“É uma situação insustentável, de humilhação e descaso”, disse um deles

EVERTON DAMASCENO

Um grupo de pelo menos 50 médicos e enfermeiros acreanos, contratados pelo governo peruano para trabalhar no Hospital Santa Rosa, durante a pandemia do coronavírus, em Puerto Maldonado, não recebem salário e estão sem estadia paga desde o início do contrato.

Em junho os profissionais começaram a trabalhar. Na proposta enviada a cada um, além do salário, cada profissional teria estadia e alimentação pagos em um hotel da cidade, mas, por falta de repasse do valor, esta já é a segunda vez em que eles são quase despejados do local.

Hotel em que estão hospedados/Foto: Reprodução

Angustiado, Nilton disse que alguns têm vivido “pela fé”. “Tem horas que a gente não sabe o que fazer e nem a quem socorrer. Não temos possibilidades aqui. Sempre que falamos com o governo, eles garantem que vão resolver, mas não é isso que acontece”, continuou.

“É uma situação insustentável, de humilhação e descaso. Saímos das nossas residências para ajudar a salvar vidas, mas não estamos recebendo salário e o tempo todo somos ameaçados de despejo, por falta de repasse do governo”, disse o médico acreano Nilson Chaves, de 39 anos, à reportagem.

Angustiado, Nilton disse que alguns têm vivido “pela fé”. “Tem horas que a gente não sabe o que fazer e nem a quem socorrer. Não temos possibilidades aqui. Sempre que falamos com o governo, eles garantem que vão resolver, mas não é isso que acontece”, continuou.

Nilton destacou ainda que quase todos os profissionais foram infectados pelo coronavírus, por conta da exposição diária, e nem por isso, receberam tratamento adequado do governo. “Tivemos que medicar uns aos outros e nos tratarmos entre nós, porque se fôssemos esperar pelo governo, nada aconteceria”, destacou.

Todos eles seguem trabalhando normalmente, mesmo sem o provento e com o risco de perder um teto para descansar depois de horas corridas de plantões e atendimentos.

Entre os médicos e enfermeiros reclamantes, estão: Bruna Dalsoglio, Elisiane Mara Silva, Elisandra De Menezes, Raquel Batista, Ronyelle De Oliveira, Sueli Barbosa, Antônio Jairferson, Saloniel Castro, Antonia Geovania, Juliana Fortes, Nazilene Dias, Sônia Bezerra, Weyner Mendes e Nilson chaves. Bolivianos também foram contratados.

O Peru já superou a marca de 500 mil casos de coronavírus e chega a 25 mil mortes. A região de Madre de Dios, cuja capital é Puerto Maldonado, tem 4.399 contaminados e 122 óbitos pela doença.

Comentários