Além de Rio Branco, mandados foram cumpridos no Rio Grande do Norte e Rondônia, nesta sexta-feira (13).

PF cumpriou mandados no Acre, RN e Rondônia — Foto: Polícia Federal/Divulgação

A Polícia Federal cumpriu nesta sexta-feira (13) dez mandados de prisão e de busca e apreensão em Rio Branco, em uma operação de combate ao tráfico de drogas.

Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Federal no Rio Grande do Norte.

Além da capital acreana, mandados também foram cumpridos nas cidades de Natal, Nísia Floresta, e Ceará-Mirim, no Rio Grande do Norte e em Pimenta Bueno, em Rondônia. Uma advogada está entre os presos.

Segundo a PF, entre os mandados cumpridos no estado do Acre, cinco são de busca e apreensão e outros cinco são de prisão.

As investigações começaram após a PF detectar uma movimentação financeira atípica de um ex-presidiário, vinculado a acreanos envolvidos em tráfico de drogas. O suspeito tentava depositar valores expressivos em uma conta no Acre.

Durante as investigações, os policiais federais descobriram que o grupo comprou um ônibus de turismo para transportar drogas para Natal, simulando serviço a turistas.

Em março de 2018, a Polícia Rodoviária Federal abordou o ônibus, no entorno da cidade de Cuiabá, no Mato Grosso, e encontrou cocaína escondida no assoalho. O motorista foi preso.

Droga levada do Acre para o nordeste

De acordo com a Polícia Federal, após a apreensão no ônibus, o líder da ação criminosa – foragido da Justiça e natural de Mossoró – comprou um caminhão, tipo carreta, para modificar o modus operandi. O tráfico no percurso Acre – Rio Grande do Norte passou a ser feito com o caminhão, segundo a PF.

Em uma das viagens, a Polícia Federal potiguar identificou o veículo e realizou, em junho de 2018, a apreensão de 277 quilos de cocaína. Na ocasião, o motorista e o passageiro foram presos.

De acordo com a PF, as investigações apontaram ainda que uma advogada atuava orientando a organização criminosa em como realizar a manipulação e divisão dos entorpecentes. Ela teve a prisão preventiva decretada.

Comentários