Professores da rede de ensino pública se reuniram em assembléia ontem, no Colégio Acreano, para discutir as reivindicações da categoria. Muitos pontos debatidos no encontro são antigos e que os professores continuam lutando para serem atendidos.

AlcileneAlcilene Gurgel, presidente do Sindicato dos Professores Licenciados do Acre (Sinplac), a pauta será debatida no próximo ano. “A assembléia foi para pontuar as reivindicações para 2013. Todos os anos tiramos a pauta de reivindicação e trabalhamos isso com a categoria. A pauta irá nortear as nossas negociações do próximo ano e é sempre colocado que pelo menos se não formos atendidos no básico, pode acontecer uma greve, mas ainda vamos negociar. Não somos irresponsáveis e não vamos comprometer o ano letivo dessa forma”.

Segundo a presidente do sindicato, três reivindicações são as principais e mais esperadas pela categoria. “Encaminhamos o ofício à Secretaria de Educação e vamos dar o prazo desse mês de recesso, para voltar as negociações em fevereiro. As nossas principais reivindicações são o reenquadramento, onde ao longo dos anos a gente vem batendo nessa tecla. Em 1999, quando foi feito o PCCR da educação fomos reenquadrados voltando letras na tabela. Hoje 80% dos professores quando se aposentarem não vão chegar a última letra e ter perdas. Que carreira é essa que você tem o tempo de serviço e  a idade que a lei pede e não chega na última letra? A outra questão são sobre os professores provisórios. Tem muita gente com contrato provisórios e que não tem os direitos trabalhistas garantidos, como férias, bônus. Além disso, a carga horária deles são maiores e eles ganham menos que um professor efetivado. Queremos equiparar os pisos. A questão do reajuste salarial de 15% também está entre as reivindicações. Todos os anos pedimos um percentual. Hoje o piso de um professor é cerca de R$ 1800,00”.

Uma possível greve pode acontecer se a categoria não for ouvida. “Em primeiro lugar iremos conversar. Caso não sejamos atendidos, iremos radicalizar. Vamos aguardar, precisamos das escolas e as escolas precisam da gente. Como está tudo parado, não adianta nada. Em fevereiro voltaremos com força e iremos mobilizar a categoria. Esperamos que eles comecem a estudar a proposta a partir de agora”, concluiu Alcilene.

Comentários