Conecte-se conosco





Brasil

População do Norte do Brasil é a mais otimista em relação à recuperação econômica do país

Somente os moradores da região Centro-Oeste estão tão otimistas assim com a perspectiva de mudança no âmbito pessoal (a média nacional é de apenas 23%).

Publicado

em

18% dos entrevistados na região acreditam que a melhoria será ainda neste ano, revela pesquisa

A crise econômica potencializada pela pandemia da Covid-19 tem deixado os brasileiros apreensivos, principalmente em relação a situação econômica. Mas os moradores da região Norte são os mais otimistas entre os que acreditam na melhoria da economia brasileira ainda para este ano.

De acordo com pesquisa realizada pelo Radar Febraban, realizada no mês de junho e divulgada nesta quarta-feira (13), a maioria da população está pessimista quanto à possibilidade de a economia e as finanças pessoais se recuperem até o final deste ano.

Em todo o país, 68% dos entrevistados não acreditam que a economia brasileira dê sinais de melhora em 2021. Porém, 18% da população da região Norte afirma que tudo vai melhorar ainda este ano, a avaliação mais otimista da pesquisa. Os nortistas que acreditam na melhora apenas em 2022 somam 59%.

Também são os nortistas que mais apostam na recuperação da situação financeira pessoal e dos familiares ainda neste ano, com 29% de avaliação positiva nesse quesito. Somente os moradores da região Centro-Oeste estão tão otimistas assim com a perspectiva de mudança no âmbito pessoal (a média nacional é de apenas 23%).

Realizada no período de 18 a 25 de junho, essa é a segunda edição do Radar Febraban que também melhora a percepção sobre todos os aspectos econômicos em relação a mesma avaliação realizada em março, quando ocorreu a edição anterior da pesquisa.

Se melhorar, no que investir?

Questionados sobre o futuro, caso haja um cenário de melhora na situação financeira, 37% dos nortistas afirmaram que vão utilizar seus recursos extras em investimentos bancários que não sejam a tradicional poupança (esta é a preferida de 34% dos entrevistados).

São os nortistas que também acreditam ser mais interessante o investimento em imóveis (37% da opinião, contra 27% da média nacional) e na reforma da casa (27%, contra 24% da média nacional).

A avaliação sobre as contribuições das instituições financeiras para o país e a população no Norte é positiva: 64% dos entrevistados acham que os bancos contribuem positivamente para o desenvolvimento da economia brasileira, mesmo índice percebido sobre a contribuição dos bancos para ajudar o país, a população e seus clientes a enfrentarem a crise da Covid-19.

No geral, a satisfação com os bancos na região atinge 71%.

“Embora mostrem que ainda é grande o sentimento de pessimismo com relação à evolução da economia nos próximos meses, os números dessa edição do Radar Febraban também revelam aumento substancial das expectativas positivas no que toca a alguns aspectos centrais, destacando-se o desemprego, que saiu de 12% para 22% de percentual entre os que acreditam que vai diminuir, e o poder de compra das pessoas, que aumentou de 16% para 25%”, aponta o cientista político e sociólogo Antonio Lavareda, presidente do Conselho Científico do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (IPESPE), responsável pela pesquisa.

“Embora o contingente mais otimista ainda seja minoritário, o movimento – mais acentuado na faixa de maior instrução – sugere que o avanço da vacinação e dos sinais objetivos da retomada da economia impulsionarão a partir de agora as expectativas positivas”, acrescenta.

Sobre o Radar Febraban

A pesquisa Febraban Ipespe, foi lançada em junho de 2020 com objetivo de se tornar uma fonte de informações sobre as perspectivas da sociedade e o potencial impacto econômico-financeiro, ouvindo a população e estimulando o debate em diversos setores. Com periodicidade trimestral, a iniciativa é parte de uma série de medidas da Febraban para ampliar a aproximação dos bancos com a população e a economia real, de forma cada vez mais transparente. (A.I.)

Comentários

Em alta