“Ninguém está interessado em grupo de trabalho para estudar a situação econômica do Estado”, diz Rosana Nascimento

O comando de greve dos professores da rede estadual de educação recusou a proposta do governo do Acre para criação de um grupo de trabalho para estudar a realidade financeira do Estado.

O governo pretendia, caso o grupo fosse formado, “definir possibilidades de atendimento de demandas”, relacionada à VDP e ao piso dos servidores administrativos e de apoio.

Professores em greve se reuniram na Praça da Revolução/Foto: Everton Damasceno/ContilNet
Professores em greve se reuniram na Praça da Revolução/Foto: Everton Damasceno/ContilNet

Os professores, que já estão em greve há 25 dias, decidiriam continuar com os braços cruzados. Na manhã desta segunda-feira, na Praça da Revolução, liderados pelo Sinteac (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Acre), eles criticaram a proposta do governo.

Os professores, cuja principal reivindicação é um reajuste salarial de 25%, disseram que torcem para que o governo os atenda para evitar que a paralisação dura mais tempo.

A presidente do Sinetaac, Rosana Nascimento, criticou a proposta do secretário de Educação, Marco Antônio Brandão, para criação  de grupo de trabalho, envolvendo governo e sindicato para estudar a realidade financeira do Estado.

“Não queremos uma proposta como essa. Ninguém está interessado em grupo de trabalho para estudar a situação econômica do Estado. Estamos interessados no nosso direito, que é o reajuste salarial. Fazer grupo de trabalho não é proposta”, afirmou Rosana Nascimento.

11721810_810901729017154_547776501_n

 

Comentários