

O comentário foi feito pelo jornalista Altino Machado que, em publicação em seu perfil em uma rede social, dá a entender que os combustíveis que estão abastecendo a capital podem gerar danos nos veículos de quem mora no estado.

Acre recebeu carregamento de combustível vindo do Peru/Foto: Alexandre Lima
Acre recebeu carregamento de combustível vindo do Peru/Foto: Alexandre Lima

“O que pode acontecer com os motores dos carros, em Rio Branco, após serem abastecidos com gasolina importada do Peru, supostamente com 100% de pureza, sem aditivo de etanol?”, indaga o jornalista.

Após a indagação do jornalista, vários internautas testificaram o comentário, dando exemplos de situações vivenciadas após o abastecimento. A internauta Régis Paiva afirma que enfrentou problemas por causa da qualidade do combustível.

“Depois que começou a falta de combustíveis, meu carro começou a “engasgar” em baixa rotação, o que só tinha acontecido quando abasteci em um certo posto que vende gasolina “batizada”, o que denota que a gasolina de agora também o é”.

Quem se manifestou também foi a subsecretária de comunicação do Estado, Andréa Zílio, afirmando que não há nada de errado com o combustível, no que diz respeito a sua qualidade.

“O combustível vindo do Peru, segundo informações da própria Petrobras, veio seguindo as exigências da ANP, ou seja, gasolina comum, com 15% de álcool, com corante amarelo (no Peru, é branco), portanto, totalmente adaptada para as condições do combustível usado no Brasil”.

Comentários