Além dos animais e da carne, a polícia apreendeu um veículo de carga, que teria sido utilizado pelos suspeitos para o transporte da carne.

De acordo com os próprios suspeitos, a carne havia sido adquirida no Rio Gama, originária da região do rio Boa Fé, no Amazonas.
Assessoria PF

A Polícia Federal em Cruzeiro do Sul apreendeu em um comércio na BR307, próximo a Unidade Prisional Manoel Nery, nesta sexta-feira, 18/09, 18 jabutis (carbonaira denticulata) e mais de 400kg de carne de caça em operação que visava combater o comércio ilegal de animais silvestres e venda de carne de caça.

Após investigações preliminares, policiais federais diligenciaram para verificar a informação de que ocorria a comercialização de carne de caça no local. Chegando no estabelecimento, os policiais encontraram a porta entreaberta e, de dentro dela, um cheiro forte característico de cura de carne.

Ao ingressarem no local, flagraram quatro indivíduos pesando e separando carnes no fundo do estabelecimento. Foram encontradas seis sacas, contendo aproximadamente 60 quilos de carne de animais silvestres em cada uma delas, além de uma caixa de isopor, um carrinho de mão e uma pequena quantidade de carne já separada em uma sacola sobre a bancada. Além da carne, foram encontrados 19 jabutis vivos, espalhados no chão da mercearia.

Foi necessário solicitar o apoio de duas viaturas para transportar todo o material apreendido.

De acordo com os próprios suspeitos, a carne havia sido adquirida no Rio Gama, originária da região do rio Boa Fé, no Amazonas. Além dos animais e da carne, a polícia apreendeu um veículo de carga, que teria sido utilizado pelos suspeitos para o transporte da carne.

Os quatro suspeitos foram conduzidos para a Delegacia de Polícia Federal em Cruzeiro do Sul/AC para lavratura do auto de prisão em flagrante e responderão pelos crimes de tráfico de animais silvestres e caça ilegal.

Os jabutis e a carne de caça, por sua vez, ficaram a cargo do IMAC (Instituto do Meio Ambiente do Acre), que realizará a apreensão e os procedimentos administrativos cabíveis ao caso.

Comentários