A operação aconteceu depois de seis meses de investigação do setor de inteligência da Polícia Civil acreana, que vem monitorando as ações das organizações criminosas que têm agido no Acre.

Mandados foram cumpridos em vários bairros de Rio Branco e também no interior Foto: Marcos Vicentti/Secom
Ascom
Operação Sinapse resultou na prisão de 43 pessoas em cinco cidades do Acre e no Mato Grosso.

A Polícia Civil do Acre finalizou nesta quarta-feira, 5, a primeira fase da Operação Sinapse, deflagrada no dia 22 de janeiro e que objetivou desarticular células de organização criminosa, que vêm agindo em todo o estado.

No relatório final da primeira fase da ofensiva policial consta a prisão de 43 pessoas ligadas ao crime organizado e outras 28 indiciadas, inclusive de outras unidades da federação.

A operação deu cumprimento a 125 ordens judiciais de prisão e busca e apreensão que foram realizadas na capital, Rio Branco, e nos municípios de Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Porto Acre e Bujari. Ocorreram prisões também em outros estados, como por exemplo, no Mato Grosso.

Participaram da ação mais de 100 policiais das delegacias Regionais, Especializadas, Coordenadoria de Recursos Especiais – Core, Inteligência e do Departamento de Polícia da Capital e Interior – DPCI. A operação aconteceu depois de seis meses de investigação do setor de inteligência da Polícia Civil acreana, que vem monitorando as ações das organizações criminosas que têm agido no Acre.

“O relatório final da Operação Sinapse, teve grande êxito. Essa é a prova que o trabalho realizado pela Polícia Civil do Acre é eficaz. O trabalho da Polícia Civil é um trabalho mais investigativo, de inteligência, de monitoramento, um trabalho mais velado. Mas a Polícia Civil não está inerte ao que vem acontecendo, estamos atentos e trabalhando muito para alcançarmos resultados positivos. O nosso departamento de inteligência é um dos mais preparados para esse tipo de trabalho e que será reforçado pelos novos investimentos por parte do governo estadual com equipamentos e novas tecnologias”, avaliou Henrique Maciel, Delegado-geral da Polícia Civil do Acre.

O delegado-geral da Polícia Civil do Acre, José Henrique Maciel, explicou ainda que os criminosos foram presos e indiciados por diversos crimes, mas que a maioria é envolvimento com organizações criminosas.

“Cumprimos 125 ordens judiciais, de busca e apreensões, em diversas cidades e no Mato Grosso, onde houve uma prisão. Desses 43, 28 foram indiciados por envolvimento com organização criminosa. Essa foi a finalidade da operação”, reforçou.

Maciel acrescentou que mais da metade dos presos estava em liberdade e eram suspeitos de roubos, furtos e outros crimes.

“Tiremos, no primeiro momento, 25 pessoas das ruas. As outras pessoas já estavam presas por outros crimes. Não podemos antecipar nada, mas estamos trabalhando”, concluiu.

Comentários