Conecte-se conosco

Brasil

Políticos brasileiros têm WhatsApp clonado e desconfiam de “grampo” em aplicativo

Publicado

em

O deputado Arthur Maia (PPS-BA), à esq., e o ministro Carlos Marun (MDB-MS) foram vítimas de clonagem do WhatsApp – Pedro Ladeira/Folhapress

Um mistério atormenta políticos que circulam pelo Congresso Nacional e gera desconfiança crescente: de 2016 até agora, dezenas de parlamentares tiveram o aplicativo de mensagens WhatsApp clonado por golpistas.

De acordo com levantamento feito pelo UOL, pelo menos 20 políticos, a maioria deles deputados federais, tiveram o aplicativo clonado no período em questão. Diante deste cenário, a Polícia Legislativa emitiu um comunicado a todos os deputados federais e senadores recomendando que instalem a verificação por senha e e-mail no aplicativo o quanto antes, o que dificulta a invasão ou clonagem.

Pior, de acordo com o que alguns congressistas disseram à reportagem, é o receio de que, se é possível invadir o aplicativo para tentar aplicar um golpe ou extorsão, como aconteceu nos casos que vieram à tona, também é possível espionar seu conteúdo. E eles estão certos. “O WhatsApp é um aplicativo muito seguro, mas os telefones celulares não são”, diz Emílio Simoni, diretor do DFNDR Lab da Psafe, empresa especializada em segurança digital, para resumir a situação.

“Geralmente, as clonagens são utilizadas para aplicação de golpes e extorsão, mas em tese é possível utilizar as técnicas para capturar o conteúdo de mensagens e mídia do WhatsApp em trabalhos de inteligência criminosa e espionagem. Os parlamentares não estão ficando paranoicos não. Agora, se isso está mesmo ocorrendo, é outra história”, diz o especialista em segurança. “A maioria das pessoas pensa que esta história de hacker só acontece no exterior e isso não é verdade. Os hackers brasileiros estão entre os melhores do mundo.”

Polícia Federal diz que investiga os casos

Para o ministro Carlos Marun (MDB-MS), da Secretaria de Governo, um dos afetados pela clonagem do WhatsApp, a situação é complicada. “Fui vítima da clonagem e fiquei sem acesso ao meu WhatsApp por mais de seis meses”, afirma o ministro, vítima do golpe no início do ano passado, enquanto ainda exercia o mandato de deputado federal.

“Além do contratempo de ficar sem uma das principais ferramentas de comunicação que utilizamos hoje em dia e de ter sido vítima de um golpe, fica também uma sensação de violação da intimidade e da privacidade. Agora, quem é que me garante que meu aplicativo não é bisbilhotado por aí?”, questiona o ministro.

Ele reclama que entrou em contato com a equipe do aplicativo diversas vezes até conseguir demonstrar o problema e recuperar o acesso à própria conta (leia o posicionamento do WhatsApp mais abaixo).

Marun conta que registrou uma denúncia na Polícia Federal, mas não teve mais notícias sobre o caso. “Parece que a coisa ficou meio parada por lá.” Outros parlamentares afirmam que também pediram providências à PF.

Em nota enviada ao UOL, por meio de sua assessoria de imprensa, a PF afirma que está investigando o caso e, por isso mesmo, não iria comentar.

Ameaça de expor pornografia de celular de deputado

Outra vítima foi o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), que teve o aplicativo de mensagens clonado no início deste ano. “É um absurdo e ninguém sabe ainda a extensão destas invasões, deste tipo de ataque”, diz. “Vou fazer uma representação ao MPF [Ministério Público Federal] pedindo que obrigue o WhatsApp a ter uma representação efetiva para atender aos clientes no Brasil. Esse canal não existe e levou dez dias para conseguir falar com eles e obter uma solução”, afirma Teixeira.

O deputado conta que teve as contas clonadas em quatro números de celular e aparelhos diferentes e que uma pessoa de sua lista de contatos chegou a depositar R$ 600 para o golpista que pediu dinheiro em seu nome. Ele denunciou o caso à Polícia Legislativa e disse que está cobrando a operadora pelo prejuízo, já que no caso dele os golpistas aparentemente conseguiram registrar os números dele em outros chips.

“Essa situação de desconfiança está tirando o sono de muita gente”, afirma um deputado que pediu para não ser identificado na reportagem. Ele foi vítima de uma invasão no aplicativo de mensagens e de uma tentativa de extorsão. “Não tinha corrupção lá dentro, não, se é o que você quer saber”, diz o parlamentar.

“O que existia era alguma pornografia compartilhada em grupos de amigos, e o golpista ameaçou expor. Eu nem tinha compartilhado nada e não me preocupei”, conta ele. “Falei que era deputado e que ia entregar o caso para a PF, nunca mais me procurou e eu mudei o aparelho, a linha e a conta no aplicativo de mensagens”, diz. “Agora, imagina quem tem o que não deve registrado ali? Não dorme em paz nunca mais”, afirma, em tom de brincadeira.

De acordo com o levantamento feito pelo UOL -junto aos próprios parlamentares, grupos de WhatsApp de partidos políticos, mensagens em redes sociais e notícias veiculadas na imprensa–, políticos de todos os matizes ideológicos e de partidos diferentes foram vítimas de clonagem e golpes no WhatsApp. Há ao menos vítimas de PT, PSDB, PMDB, PR, PSB e PSC.

O ministro Marun ficou sem acesso à própria conta no aplicativo por mais de seis meses

Compartilhamentos perigosos

De  acordo com Simoni, o diretor do DFNDR Lab, os golpes no WhatsApp acontecem, principalmente, por meio do compartilhamento (em grupos ou em contatos diretos) de links com vírus ou outros códigos maliciosos. Quando o usuário clica no link suspeito, o hacker consegue instalar programas no celular que roubam dados pessoais e bancários, além do conteúdo de mensagens em aplicativos e as fotos, vídeos e documentos salvos no aparelho e nas nuvens a ele associadas.

“Quem usa o sistema operacional Android, que por ser o mais usado é também o mais atacado, tem que ter um antivírus instalado, é primordial essa proteção”, afirm

“Nesta modalidade, o hacker não apenas obtém o conteúdo de conversas e mídias, ele assume o controle do celular e passa a interagir com os contatos da vítima, geralmente para pedir dinheiro em nome dela”, diz o especialista em segurança. “Mas não só para isso. Neste tipo de golpe também é comum o invasor tentar chantagear a vítima com a ameaça de expor aos contatos salvos no aparelho alguma foto ou conteúdo comprometedor”, afirma ele.

Para tanto, é necessário conseguir mudar o registro do número do telefone do original para um chip em posse do hacker. Depois ele instala o WhatsApp no aparelho, que associará o chip à conta e permitirá o acesso ao aplicativo. “Por isso é tão importante instalar a verificação com senha e e-mail, fica praticamente impossível de invadir”, afirma Simoni.

“Usando as mesmas técnicas, seja por vírus ou registro de chip, é possível invadir o WhatsApp e outros aplicativos não para golpes, mas para fins de espionagem industrial, por exemplo. Essa é uma preocupação constante em grandes empresas. Me parece natural que o mesmo problema possa afetar políticos.”

Ele pondera que este é um golpe sofisticado e que geralmente as vítimas são escolhidas a dedo. “Por depender da ação coordenada de uma quadrilha, com gente dentro da operadora, as vítimas são escolhidas nominalmente, não tem como fazer isso em massa de forma automática que nem no caso dos links maliciosos”, diz.

O especialista explica que, no laboratório de segurança que comanda, a popularização das invasões no WhatsApp foi percebida a partir de meados de 2016 e só aumentou até hoje. De acordo com levantamento da Psafe, os brasileiros clicam, em média, em oito links maliciosos a cada segundo. No último trimestre do ano passado, foram mais de 66 milhões de ataques virtuais registrados no Brasil.

WhatsApp oferece canal de denúncia

Procurado pela reportagem, o WhatsApp mandou um link a partir do qual os usuários podem denunciar “clonagem ou algum uso errôneo” da sua conta no aplicativo. A empresa informa também que possui 1,2 bilhão de usuários no mundo e 120 milhões no Brasil e que sua prioridade é criar um ambiente seguro para os usuários se comunicarem.

A assessoria de imprensa do aplicativo dá algumas dicas de segurança (veja abaixo). Entre elas, estão a de desconfiar de mensagens com erros gramaticais ou de grafia e evitar acessar links de origem desconhecida.

Comentários


Brasil

Posse de Lula terá mais de 700 agentes da Polícia Federal atuando na segurança

Publicado

em

Presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva em evento de campanha
ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL

Além de integrantes da corporação em Brasília, servidores que atuam em outros estados foram convocados para cerimônia 

A Polícia Federal será o principal órgão a atuar na cerimônia de posse do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, em 1º de janeiro de 2023. O evento já é planejado para garantir que não ocorram incidentes. Serão mais de 700 agentes em atuação na capital federal.

O esquema de segurança abrange toda a região da Esplanada dos Ministérios, além do setor de hotéis — onde se hospedarão diversas delegações estrangeiras  e embaixadas, que receberão representantes de outras nações.

De acordo com fontes ouvidas pelo R7, a PF trará agentes de outros estados para reforçar o suporte. A ideia de usar agentes recém-formados pela Academia Nacional de Polícia chegou a ser avaliada, mas não avançou em razão da complexidade do evento.

A delegação dos Estados Unidos deve ocupar 200 quartos de um hotel. Nesse caso, além de policiais federais, agentes de entidades de segurança e investigação americanos atuarão no esquema de segurança. Sistemas antidrone serão ativados na região da Esplanada e qualquer equipamento não autorizado que se aproximar da praça dos Três Poderes será abatido.

Atiradores de elite ficarão posicionados no alto dos prédios dos ministérios e agentes à paisana circularão em meio ao público para acompanhar a movimentação. Barreiras feitas pela Polícia Militar e acompanhadas por autoridades federais serão montadas na Esplanada, desde a altura da Catedral até o Palácio do Planalto.

A entrada de veículos nas vias que dão acesso à praça dos Três Poderes será proibida, e o público não poderá ingressar na área do evento com objetos que possam representar risco à segurança, como facas, cabos de bandeira e outros utensílios.

Nos eventos de posse anteriores, a segurança se concentrava no Gabinete de Segurança Institucional (GSI). No entanto, desta vez, o órgão exercerá papel secundário e a PF ficará responsável pela maioria das atividades de manutenção da segurança no evento.

Comentários


Continue lendo

Brasil

Relatórios do Orçamento de 2023 serão analisados na CMO nesta semana

Publicado

em

A cúpula menor, voltada para baixo, abriga o Plenário do Senado Federal. A cúpula maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.

Projeções de receita e despesa totalizam R$ 5,2 trilhões

A Comissão Mista de Orçamento (CMO) analisa entre os dias 7 e 8 de dezembro os 16 relatórios setoriais referentes ao projeto da Lei Orçamentária Anual de 2023 (PLN 32/2022). Cada relatório detalha uma área do Orçamento da União e avalia as emendas que contemplam os órgãos daquela área, sugerindo quais devem ser aceitas.

O Relatório Preliminar do Orçamento de 2023 já foi aprovado na comissão e prevê que as projeções de receita e despesa totalizam R$ 5,2 trilhões, sendo R$ 143,5 bilhões destinados ao orçamento de investimento das estatais e R$ 5 trilhões aos orçamentos fiscal e da seguridade social. Destes, R$ 2 trilhões referem-se ao refinanciamento da dívida pública federal.

A votação do Orçamento de 2023 está prevista dia 16 de dezembro, em reunião conjunta do Congresso Nacional. No dia anterior, a comissão mista deve votar o parecer final do relator-geral do Orçamento de 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI).

O texto de Castro prevê que a meta para o déficit primário do governo central em 2023 foi fixada em R$ 65,9 bilhões na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2023, o equivalente a 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB), com aumento em relação ao déficit primário apurado em 2021 (0,41% do PIB). No Projeto de Lei do Orçamento Anual (PLOA) de 2023, a previsão é que o resultado primário do governo central seja um pouco menor do que a meta da LDO (R$ 63,7 bilhões).

PEC da Transição

Nesta semana, parlamentares também devem definir os próximos passos da PEC da Transição. Protocolado formalmente no Senado na quarta-feira (28), o texto exclui o Programa Auxílio Brasil, que deverá ser rebatizado de Bolsa Família, da regra do teto de gastos para os próximos anos.

A medida apresentada pelo senador Marcelo de Castro é uma forma de viabilizar a manutenção do valor mínimo de R$ 600 para o programa de transferência de renda, além de instituir um valor adicional de R$ 150 por criança menor de 6 anos de idade de cada beneficiário. Esse é um dos principais compromissos de campanha do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na prática, com o valor assegurado para o programa assistencial, os recursos ordinários do Orçamento ficariam liberado para serem remanejados, no todo ou em parte, para outras despesas. A única mudança realizada por Castro em relação ao texto proposto pelo governo eleito de Luiz Inácio Lula da Silva é em relação ao prazo de 4 anos para validade para a medida. Inicialmente, a exclusão do Bolsa Família do teto de gastos seria permanente.  Pelos cálculos dos valores previstos no PLOA de 2023, a manutenção do Bolsa Família em R$ 600 teria um custo total de até R$ 175 bilhões.

Comentários


Continue lendo

Brasil

França e Inglaterra vão se enfrentar pela primeira vez em mata-mata de Copa do Mundo

Publicado

em

O segundo dia de jogos eliminatórios na Copa do Mundo 2022 também não deu chances para zebras. A França confirmou seu favoritismo diante da Polônia, enquanto a Inglaterra bateu Senegal e ambas as seleções vão se enfrentar no próximo sábado pelas quartas de final do mundial do Catar.

As duas equipes chegaram a sofrer em certo momento do jogo. Os poloneses chegaram a ter chance clara de abrir o placar contra os franceses, enquanto os senegaleses colocaram Pickford para trabalhar antes do placar ser aberto. Mas bastou um gol das favoritas para que tudo acontecesse de forma natural até o apito final.

França e Inglaterra farão um duelo entre campeões mundiais nas quartas de final da Copa. É um confronto que tem acontecido pouco, principalmente em competições oficiais. Por Copas do Mundo, apenas duas vezes: duas vitórias da Inglaterra em 1966 e 1982, ambas ainda na primeira fase da competição.

Se os ingleses podem se animar com esse retrospecto favorável em mundiais, o histórico recente já deixa os franceses mais confiantes. No século XXI, a Inglaterra bateu a França apenas uma vez, em 2015. Nos outros cinco jogos no período, são quatro vitórias francesas e um empate.

A última vez que as seleções mediram forças foi por um amistoso em 2017. A França venceu por 3 a 2 com gols de Umtiti, Sidibé e Dembélé, enquanto Kane marcou os dois tentos ingleses. Daquele dia, Lloris, Varane, Dembélé, Mbappé e Giroud devem entrar em campo novamente pela França no sábado; na Inglaterra, John Stones e Kane foram titulares, enquanto Walker entrou para o segundo tempo.


ogol.com.br

Comentários


Continue lendo

Em alta