Conecte-se conosco





Brasil

Político respeita povo organizado e que sabe se manifestar, diz Girão

O parlamentar também falou sobre o projeto de lei sobre o voto impresso, atualmente em tramitação no Congresso.

Publicado

em

Programa Sem Censura entrevista o senador Eduardo Girão. Contribuem como debatedores os jornalistas Gustavo Uribe (CNN) e Isabel Mega (BandNews).

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) disse nesta segunda-feira (12), que os políticos respeitam um povo organizado e que sabe se manifestar. Segundo o parlamentar, as pessoas estão começando a gostar de política e a cobrar os seus parlamentares.

“Isso é muito bom, isso é muito positivo. Eu nunca fui nem síndico de prédio, nem concorri para isso, mas eu digo para vocês, se tem uma coisa que político respeita, é um povo organizado e que sabe se manifestar. Sempre de forma pacífica, cobrar de seus representantes, por isso que eu acho que a política brasileira vai evoluir com a participação das pessoas, com a maturidade e a cobrança respeitosa de seus representantes”, disse.

Girão foi entrevistado no programa Sem Censura da TV Brasil e falou também sobre outros temas como a CPI da Pandemia e sobre seu envolvimento com o audiovisual. O senador é sócio de uma produtora que produziu, filmes com temática espírita, como Bezerra de Menezes e As Mães de Chico Xavier e contra o aborto, como Blood Money- Abordo Legalizado.

O parlamentar também falou sobre o projeto de lei sobre o voto impresso, atualmente em tramitação no Congresso. Girão acha que o tema está muito polarizado e considera que isso pode ser perigoso e deve ser discutido. “Essa é uma pauta que acho legítima da sociedade, porque se tem um grupo crescente, que não é pequeno, que quer o voto auditável, porque a gente não dá essa segurança tanto para essas pessoas como também para os candidatos”, disse.

Para o senador, o Parlamento tem a obrigação de debater o assunto e definir se haverá voto auditável nas eleições.

Veja aqui a entrevista completa com o senador Eduardo Girão. 

Comentários

Em alta